De volta ao Pico Paraná – Parte 2

“Depois de termos conseguido subir a uma grande montanha, só descobrimos que existem ainda mais grandes montanhas para subir.”

NELSON MANDELA

O pessoal levantou pouco depois das quatro da manhã e partiu rumo ao cume do Pico Paraná, pois queriam ver o sol nascer lá do alto. Resolvi dormir mais meia hora e depois seguir sozinho, pois não teriam pessoas na trilha e isso evitaria filas em alguns pontos, e consequentemente a lentidão. E também estaria menos frio e mais claro, eu não precisaria utilizar lanterna na trilha e isso seria mais seguro. Eu já tinha visto o sol nascer uma vez no alto do Pico Paraná, então não fazia questão de ver novamente, podia fazer o ataque ao cume mais tarde. Dormi mais um pouco e quando acordei o dia estava começando a clarear. Me arrumei rapidamente e saí da barraca. Não fazia tanto frio igual na noite anterior. Vi que um companheiro também tinha ficado dormindo e fui chamá-lo para subir comigo. Ele disse que não dava, que sentia muita dor no joelho e se tentasse ir até o cume, talvez não tivesse condições físicas para fazer a trilha de volta mais tarde. Então subi sozinho!

No inicio senti fortes dores nas costas, culpa da noite dormida no chão duro. Mas felizmente, conforme o corpo foi esquentando, as dores sumiram. O que incomodava muito desde a metade do dia anterior, era meu joelho esquerdo, que carece de cirurgia há tempos. Evitei ao máximo forçar tal joelho. O caminho até o cume era basicamente de subida, e segui rápido, tendo encontrado apenas cinco pessoas pelo caminho. Acabei errando a trilha e fui parar num canto do paredão da montanha, um lugar com a vista muito bonita. Tirei algumas fotos no exato momento que o sol surgiu e retornei em busca da trilha correta. Passaram alguns minutos e pouco antes de chegar ao facãozinho, que é uma parte da trilha ao mesmo tempo bonita e perigosa por ser estreita, encontrei três membros do meu grupo. Eles tinham desistido de tentar o cume e estavam voltando ao acampamento. Tentei argumentar que estavam bem próximos, mas os três estavam decididos a desistir e achei melhor não insistir. Segui em frente e após quatorze minutos cheguei ao cume do Pico Paraná, pela segunda vez em minha vida. Encontrei o restante do meu grupo lá em cima, todos radiantes de alegria.

No cume ventava e fazia um pouco de frio, mas nada comparado ao frio que encontrei da outra vez que lá estivera, seis anos antes. Curti um pouco do visual em volta, tirei fotos sozinho e com o pessoal, e depois de quase uma hora começamos a descida. Vim no final do grupo, curtindo ainda a paisagem. Ao passar numa parte estreita da trilha, deixei minha mochila de hidratação cair debaixo de umas pedras. Fiquei na dúvida se seria possível resgatar a mochila. Acabei encontrando um caminho para descer, mas antes pedi para um cara do grupo de Florianópolis esperar eu voltar. Quando cheguei ao lugar onde a mochila estava, olhei em volta e no meio das pedras estava cheio de buracos. Fiquei com receio de que fossem tocas de cobra e dei um jeito de pegar a mochila e sair dali o mais rápido possível. A rapidez e medo foi tanta, que ao sair do buraco onde estava, bati forte com o joelho machucado numa pedra, e descolei uma unha da mão esquerda. Acho que esse foi o pior momento do final de semana, por culpa do medo e das dores que senti. E o jeito foi seguir em frente, morro abaixo. Trinta minutos depois estava de volta ao acampamento e comecei a desmontar a barraca.

Iniciamos a descida com sol a pino e bastante calor. Nem parecia que há poucas horas fazia um frio medonho. Na descida demoramos um pouco para passar pela carrasqueira, pois mesmo com sol, tinha muito barro nos degraus. A partir dali foi mais tranquilo e seguro a caminhada e logo entramos no primeiro trecho de mata. O calor fez todos consumirem muita água, e logo tivemos que racionar. Pouco antes de chegarmos ao acampamento A1, ouvimos o helicóptero dos bombeiros, que tinha vindo resgatar a garota de Florianópolis que se machucou no dia anterior. Por muito pouco não presenciamos o resgaste.

Após uma parada mais longa antes de entramos na parte mais extensa da mata, lanchamos e tiramos fotos do Pico Paraná ao longe. No dia anterior ele estava encoberto pelo nevoeiro quando passamos por esse local. De onde estávamos também era possível ver o mar, distante alguns quilômetros. Entramos na mata, e mais uma vez foi difícil vencer esse trecho cheio de galhos, troncos e barro. Meu joelho esquerdo doía muito, e tive que tomar cuidado em não forçar ele. Procurava sempre colocar a perna direita primeiro como apoio. Isso dificultou bastante a caminhada e também me cansou muito. Quase no final da mata paramos numa mina d´água e ali bebi quase dois litros de água. Seguimos em frente, saímos da mata e passamos pelo Morro do Getúlio. Depois a maior parte da trilha foi de descida. Mas o sol e o calor judiaram bastante, bem como a ansiedade de terminar logo a descida. A mochila nas costas parecia estar cada vez mais pesada.

No fim tudo deu certo e todos chegaram bem na Fazenda Pico Paraná. Depois foi hora de tomar banho, lanchar e arrumar as coisas para a longa viagem de volta para casa. Alguns diziam que nunca mais subiriam outra montanha, outros já queriam marcar uma data para subir nova montanha. No geral todos estavam cansados, um pouco doloridos, mas felizes pela aventura e conquista. Com certeza todos lembrarão por muitos anos desse final de semana, onde o grupo todo se uniu em torno de um objeto comum. E muitos membros do grupo tiveram que superar seus medos, limitações físicas e encontrar forças para seguir em frente… Valeu pessoal!

a12

O sol nascendo.

a65

Facãozinho.

A5295C41-725B-4B9C-ACDC-805559A9914C

Meditando no cume.

a31

No cume do Pico Paraná. (03/11/2019)

8A3CA39E-6641-41F0-AAB5-2B2E7EB36A28

Bando de loucos!

a21

a40

Lucas Spider-Man.

a43

Contemplação…

a51

Vander e Roberto.

a57

31A64400-50C6-4798-B185-4DE983A67652

Descendo a carrasqueira.

a74

Pico Paraná e a direita o mar…

a80

Com a Amanda, que foi guerreira…

a81

Vander, Taise e Ronaldo, quase do fim da aventura.

 

De volta ao Pico Paraná – Parte 1

00000000

Com 1.877 metros de altitude, o Pico Paraná é a montanha mais alta da Região Sul do Brasil. Está situado entre os municípios de Antonina e Campina Grande do Sul, no conjunto de serra chamado Ibitiraquire. Foi descoberto pelo pesquisador alemão Reinhard Maack que entre 1940 e 1941, efetuou diversas incursões à Serra do Ibitiraquire com o objetivo de obter medições e anotações sobre a fauna e a geomorfologia da região. Maack juntamente com os alpinistas Rudolf Stamm e Alfred Mysing e com auxílio de tropeiros da região, partiu em 28/06/1941 com o objetivo de conquistar o cume da montanha. Rudolf Stamm e Alfred Mysing conseguiram chegar ao cume da montanha no dia 13/07/1941.

Após pouco mais de seis anos, voltei ao Pico Paraná. Fomos num grupo de 12 pessoas, onde o único que já tinha subido uma montanha antes, era eu. Nosso grupo era composto por nove homens e três mulheres. Quarenta dias antes tínhamos iniciado o projeto de subir o Pico Paraná. Nesses 40 dias algumas pessoas entraram e outras saíram do grupo. O pessoal também aproveitou para treinar, pois desde o início deixei claro que a empreitada não era nem um pouco fácil. Também treinei bastante, e só não treinei ainda mais, por culpa de dores no meu joelho esquerdo bichado e da tendinite no pé direito, que trato há quase um ano e não quer sarar. Mesmo com as limitações causadas pelas dores físicas, cheguei bem fisicamente no dia de subir o Pico Paraná. E eu podia contar com algo que os demais não tinham, que era a experiência.

Após uma longa noite de viagem numa van não muito confortável, chegamos em Curitiba e já começou a chover. Felizmente a chuva durou pouco e quando chegamos na Fazenda Pico Paraná, o sol estava alto e quente no céu. Tivemos um pouco de dificuldade para encontrar a entrada da Fazenda, mas no fim deu tudo certo. Logo que desembarcamos, já começamos a nos preparar para subir o morro. Cerca de uma hora depois já nos encontrávamos em fila indiana subindo os primeiros metros da trilha. Nosso grupo era formado por: Vander, Krisley, Igor (irmão do Krisley), Marilda (tia do Krisley e do Igor), Roberto, Lucas, Wellison, André, Amanda, Sidinei, Ronaldo e Taise (noiva do Ronaldo). O grupo era bastante heterogêneo, com idades que iam dos 17 aos 49 anos. Mas mesmo com suas diferenças, desde o início nosso grupo foi bastante unido e aguerrido. O tempo todo um ajudava ao outro, e essa união fez nossa jornada ser muito mais fácil.

Sempre achei o início da caminhada a parte mais difícil, pois o corpo está frio, a mochila parece mais pesada do que realmente está, e o lado psicológico joga contra nós. Você se sente mal e extremamente cansado logo no início, então acaba achando que não vai conseguir caminhar por várias horas e quer desistir logo no início. Tivemos tal problema com um integrante de nosso grupo, mas com a união de todos e um pouco de conversa, o problema se resolveu e ninguém desistiu. Felizmente o sol deu uma trégua após meia hora de caminhada e isso facilitou as coisas. Pelo caminho encontramos um grupo de 17 pessoas, vindas de Florianópolis, e nas horas e no dia seguinte, tivemos contato mais próximo com muitas pessoas pertencentes a esse grupo de catarinenses. Após quase duas horas de caminhada chegamos ao Morro do Getúlio e ali fizemos uma longa parada para lanche. Depois seguimos em direção a mata fechada e boa parte da tarde ficamos subindo e descendo morro em meio a galhos, raízes de árvores, rochas, riachos e muita lama. Tinha chovido na mata e a trilha ficou lisa e perigosa. Quando saímos da mata, não era possível ver o Pico Paraná, pois ele estava encoberto por um denso nevoeiro.

Ainda no meio do nevoeiro, iniciamos a parte mais complicada e perigosa da subida, que é superar a carrasqueira, um longo paredão de rocha, com degraus e correntes que ajudam a subida. Como estava tudo molhado, os degraus ficavam com um pouco de barro que tinha soltado dos calçados do que passaram antes por ali, então isso aumentava o perigo. Qualquer descuido poderia causar algum acidente grave. No fim tudo correu bem, os que tiveram mais dificuldade em subir esse trecho, foram auxiliados pelos demais. A união do grupo fez uma enorme diferença nessa parte da subida. Depois tivemos mais um longo trecho de caminhada e finalmente chegamos ao A2, acampamento onde passaríamos a noite.

Tinham mais pessoas acampadas no A2, então o lugar onde montamos nossas barracas não era dos melhores. Alguns saíram buscar água numa mina próxima e a maioria preferiu descansar. Após tomar um banho de gato utilizando lenços umedecidos e colocar roupas limpas, aproveitei para dormir um pouco. Tinha dormido pouco na viagem e depois do esforço do dia ao percorrer quase nove quilômetros com mochila nas costas, eu estava exausto. No final da tarde vimos um helicóptero dos bombeiros passar pelo acampamento. Depois ficamos sabendo que ele tinha tentado resgatar uma moça do grupo de Florianópolis, que machucou o pé gravemente e estava esperando resgate no A1. Por culpa do mal tempo, não conseguiram realizar o resgaste, o que só foi feito no final da manhã do dia seguinte.

A noite chegou no acampamento e com ela o frio e muito nevoeiro. Aproveitei para “jantar” uma lata de salsichas e mais algumas guloseimas. Fui fazer xixi num matinho ao lado da barraca, e deu para ter noção do quanto tinha esfriado. O nevoeiro deixava o acampamento com um visual incrível, mas achei melhor voltar logo para a barraca e tentar me aquecer. Tinha gente no grupo passando frio, pois é natural que algumas pessoas sintam mais frio que outras. Como tenho boa resistência ao frio, talvez por já ter passado muito frio na vida e também por ter quase certeza de que fui um urso polar em outra encarnação (detesto calor e amo o frio!), emprestei minha blusa para a Amanda. Mesmo sentindo um pouco de frio, e com o desconforto da barraca, pois para eliminar peso optei por não levar saco de dormir e isolante térmico, consegui dormir muitas horas. O plano era levantar pouco antes do sol nascer e partir para o ataque ao cume do Pico Paraná.

01

Em pé: Wellison, Vander, Ronaldo, Taise, Marilda, Igor, Amanda e Roberto. Agachados: Krilsley, Lucas, Sidinei e André.

2 (1)

Primeira longa parada para descanso.

04

06

13

Almoço no Getúlio.

14 (2)

Começando a difícil parte da floresta.

14 (12)

F1C15951-8228-43AD-8E30-5804882C6D27

14 (40)

00

Kit alimentação.

 

Caminhada na Natureza – Janiópolis

Domingo nublado, clima ameno, levantei não tão cedo, e fui com dois amigos participar da Caminhada na Natureza, na cidade de Janiópolis. Tinha bastante gente a após um breve aquecimento começou a caminhada. No início estava meio travado, ficávamos mais parados do que caminhando. Mas aos poucos a caminhada foi evoluindo e tudo ficou melhor. O clima ajudou, caiu uma pequena garoa e refrescou bastante. A caminhada foi de 8,5 quilômetros e serviu como treino para a subida do Pico Paraná daqui uns dias. No geral essa caminhada foi legal. De negativo é o pessoal que leva som alto para caminhar. Isso acaba incomodando, pois quem vai caminhar na natureza quer é paz e silêncio.

428e5bc3-6d30-4b2f-b580-00002df4a3bd

IMG_2313

IMG_2319

IMG_2300

IMG_2352

Caminhada na Natureza – Iretama

Mais um domingo levantando cedo para ir numa caminhada. Dessa vez foi na cidade de Iretama. Essa caminhada era para ter acontecido no dia 2 de junho, mas foi adiada por causa da chuva. Eu e alguns amigos pegamos carona no ônibus do grupo de caminhadas da cidade de Peabiru. Foi mais uma caminhada divertida, passando por locais muito bonitos, conhecendo gente, conversando e rindo muito. O clima ajudou e o sol apareceu somente depois do meio da caminhada. Mais 12 km pra conta!

0000000

IMG_0517

B039A43E-AE39-4999-BD0F-24ADE2E8FD2B

IMG_0554

Itaipu Binacional

Aproveitando a visita à Foz do Iguaçu, estive visitando Itaipu pela quarta vez. E dessa vez dei sorte de ver o vertedouro aberto, algo que acontece poucas vezes durante o ano. O passeio por Itaipu é sempre interessante e impressiona o tamanho da hidrelétrica.

Usina Hidrelétrica de Itaipu 

É uma usina hidrelétrica binacional localizada no Rio Paraná, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. A barragem foi construída pelos dois países entre 1975 e 1982. A Itaipu Binacional, operadora da usina, é a líder mundial em produção de energia limpa e renovável, tendo produzido mais de 2,5 bilhões de megawatts-hora (MWh) desde o início de sua operação. O seu lago possui uma área de 1.350 km2, indo de Foz do Iguaçu, no Brasil e Ciudad del Este, no Paraguai, até Guaíra e Salto del Guairá, 150 km ao norte.

IMG_9323

IMG_9396

 

Templo Budista de Foz do Iguaçu

Pela segunda vez estive visitando o Templo Budista, na cidade de Foz do Iguaçu. O local é muito bonito e transmite muita paz. Fui com alguns amigos que não conheciam o local e todos gostaram do passeio.

Templo Budista Chen Tien

O Templo Budista fica localizado em uma privilegiada região alta da cidade, onde pode se ter uma visão de parte do centro da cidade de Foz do Iguaçu e de Ciudad del Este (Paraguai). A beleza do local permite um contato mais próximo com a filosofia Budista, e um momento de descanso. O local foi construído em 1996, e hoje, nos jardins do templo existem mais de 120 estátuas, cada uma com o seu significado, sendo os destaques, uma estátua de Buda de sete metros de altura, e um templo que cria um ambiente bastante especial para o local.

tb

IMG_9257

IMG_9254

Caminhada na Natureza – Etapa Mamborê

Após uma longa ausência por culpa de problemas físicos, voltei a participar de uma Caminhada na Natureza. Dessa vez a caminhada foi na cidade de Mamborê, na Comunidade do Gavião. Tenho um carinho enorme pela região do Gavião, pois esse foi o local onde meus pais foram morar após de casarem em 1967. Inclusive a lua de mel deles foi na estrada que leva até o Gavião, dentro de um caminhão quebrado e com um tio meu ao lado. Quando criança fui algumas vezes ao Gavião, pois meu avô paterno tinha um compadre que vivia lá e eles faziam expedições de caça. Nessa época, em meados dos anos setenta, a região tinha muita mata, muitas Araucárias e também veados e onças em certa abundância. Hoje em dia quase tudo por lá foi tomado por plantações de soja.

Até Mamborê fui de carro, e junto comigo foram os fiéis parceiros Alemão e Laine, e um novo amigo, o André. No centro da cidade pegamos um ônibus com mais alguns caminhantes e rodamos 14 quilômetros por estrada de chão, até chegar na Comunidade do Gavião. Após tomar o café da manhã, fizemos inscrição para a caminhada. Depois teve aquecimento e o início da caminhada.

O trecho percorrido foi bem legal, passamos por rios, pequenas cachoeiras e muitos trechos de mata. Ainda existem algumas Araucárias sobreviventes no local. No meio da caminhada comecei a sentir dor no pé direito por culpa de uma tendinite que não quer sarar e manquei os quilômetros finais. Apesar das dores e de ser um dos últimos a chegar ao fim, foi uma caminhada muito legal, um pequena visita ao meu passado, a minha história.

000

IMG_8963

Rota da Fé

A Rota da Fé, é um evento que acontece há alguns anos em minha cidade, e em outras cidades próximas. Ela envolve curtas caminhadas, missas, visitas a locais religiosos e não religiosos. É um tipo de evento de turismo religioso que tem crescido a cada ano. São realizadas mais de uma Rota da Fé por ano, sempre com bastante participantes, de todas as idades.

Fazia bastante tempo que eu queria participar de uma Rota da Fé. Mas sempre ia adiando, algumas vezes em razão de outros compromissos, às vezes por culpa do clima e até mesmo por preguiça. Até que um amigo me convidou para participar da última Rota da Fé que seria realizada em 2018, na cidade de Mariluz, distante cerca de 80 quilômetros de minha cidade. Como estou passando por um momento complicado por culpa de doença na família, não pensei duas vezes e aceitei o convite. Seria bom ter um dia dedicado a religião, a oração e a meditar um pouco.

E num domingo quente, levantei cedo e fui pegar o ônibus que me levaria até a cidade de Mariluz. Na praça da matriz encontrei três amigos e embarcamos num dos oito ônibus que levariam os participantes da minha cidade até o local do início da Rota da Fé. Dormi o caminho todo e chegando em Mariluz, percebi que tinham ônibus de muitas outras cidades. Não sei precisar o número de participantes, mas sei que tinha muita gente. O evento iniciou com uma missa na igreja local, que não comportou todos os participantes. Eu e meus amigos optamos por ficar sentados na praça em frente à igreja, batendo papo. Sei que isso é feio, mas quem nunca fugiu da missa que atire a primeira pedra…

Após a missa teve uma procissão de pouco mais de dois quilômetros, até uma outra igreja, onde teve uma missa mais curta. Dessa vez não fugi, e fiquei boa parte da missa em pé na porta da igreja, do lado de fora. O calor estava forte e depois embarcamos nos ônibus para seguir até o local do almoço. Eu achei que seria num local perto, mas como não tive curiosidade de ler a programação do evento, não tinha a mínima ideia de onde seria o almoço. Me ajeitei sozinho numa das poltronas do ônibus e em pensamento agradeci pela invenção do ar condicionado. Logo peguei no sono e acordei cerca de uma hora depois, quando o ônibus parou numa igreja ao lado da estrada. Achei que ali seria o local do almoço, mas assim que acabei de desembarcar, o pessoal já estava voltando para dentro dos ônibus. Mais um tempo de viagem por estrada de chão e com muita poeira e paramos novamente. O local do almoço era em um assentamento do MST – Movimento dos Trabalhares sem Terra. Foi meio que uma surpresa para mim, que sempre ouvi falar dos acampamentos e assentamentos do MST, mas nunca estive em algum.

Dei uma volta pelo local, que era pequeno e com pouca estrutura. Teve uma apresentação, a qual não assisti e depois foi servido o almoço, o qual dispensei. Seria servido uma canja, e como não gosto canja e muito menos de frango cozido, preferi comprar um pacote de bolinhos que eram vendidos por mulheres de uma associação do assentamento. Depois dei algumas voltas curtas pelo local e fiquei conversando com os amigos. E aproveitamos para tirar fotos em frente a uma grande bandeira do MST. Vale registrar que não sou de esquerda. Na verdade, em termos de política sou neutro. Voltamos para dentro do ônibus e do maravilhoso ar condicionado, e seguimos em frente. Mais alguns quilômetros de estrada poeirenta, e paramos no maior ponto turístico da região, o Salto Paiquerê. Tinha muita gente no local, e enfrentei uma fila enorme para poder descer uma escadaria e apreciar a beleza do Salto Paiquerê. O lugar é muito bonito! Voltamos para o ônibus, e pegamos estrada novamente. Fazia muito calor, e aproveitei para dormir no frescor do ar condicionado.

Nova parada, dessa vez numa pequena comunidade, onde existia uma igrejinha. Parte do pessoal, os mais devotos, seguiram para uma curta missa. Os demais ficaram perambulando pelo local. Depois foi servido um farto café, composto principalmente por pão com salsicha e pão com carne moída. Comi vários, pois estava faminto em razão de não ter almoçado. Após o café foi encerrada a Rota da Fé e embarcamos no ônibus de volta para casa. Foi um dia gostoso e interessante, mas fiquei com a consciência pesada em razão de ter fugido da missa principal, no início da manhã. Espero participar de nova Rota da Fé, assim que possível.

00

49051464_10156133258018067_4415012727139860480_n

48426788_10156133258188067_5248344585674948608_n

Caminhada na Natureza – Etapa Sertãozinho

Hoje foi dia de levantar cedo e pegar estrada, para participar de mais uma etapa do circuito Caminhada na Natureza. Esse ano estou meio devagar com as caminhadas, por culpa de um problema no joelho que me incomoda há alguns meses. A caminhada de hoje era a etapa de Engenheiro Beltrão, que dessa vez aconteceu no distrito de Sertãozinho. Então vou chamar a caminhada como etapa de Sertãozinho.

Sertãozinho é um pequeno distrito, que fica ao lado da BR que vai de minha cidade, Campo Mourão, até Maringá. Passo por Sertãozinho há quase cinquenta anos, desde que me conheço por gente e nunca tinha “entrado” na pequena cidade. Hoje foi a primeira vez que entrei em Sertãozinho, justamente por culpa da Caminhada na Natureza. De casa até lá são 20 quilômetros de estrada. Tinha muita neblina na estrada, mas mesmo assim cheguei rápido. Dessa vez fui sozinho, pois meu habituais companheiros de caminhada preferiram ficar dormindo.

A caminhada começou com atraso, o que é até normal nesse tipo de evento. Tinha chovido bastante nos dias anteriores, e por conta disso tinha muito barro pelo caminho. No início caminhamos com bastante neblina, o que dava um ar meio sinistro a caminhada, e deixava bonita a paisagem. A caminhada em si teve 9,5 quilômetros de extensão, e foi a mais curta de que participei até hoje. Tiveram que mudar o caminho, excluindo uma cachoeira que estava na rota original, mas que teve as trilhas que levam até ela destruídas pelas chuvas recentes.

Passamos por algumas paisagens interessantes, e também caminhamos um pouco pela margem de um rio. Próximo ao rio passamos por uma trilha em meio a mata, que estava cheia de lama e escorregadia, e onde vi algumas pessoas sofrerem quedas. Após essa trilha tinha um morro enorme para subir, e sofri um pouco para vence-lo, o que comprova que estou bastante fora de forma após quase cinco meses sem praticar atividades físicas com regularidade. Mesmo fora de forma, caminhei em um bom ritmo e terminei a caminhada muito antes do que imaginava. Sendo assim voltei para casa e tive tempo de lavar calçado e roupas enlameadas e ir almoçar na casa de meus pais.

No geral a caminhada de Sertãozinho foi bem organizada e interessante. Espero voltar no próximo ano e que tenha sol e possa conhecer a cachoeira que dessa fez ficou de fora do roteiro da caminhada.

44024877_10155986354283067_3463216629674934272_n

Caminhadas_peq

Prova Rústica Tiradentes 2018

Hoje foi dia de levantar cedo, pegar estrada e viajar quase 90 km até Maringá, para participar da Prova Rústica Tiradentes. Foi a segunda vez que corri essa prova, a outra vez foi em 2005. O que percebi foi que a prova cresceu, tanto em participantes, quanto em organização. Dessa vez, mesmo sofrendo com dores no joelho direito, curti muito ter participado. Corri devagar, cuidando do joelho e consegui cruzar a linha de chegada, mancando…

942dbe9d-4f2c-43ae-83fc-988b0553f317

252e9ccd-a097-4d08-823b-05b1d62a0f01

Caminhada na Natureza: Quinta do Sol

Mais um domingo acordando cedo, reunindo os amigos e pegando a estrada rumo a uma etapa do circuito Caminhada na Natureza. Dessa vez a caminhada foi na cidade de Quinta do Sol. Tinha chovido muito no dia anterior, então o caminho tinha muito barro. Mas isso não atrapalhou a caminhada, que passou por locais muito agradáveis e paisagens bonitas.

WhatsApp Image 2017-11-19 at 08.15.20

WhatsApp Image 2017-11-19 at 18.09.32

WhatsApp Image 2017-11-21 at 19.46.24

WhatsApp Image 2017-11-19 at 18.09.25

Caminhada na Natureza: Farol

Domingo de sol, foi dia de participar de mais uma caminhada do circuito Caminhada na Natureza. Dessa vez a caminhada foi próximo a cidade de Farol. O percurso foi de 12 km e tinha muitos participantes. Alguns trechos bonitos, incluindo um bela cachoeira, onde era opcional descer até ela e mais opcional ainda subir pela lateral dela. De negativo somente muitos trechos de caminhada no meio de plantações, o que é algo monótono.

WhatsApp Image 2017-11-10 at 18.53.55

WhatsApp Image 2017-11-12 at 19.19.34

WhatsApp Image 2017-11-12 at 19.19.43

WhatsApp Image 2017-11-12 at 19.20.09

Caminhada na Natureza: Engenheiro Beltrão

Hoje foi dia de caminhar na natureza. Após dois anos voltei a participar de uma caminhada em Engenheiro Beltrão. Na verdade a caminhada é na região de Ivailândia, alguns quilômetros após Engenheiro Beltrão. Esse ano mudou um pouco o trajeto e ficou bem mais longo e melhor, passando por muitos trechos em meio á mata e ao lado do rio Ivaí. Foram 15 km de caminhada, boa parte com tempo nublado e depois com um sol escaldante. Estávamos em uma turma bem animada e isso fez a caminhada ser ainda mais prazerosa e divertida. Sei que ri muito!

22310561_663523904035197_3185366445473594315_n

Caminhada na Natureza: Turvo

Após o show em Cruzeiro do Oeste, cheguei em casa de madrugada, tomei banho, peguei minhas coisas e meia hora depois passei na casa de uns amigos e sem dormir nadinha segui para a cidade de Turvo. Foram quase 170 km de estrada para participar de mais uma Caminhada Internacional na Natureza. Fazia alguns anos que tinha vontade de caminhar em Turvo, pois sei que a região é bonita e tem muita mata e cachoeiras. E dessa vez deu certo de ir pra lá, mesmo cansado e sem dormir.

A caminhada teve centenas de participantes e foi muito bem organizada. Foram quase 14 km de caminhada, principalmente no meio da mata, onde tinham muitas araucárias, minha árvore favorita. E passamos por cinco cachoeiras, sendo que uma delas tinha 37 metros de queda d’agua. Sofri um pouco, pois manquei boa parte da caminhada por culpa de um problema antigo no tornozelo e que só vem piorando. E fez bastante calor para um domingo de inverno, mas ao menos caminhar na sombra da mata amenizou um pouco  o calor. Quase no final da caminhada eu estava bem exausto e passamos num local com casas de madeira em estilo europeu, onde moram algumas famílias com origem holandesa. Na frente de uma das casas estavam servindo aos caminhantes limonada e sopa. Provei a sopa que estava deliciosa e até repeti. Daí tive novo animo e forças para seguir até o final. Não sei o que tinha naquela sopa que me deu tanto energia. De repente é melhor nem saber!

De tanto que gostei da caminhada em Turvo, pretendo voltar outras vezes. O mais difícil foi a volta para casa, pois estávamos todos muito cansados. Para ficar acordado e não correr o risco de dormir ao volante, consegui um lugar para tomar banho e ingeri uma lata de energético com Coca-Cola. E boa parte do caminho de volta para casa viemos cantando no carro e rindo muito, o que ajudou a me manter acordado.

DSC01937

IMG_2433

DSC01949

Show da Bruna Viola

Gosto de música sertaneja e atualmente uma de minhas preferências são as músicas da Bruna Viola. Ela é uma cuiabana que toca muito bem viola, e que nos últimos dois anos tem feito bastante sucesso. Fazia algum tempo que eu queria ver um show dela, mas ela não vinha para o Paraná. E finalmente esse mês ela veio duas vezes fazer show no Paraná e um dos shows foi em Cruzeiro do Oeste, cidade distante 70 km de onde moro.

E parti com três amigos rumo à Cruzeiro do Oeste. A viagem era curta e foi divertida, pois rimos muito e cantamos bastante. E fomos presenteados com uma linda lua vermelha no céu, um fenômeno raro. O local do show estava lotado e tive que estacionar bem distante. O show foi muito bom e durou pouco mais de duas horas. Show bem produzido, animado, onde Bruna Viola cantou muitas de suas músicas e também muitos sucessos sertanejos. E gostei quando ela cantou o rock “Ana Julia”, tocando viola… E depois dos show tivemos acesso ao camarim e pudemos tirar fotos com a Bruna. Tietagem total!

21077458_10154978354833067_3016654260897446794_n

21167483_10154978355033067_2569608176491394275_o

21122508_10154978356423067_5810551716836180409_o

20986728_335708713550441_8739573004939296768_n

Acqua Trekking

Hoje foi dia de Acqua Trekking na cidade de Peabiru. Ou seja, dia de caminhada onde a maior parte do percurso é feito dentro da água. E foi uma caminhada muito legal, andando no meio da mata, por trilhas molhadas, atravessando o rio várias vezes, caminhando por dentro do rio, atravessando pinguela e visitando seis cachoeiras. Mesmo sendo um dia quente de inverno, a água estava bem gelada, mas isso não atrapalhou nem um pouco a aventura. Ao todo foram nove quilômetros de caminhada, e teve direito a batismo com lama…

DSC01577

DSC01598

00

De volta ao Lago Azul

Aproveitando que o frio deu um tempo, fui com alguns amigos visitar novamente o Parque Estadual Lago Azul. Percorremos a Trilha Aventura, que dessa vez não estava tão difícil em razão da água estar baixa, por culpa da falta de chuva. Foi uma caminhada agradável e de negativo somente eu ter torcido o pé após pisar numa pedra solta, e a noite tive que ir ao hospital por culpa desse incidente. Resultado, muita dor e alguns dias de atestado evitando colocar o pé no chão.

DSC01318

ZZZ

Morretes debaixo d’água

Por culpa do excesso de chuva nos últimos dias, a bela e histórica cidade de Morretes está debaixo d’água. Morretes fica no litoral paranaense, aos pés da Serra do Mar e distante alguns poucos quilômetros das praias paranaenses. É uma cidade muito simpática e bonita, e uma das cidades de que mais gosto no Paraná. Espero que as chuvas não causem muitos danos a população local e as construções históricas da cidade.

mor1

Morretes antes da chuva.

morret

Morretes após a chuvarada dos últimos dias.

 

 

 

Antiga Rodoviária de Maringá

Estive na cidade de Maringá recentemente e ao parar em um semáforo no centro da cidade, olhei para um enorme terreno ao lado. Demorei alguns segundos para lembrar o que existia em tal local, que agora é um feio estacionamento público. Nesse terreno ficava a antiga Rodoviária de Maringá, que foi construída no anos sessenta. Durante muitos anos a rodoviária funcionou no centro da cidade e foi palco de milhares de histórias alegres e tristes. E tal rodoviária também faz parte de minha história, principalmente em minha infância e adolescência. Muitas vezes passei a noite na antiga Rodoviária, pois costumava ir para Maringá visitar amigos, ir em festas, assistir partidas de futebol e shows. E durante muitos anos o meio de transporte para ir de minha cidade, Campo Mourão, até Maringá, eram os ônibus que entravam e saiam da antiga Rodoviária da cidade. E muitas vezes era necessário pernoitar na antiga rodoviária, para esperar o primeiro ônibus no dia seguinte e voltar para casa. Era mais seguro esperar dentro da Rodoviária!

Nos quase dois minutos que fiquei parado no semáforo ao lado do local onde existia a antiga Rodoviária, pude lembrar de muitas histórias engraçadas e interessantes que vivi naquele local. A maioria delas foi na companhia de amigos. E ali também aconteceu uma dolorida despedida de uma linda carioca loira de olhos claros (um verde e outro azul), em meados de 1990.

Não sei ao certo qual o motivo de demolirem o antigo prédio da rodoviária, após terem construído uma outra rodoviária maior e mais moderna em outro local. Mas sei que tal demolição ocorreu em 2010 e que foi conflituosa. Tentaram fazer com que o prédio fosse tombado, por ser histórico. Mas no final prevaleceu a vontade do Prefeito da época, que era demolir o prédio o mais rápido possível. Tal decisão foi lamentável, pois o prédio histórico poderia muito bem ter sido restaurado e servido para outros nobres fins.

Infelizmente no Brasil não existe a cultura de preservar e conservar prédios históricos. Aqui o velho é considerado feio e sem importância, então decidem demolir e construir outra coisa no local. E muitas vezes a decisão de destruir construções histórias é tomada em razão de interesses econômicos obscuros. No caso da demolição da antiga Rodoviária de Maringá, não sei ao certo qual era o real interesse. Mas sei que se passaram mais de cinco anos e no local da antiga Rodoviária existe uma “vazio” bem no coração da cidade, onde atualmente existe um feio estacionamento.

mga

Cartão Postal da antiga Rodoviária de Maringá.

Rodoviaria_velha2090529

Antiga rodoviária. (Foto: Gazeta de Maringá)

Demolição da Fábrica da Mate Leão

No tempo em que morei em Curitiba, costumava caminhar ou andar de bicicleta pelo bairro Rebouças. Esse bairro durante mais de um século foi a área industrial de Curitiba. Algumas industrias ainda permanecem no local, mas a maioria mudou-se dali. Para mim andar por essa parte do Rebouças, era como viajar ao passado. O local tinha um ar diferente… Sei lá! Difícil explicar a sensação que eu tinha quando passava pelas velhas construções. A sensação era de que naquele lugar Curitiba tinha parado no tempo.

Os prédios onde funcionavam as antigas fábricas, muitos foram demolidos ou descaracterizados. E um desses casos é a demolição da sede histórica da Matte Leão. A indústria ocupava mais de um quarteirão na altura das avenidas Getúlio Vargas com João Negrão. O terreno de 16,3 mil metros quadrados foi vendido pela família Leão para a Igreja Universal do Reino de Deus, no início de 2010. No local será construída uma nova Catedral da Fé.

A Matte Leão foi criada em 1901 e funcionou durante mais de um século no bairro Rebouças. Em 2007 foi vendida para a Coca-Cola e posteriormente sua fábrica foi transferida para o município de Fazenda Rio Grande. O prédio do Rebouças ficou abandonado durante um tempo, até ser vendido para a Igreja Universal, por cerca de R$ 7 milhões. Mesmo sendo um prédio histórico, não era considerado unidade de preservação e isso possibilitou sua venda e posterior demolição.

História

A Leão Junior foi fundada em maio de 1901 por Agostinho Ermelino de Leão Junior, tornando-se protagonista do Ciclo da Erva-Mate, a principal riqueza do estado no século XIX e que foi determinante para a independência do Paraná da província de São Paulo. Não é portanto por acaso que as folhas de erva mate estão na bandeira do Paraná.

Com a morte de Agostinho em 1908, sua viúva, Maria Clara de Abreu Leão, toma a frente dos negócios em fevereiro de 1908, assumindo uma posição rara para mulheres na época. Em 1926 a Leão concluía a construção do prédio no bairro Rebouças. A fábricca contava inclusive com um ramal ferroviário que permitia o escoamento da produção diretamente para o Porto de Paranaguá.

Em 1938 a empresa cria um ícone do imaginário paranaense: o chá Matte Leão, na época em latas. Dessa época vem os slogans: “Já vem queimado” e o nacionalmente conhecido “Use e Abuse”. Em 1969 é lançado o Matte concentrado em garrafas. Em 1973 surgem os saches de chá Matte Leão nos sabores natural e limão.

Em 1983 lança a sua linha de chás de ervas, antecipando-se a moda das bebidas naturais, nos sabores camomila, cidreira, erva-doce, boldo, hortelã, frutas, flores e também, o chá preto. Em 1987 nasce outra sucesso: o Matte Leão pronto para beber em copinhos (alguém se lembra da propaganda na praia com a música: “Olha o Matte! Matte Leão!!”?). O produto em princípio focado no mercado carioca, rapidamente alcançou o Brasil todo.

Em 2003 inaugura sua fábrica no Rio de Janeiro. Tendo a posição de liderança nacional no seu ramo, a centenária empresa paranaense é vendida para a Coca-Cola do Brasil, rebatizando suas linhas por Chá Leão, ganhando o mundo. Em 2009 a nova fábrica na Fazenda Rio Grande é inaugurada, desativando definitivamente a fábrica no Rebouças, selando seu triste destino nas barbas de todos que viveram essa história de dentro ou como consumidores e nas barbas dos que deveriam proteger um patrimônio da história política e social do Paraná, quer por conivência, distração ou desinteresse.

Fonte: http://www.circulandoporcuritiba.com.br

Antigas latas de Matte Leão.

Antigas latas de Matte Leão.

Matte Leão, anos 20/30.

Matte Leão, anos 20/30.

Matte Leão, anos 2000. (Foto: Washington Takeuchi)

Matte Leão, anos 2000. (Foto: Washington Takeuchi)

Industria antes da demolição. (Foto: Washington Takeuchi)

A fábrica antes da demolição. (Foto: Washington Takeuchi)

Matte Leão após demolição. (Foto: Gazeta do Povo)

Matte Leão sendo demolida. (Foto: Gazeta do Povo)

Demolição da Matte leão. (Foto: Washington Takeuchi)

Demolição da Matte leão. (Foto: Washington Takeuchi)