A felicidade só é verdadeira quando compartilhada

Sou fã do livro e do filme Na Natureza Selvagem. E adoro a trilha sonora do filme, composta toda por Ed Vedder. A história contada no livro, á história com final infeliz de Chris McClandess, me tocou profundamente e identifiquei-me com o Chris imensamente. Sei que muita gente acha que ele foi um idiota e morreu de forma estúpida. E também sei que muita gente me acha um idiota por admirar Chris McClandess e pelo meu jeito de agir, de pensar e até pelo que posto aqui nesse blog. Mas não estou nem aí pra esse povo e a opinião deles!

Mas onde eu queria chegar quando comecei esse texto e fugi um pouco do contexto, foi falar sobre os livros que inspiraram Chris McClandess, os quais são citados no livro e no filme Na Natureza Selvagem. Dos livros mencionados eu tinha lido somente Caninos Brancos, de Jack London. E recentemente comecei a ler Walden, de Henry Thoreu. Alías, Thoreu logo vai merecer uma postagem exclusiva aqui no blog.

Os demais livros citados no livro Na Natureza Selvagem não fazem muito meu estilo de leitura, mas deixei alguns nomes anotados e quem sabe no futuro se sobrar tempo eu leia algum. Entre estes vale a pena citar:  A Sonata a Kreutzer (Liev Tolstói), Felicidade Conjugal (Liev Tolstói), Guerra e Paz (Liev Tolstói), A Morte de Ivan Ilitch (Liev Tolstói), O Homem Terminal (Michael Crichton), A Desobediência Civil (Henry Thoreau), Doutor Jivago (Boris Pasternak), As Aventuras de Huckleberry Finn (Mark Twain) e Tarass Bulba (Nikolai Gogol). Se eu tinha lido apenas um livro dessa lista, ao menos vi três filmes baseados nesses livros. São eles: Guerra e Paz, Doutor Jivago e As Aventuras de Huckleberry Finn. E com relação a esse último, estive na ilha de Tom Swayer, que é citada no livro. Na verdade essa ilha que visitei fica no Disney World em Orlando, e foi criada por Walt Disney inspirado no livro, pois Disney era fã de Mark Twin, o autor do livro.

Tais livros serviram de inspiração e moldaram a personalidade de Chris McClandess, principalmente com relação á natureza. Sempre gostei do ar livre, da natureza e da sensação de liberdade que ela nos transmite. Já tive muitas “aventuras” junto á natureza e algumas vezes tais aventuras quase se transformaram em tragédia. Mas é assim mesmo, a natureza é poderosa e não perdoa os fracos, os desatenciosos, os mal preparados e distraídos. Das vezes que me dei mal e até me machuquei foi por culpa da distração. Mas é vivendo que se aprende, é se machucando que também se aprende a não se machucar mais. É assim que vivemos na natureza e nesse mundo selvagem que nos cerca…

“A felicidade só é verdadeira quando compartilhada”.

(frase do livro Na Natureza Selvagem)

232cae258d182b67be4497192e9334e8

Chris McClandess, Alaska 1992.

dera

Vander Dissenha, Canadá 2011.

Piratagem

Descobri que os livros que escrevi sobre algumas de minhas viagens estão sendo pirateados. Tem sites distribuindo os livros em versão e-book de forma gratuita. Me senti importante! Se um autor é pirateado, isso é sinal de que sua obra tem algum valor. E não me importo com isso, pois nunca escrevi meus livros visando lucro. O importante é que eles sejam lidos! E também já piratiei livros, então não posso reclamar do que estão fazendo com os meus livros…

VD

Um dos sites que está pirateando meus livros.

Aquisições literárias

Mesmo tendo uma porção de livros novos e usados na fila de leitura, esperando para serem lidos, não resisti e adquiri alguns livros novos. Dois deles eu estava “namorando” há bastante tempo e esperando que o preço baixasse (Rainha Vitória e Um Sonho Chamado K2). E o terceiro livro (De Volta Para o Futuro, Os Bastidores da Trilogia), estava esperando ser lançado no Brasil. Agora é achar tempo para conseguir ler estes livros. Mais uma coisa eu garanto, o livro sobre os bastidores do filme De Volta Para O Futuro, vai furar fila e será lido no primeiro tempo disponível que eu tiver.

IMG_7294

Uma Caminhada na Floresta

Segue a dica de um livro para aqueles que iguais a mim, adoram caminhar pelo mato e até riem das dificuldades que muitas vezes tais caminhadas provocam. Descobri esse livro há uns cinco anos e já fiz uma releitura há dois anos (sempre releio livros de que gosto muito) e já estou programando nova releitura para o próximo ano. Tem umas passagens muito engraçadas no livro, que conta uma história real. E diferente das caminhadas no Brasil, onde a maior preocupação do caminhante é encontrar alguma cobra pelo caminho, no livro o maior receio dos personagens era encontrar algum urso. Fiz uma caminhada no Canadá em 2011 e no início da trilha existia uma placa informando sobre a possibilidade e o perigo de encontrar algum urso pelo caminho. Aquilo me deixou apavorado e passei todo o tempo da caminhada atento aos ruídos da mata. Aquela foi a caminhada mais tensa que fiz na vida! Abaixo segue a sinopse do livro.

UMA CAMINHADA NA FLORESTA – Redescobrindo os Estados Unidos pela trilha dos Apalaches (Bill Bryson)

Há muitos livros sobre exploradores destemidos que escalam montanhas, atravessam oceanos, enfrentam intempéries, sofrem experiências traumáticas e até morrem. Gente cujo sonho é superar limites, quebrar recordes. Mas em Uma Caminhada na Floresta há um outro tipo de herói: gente comum que se esfalfa para subir um morro, fica histérica diante de um bicho e se perde no meio do mato. Gente cujo sonho maior é um chuveiro quente e uma cama macia. Bill Bryson, escritor profissional que ostenta uma barriga protuberante, possui alguma experiência com caminhadas, mas apenas em roteiros amenos por territórios europeus civilizados. Seu companheiro, Stephen Katz, é um ex-alcoólatra imensamente gordo, viciado em toda espécie de doce, hambúrguer e refrigerante; tem como objetivo na vida sentar-se na frente da TV e assistir a Arquivo X.

Por que dois tipos assim, não exatamente atléticos, decidem fazer uma caminhada de três mil quilômetros durante vários meses pelo meio do mato? Juntos eles percorreram o mais longo caminho do mundo para excursões a pé: a Trilha dos Apalaches, que se estende por montanhas e florestas ao longo da Costa Leste dos Estados Unidos, desde a Geórgia até o Maine.  Com um texto irreverente, Bryson conta casos inacreditáveis de destruição ecológica, descreve os estragos causados pelo turismo e distribui críticas impiedosamente (a si mesmo e a seu companheiro, inclusive). Um livro para quem admira a natureza selvagem, mas ao mesmo tempo adora os prazeres da civilização.

Esse livro está fora de catálogo e é difícil de encontrar em livrarias. Então caso alguém fique interessado em adquirir o livro, procure na Estante Virtual (www.estantevirtual.com.br) pois lá tem vários exemplares usados á venda, com preço mais em conta que variam de R$ 15,00 a R$ 35,00.

E acabo de descobrir que esse livro vai ser adaptado para o cinema e as gravações iniciam nas próximas semanas, com Robert Redford no papel principal. Não vejo a hora do filme estrear no cinema, mas isso ainda vai demorar um ou dois anos para acontecer. Então enquanto espero vou aproveitar para fazer muitas “caminhadas na floresta”!

Uma caminhada na floresta.

Uma caminhada na floresta.

Livros

Acabo de comprar três livros, sendo que dois deles deram origem a filmes que assisti e gostei. O outro é sobre escaladas, assunto de que gosto muito. Preciso perder menos tempo com a internet e voltar com o velho hábito de ler ao menos um livro por mês.

Últimas aquisições.