A felicidade só é verdadeira quando compartilhada

Sou fã do livro e do filme Na Natureza Selvagem. E adoro a trilha sonora do filme, composta toda por Ed Vedder. A história contada no livro, á história com final infeliz de Chris McClandess, me tocou profundamente e identifiquei-me com o Chris imensamente. Sei que muita gente acha que ele foi um idiota e morreu de forma estúpida. E também sei que muita gente me acha um idiota por admirar Chris McClandess e pelo meu jeito de agir, de pensar e até pelo que posto aqui nesse blog. Mas não estou nem aí pra esse povo e a opinião deles!

Mas onde eu queria chegar quando comecei esse texto e fugi um pouco do contexto, foi falar sobre os livros que inspiraram Chris McClandess, os quais são citados no livro e no filme Na Natureza Selvagem. Dos livros mencionados eu tinha lido somente Caninos Brancos, de Jack London. E recentemente comecei a ler Walden, de Henry Thoreu. Alías, Thoreu logo vai merecer uma postagem exclusiva aqui no blog.

Os demais livros citados no livro Na Natureza Selvagem não fazem muito meu estilo de leitura, mas deixei alguns nomes anotados e quem sabe no futuro se sobrar tempo eu leia algum. Entre estes vale a pena citar:  A Sonata a Kreutzer (Liev Tolstói), Felicidade Conjugal (Liev Tolstói), Guerra e Paz (Liev Tolstói), A Morte de Ivan Ilitch (Liev Tolstói), O Homem Terminal (Michael Crichton), A Desobediência Civil (Henry Thoreau), Doutor Jivago (Boris Pasternak), As Aventuras de Huckleberry Finn (Mark Twain) e Tarass Bulba (Nikolai Gogol). Se eu tinha lido apenas um livro dessa lista, ao menos vi três filmes baseados nesses livros. São eles: Guerra e Paz, Doutor Jivago e As Aventuras de Huckleberry Finn. E com relação a esse último, estive na ilha de Tom Swayer, que é citada no livro. Na verdade essa ilha que visitei fica no Disney World em Orlando, e foi criada por Walt Disney inspirado no livro, pois Disney era fã de Mark Twin, o autor do livro.

Tais livros serviram de inspiração e moldaram a personalidade de Chris McClandess, principalmente com relação á natureza. Sempre gostei do ar livre, da natureza e da sensação de liberdade que ela nos transmite. Já tive muitas “aventuras” junto á natureza e algumas vezes tais aventuras quase se transformaram em tragédia. Mas é assim mesmo, a natureza é poderosa e não perdoa os fracos, os desatenciosos, os mal preparados e distraídos. Das vezes que me dei mal e até me machuquei foi por culpa da distração. Mas é vivendo que se aprende, é se machucando que também se aprende a não se machucar mais. É assim que vivemos na natureza e nesse mundo selvagem que nos cerca…

“A felicidade só é verdadeira quando compartilhada”.

(frase do livro Na Natureza Selvagem)

232cae258d182b67be4497192e9334e8

Chris McClandess, Alaska 1992.

dera

Vander Dissenha, Canadá 2011.

Klondike

Esta semana assisti aos três primeiros episódios da série “Klondike”. Eu não sabia da existência de tal série, que estrou nos Estados Unidos em janeiro, pelo Discovery Chanel e no final de março aqui no Brasil. Sou fã declarado de séries (não de todas!) e o Klondike é um tema que me interessa há muitos anos. Então uma série sobre o Klondike foi algo sensacional! Para quem não sabe, a região do Klondike fica no norte do Canadá, na fronteira com o Alaska e foi lá onde ocorreu a última Corrida do Ouro, no final da década de 1890.

A primeira vez que ouvi falar no Klondike, foi num gibi do Tio Patinhas, quando eu era criança. Quem lê ou leu as revistinhas do Tio Patinhas, sabe que ele fez sua fortuna garimpando ouro no Klondike. Demorou alguns anos até eu descobrir que o Klondike realmente existia e a partir de então sempre busquei ler e assistir tudo o que era possível sobre tal tema. Inclusive o Klondike é um dos lugares que gostaria de conhecer. Quando estive no Canadá em 2012, até pesquisei sobre como ir de Vancouver até o Klondike. Mas era longe, pois o Canadá é muito grande e a região do Klondike ficava no extremo oposto de onde eu me encontrava. E era caro para chegar até lá, mesmo estando no Canadá. Então desisti!

A série

Klondike é dirigida pelo Ridley Scott, diretor do premiado filme Gladiador. É uma superprodução, onde investiram milhões de dólares nos seis episódios da série. O ator principal da série é Richard Madden, que fez sucesso como Robb Stark, na série Game of Thrones (uma de minhas séries favoritas). Como ele morreu na terceira temporada de Game of Thrones, ficou livre para estrelar Klondike.

Na série a história se passa em 1897 e conta sobre dois amigos de infância que decidem se aventurar em busca de fortuna, garimpando ouro no Klondike. Depois de fazer a perigosa travessia pelas montanhas nevadas que levavam até a recém fundada cidade de Dawson City, estes amigos se envolvem em aventuras, amores e muitos perigos. O local é terra de ninguém e mortes são frequentes. Fica valendo a lei do mais forte e do mais esperto.

A série é baseada em fatos reais, a partir da adaptação do livro Gold Diggers: Striking it Rich in the Klondike, de Chalote Gray. E a série também mostra o jovem Jack London, que participou da Corrida do Ouro, no Klondike e depois se tornou um famoso contista e romancista. Em alguns de seus trabalhos, Jack London narrou as experiências que viveu e que presenciou no Klondike. Seu livro mais famoso é Caninos Brancos (1910), que virou filme da Disney em 1991 e conta sobre um lobo e sua convivência com os humanos. O filme teve uma continuação em 1994, mas não fez tanto sucesso como o primeiro.

Assistir a série também me fez lembrar do sorvete Klondike, que era um de meus favoritos na época em que morei nos Estados Unidos.

O Klondike

A Corrida do Ouro do Klondike, também chamada de Corrida do Ouro do Yukon, ou Corrida do Ouro do Alaska e de a Última Grande Corrida do Ouro, foi uma migração estimada de 100 mil garimpeiros para a região do Klondike e do Yukon no noroeste do Canadá entre 1896 e 1899. O ouro foi descoberto lá em 16 de agosto 1896 e, quando a notícia chegou as cidades de Seattle e San Francisco, no ano seguinte, provocou uma debandada de garimpeiros. A viagem revelou-se demasiada difícil para muitos, e apenas entre 30.000 e 40.000 chegaram ao destino final. Alguns tornaram-se ricos, mas a maioria não. A Corrida do Ouro do Klondike terminou em 1899, após o ouro se esgotar. Tal corrida foi imortalizada por fotografias, livros e filmes.

Garimpeiros tinha começado a mina de ouro no Yukon em 1880. Mas os ricos depósitos de ouro na região, só foram descobertos ao longo do rio Klondike em 1896. A região era afastada e o clima hostil com um inverno extremo, impediu a notícia de alcançar o mundo exterior até o ano seguinte. A notícia sobre a descoberta de ouro no território do Klondike, começou com a chegada de navios em portos americanos, trazendo ouro do Klondike em julho de 1897. Jornais de todo os Estados Unidos publicaram notícias sobre a descoberta do ouro e isso alimentou uma escala nacional de histeria, fazendo com que muitas pessoas deixassem seus empregos e partissem para o Klondike como garimpeiros.

Em média o equipamento de um garimpeiro pesava perto de uma tonelada. Isso fez com que a maioria dos garimpeiros seguissem até o Klondike em etapas. O terreno era montanhoso e o clima frio e isso fez muitos desistirem antes de chegarem ao destino final. E aqueles que chegaram, encontraram poucas oportunidades e muitos ficaram desiludidos.

Para acomodar os garimpeiros, novas cidades surgiram ao longo das rotas que levavam ao Klondike. A maior delas, Dawson City, foi fundada na confluência do Klondike e o Rio Yukon. De uma população de 500 pessoas, em 1896, a cidade às pressas foi aumentando e passou a abrigar cerca de 30.000 pessoas em 1898. Mal construída, isolada e insalubre, Dawson City sofreu com incêndios, preços elevados e epidemias.

A partir de 1898, os jornais que tinham encorajado muitos a viajarem para o Klondike, perderam o interesse nele. Quando a notícia chegou no verão de 1899, que tinha sido descoberto ouro em outra região do Alasca, muitos garimpeiros deixaram o Klondike, marcando o fim da Corrida do Ouro. A atividade de mineração da Corrida do Ouro durou até 1903, quando a produção atingiu o pico depois que equipamentos mais pesado foram trazidos para a região. Um número estimado de 570.000 quilos de ouro foi retirado da área do Klondike. Hoje, a região não produz ouro, mas atrai milhares de turistas, que contribuem para a sua prosperidade.

k1

k2

O "mocinhos" da série.

Os “mocinhos” da série.

Tio Patinhas.

Tio Patinhas.

Jack London.

Jack London.

Caninos Brancos.

Caninos Brancos.

Foto da época da Corrida do Ouro.

Foto da época da Corrida do Ouro.

Garimpeiros em 1898.

Garimpeiros em 1898.

Dawson City na época da Corrida do Ouro.

Dawson City na época da Corrida do Ouro.

Dawson City atualmente.

Dawson City atualmente.

O sorvete Klondike.

O sorvete Klondike.