Hollywood

O letreiro de Hollywood há décadas desperta curiosidade de quem passeia por Los Angeles ou simplesmente o vê na TV, em filmes ou séries. A atração turística fica no parque Griffith, em uma cordilheira de quase 570 metros que separa o distrito de Hollywood e parte de Los Angeles do vale de San Fernando.  A área da colina tem um terreno áspero e íngreme e, desde 2000, foi cercada pela polícia de Los Angeles, que instalou um sistema de última geração para coibir invasões e visitas sem autorização.

Inaugurado em 1923, o letreiro não foi feito para anunciar filmes e astros do cinema, mas para fazer os americanos comprarem imóveis. A peça foi criada pelo banqueiro canadense Hobart J. Whitley, conhecido como “pai de Hollywood” e fundador de dezenas de cidades americanas. Sua ideia era um divulgar um loteamento residencial próximo ao local. O nome do empreendimento: “Hollywoodland”. Era escrito assim o letreiro original. Quem assina o design é o inglês Thomas Fisk Goff, que foi contratado para construí-lo. Whitley já havia tido a ideia de usar um amplo letreiro para promover um empreendimento entre a avenida Highland e a rua Vine em Hollywood. Mas, pelo menos no Texas, há quem diga que a inspiração veio de lá, mais precisamente da minúscula Mineral Wells, onde viviam menos de 8.000 pessoas. Segundo esta versão, o cineasta David Griffith teria visitado o local no início dos anos 1920 e se encantado com o enorme letreiro que saudava os visitantes com a palavra “Welcome” (“bem-vindo”). De volta a Los Angeles, teria feito a sugestão a parceiros de negócio envolvidos no projeto de Whitley.

O “outdoor” deveria ter ficado lá por apenas 18 meses. Era um “brinquedo” caro, de dispendiosa manutenção. Custou US$ 21 mil (equivalente a atuais US$ 300 mil). Sua versão original era luminosa e um pouco maior, com letras de 9,1 metros de largura e 14 metros de altura. Com a Crise de 1929 e as dificuldades impostas pela Segunda Guerra Mundial, o empreendimento perdeu a iluminação e declarou falência na década de 1940, quando se tornou propriedade municipal. Em princípio, ele seria demolido, mas moradores protestaram. Ele viria a ser reformado pela primeira vez apenas em 1949, em parceria com a Câmara do Comércio. Foi aí que ganhou o atual formato de “Hollywood”.

Com o tempo o letreiro com suas placas metálicas e estrutura de madeira, foi se deteriorando. Na década de 1970, o primeiro “O” quebrou e o terceiro despencou, criando um bizarro sinal de “HuLLYWO D”. Em 1978, o letreiro voltou à vida graças ao apoio de celebridades como Hugh Hefner, dono da Playboy, que organizou um leilão em que a reforma de cada letra foi posta à venda. Bem-sucedida, a campanha resultou em ampla reforma e na declaração de monumento cultural e histórico.

Fonte: Uol

The Hollywood sign | A Los Angeles icon

letreiro-original-de-hollywood-1501534835339_v2_750x421

letreiro-de-hollywood-nos-anos-1970-1501535643843_v2_750x421

hollywoodland630

nBWgoP6

VCW_D_Hollywood_T1_aepg_5120605416_7a5b3fc328_o_1280x642

131 anos da criação da Coca-Cola

Em 29 de março de 1886, o Dr. John Pemberton criou o primeiro lote de Coca-Cola em seu quintal. Há 131 anos, um homem mexendo uma mistura em seu quintal na cidade de Atlanta, no Estado da Geórgia, Estados Unidos estava prestes a fazer história. O Dr. John Pemberton, um farmacêutico, estava no processo de preparar o primeiro lote do que mais tarde se tornaria a Coca-Cola.

Esse primeiro lote foi criado com nozes de kola (para a cafeína) e folha de coca. Em oito de maio do mesmo ano, a fórmula estava sendo vendida na Jacob’s Pharmacy em Atlanta por cinco centavos de dólar por garrafa. Foi apontado como uma cura para uma série de problemas de saúde, de indigestão a dores de cabeça, ressaca e para a impotência.

O Dr. Pemberton lutou na Guerra Civil, e no final da guerra ele decidiu que queria inventar algo que lhe traria sucesso comercial. Imagine que, criar algo que não só servisse uma necessidade, mas ser comercialmente viável. Normalmente, tudo o que ele fazia falhava nas farmácias. Ele inventou muitas drogas, mas nenhuma delas ganhou dinheiro. Assim, Pemberton decidiu tentar algo no mercado de bebidas. Nessa época, o consumo de sodas estava aumentando na popularidade como um ponto de encontro social. Então fazer uma bebida de refrigerante fazia muito sentido. E foi quando a Coca-Cola nasceu.

No entanto, Pemberton não tinha idéia de como anunciar. Foi aí que Frank Robinson entrou. Registrou a fórmula da Coca-Cola no escritório de patentes e projetou o logotipo. Ele também escreveu o slogan, “A Pausa Que Refresca”. A Coca-Cola não foi tão bem em seu primeiro ano. E para piorar as coisas, Dr. Pemberton morreu em agosto de 1888, o que significa que ele nunca viu o sucesso comercial que ele estava procurando.

Hoje, a Coca-Cola é uma das marcas mais reconhecidas mundialmente. A Coca-Cola Company vende produtos em mais de 200 países. O que começou como um experimento no quintal cresceu significativamente. Em 2015, a Interbrand classificou a Coca-Cola como a terceira marca mais valiosa em todo o planeta.

69e1babc1a2edb93133a2040e83b00d8

A primeira cerveja em lata

Não sou apreciador de cerveja, ou de qualquer bebida alcoólica. Mas sou colecionador de latinhas. No meu caso latas de Coca-Coca, cuja coleção comecei há 20 anos. Mas esse post é para falar sobre latas de cerveja, pois hoje fazem 82 anos que foi vendida nos Estados Unidos, a primeira cerveja enlatada.

A primeira cerveja em lata foi da marca Krueger Beer. No Brasil a primeira cerveja em lata foi da marca Skol, no ano de 1971. Ou seja, 36 anos após a primeira cerveja em lata norte americana.

No final do século 19, as latas eram fundamentais no acondicionamento e distribuição de alimentos. Mas somente a partir de 1909 que a American Can Company passou a fazer experiências com latas para guardar líquidos. Após muitos testes malsucedidos, a American Can teve de esperar até o fim da Lei Seca nos Estados Unidos, em 1933, para então realizar novos testes com a cerveja em lata. Após dois anos de pesquisas, a American Can desenvolveu uma lata  resistente à pressurização  e com revestimento interno especial que não deixava a cerveja se gaseificar como resultado de uma reação química com o metal.

No início foi muito difícil para os amantes da cerveja aceitar o conceito da bebida enlatada. Mas aos pouco a Krueger superou as fortes resistências e se tornou a primeira cervejaria do mundo  a vender cerveja em lata.

kruegers1

Krueger´s Beer, a primeira no mundo (1935).

skol1971

Skol, a primeira no Brasil (1971).

September eleven

Hoje completa 14 anos dos atentados de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos. Alguns eventos só se transformam em datas históricas muito tempo depois de ocorridos, quando se atribui a eles uma importância crucial para os rumos tomados pela História. E há fatos que nascem com a marca da mudança,  devido sua grande importância para os caminhos percorridos após tal evento ter ocorrido. Nestes casos não é necessário nenhum afastamento para concluir que tal evento será para sempre, um divisor de águas da História, um acontecimento que independente da forma que será narrado, o passado nunca deixará de estar presente na linha do tempo como um ponto de mudança de rumo. Este é o caso do 11 de setembro de 2001.

IMG_5463

Lousas de quase um século

Em uma escola da cidade de Oklahoma, nos Estados Unidos, funcionários que trocavam algumas lousas (quadros negros), fizeram uma descoberta surpreendente. Ao removerem lousas antigas de algumas salas de aula, descobriram atrás delas lousas ainda mais antigas, que no passado eram pintadas na parede. Algumas dessas lousas tem quase cem anos! E muitas delas estavam com escritos, cronogramas, tabuadas, lições de literatura e música, conteúdos escritos por professores e alunos. Algumas lousas estão com a data do dia em que o conteúdo foi escrito.

Parece que quem instalou as lousas (que foram trocadas agora) por cima da lousas antigas, deixou de propósito as lousas antigas escritas, sem apagar ou destruir as informações que estavam escritas nelas. Deixou tudo como estava, como uma espécie de túnel do tempo, para um dia serem descobertas. E isso levou quase cem anos!

A Prefeitura da cidade de Oklahoma vai preservar as lousas antigas como estão. O conteúdo nelas escrito foi feito entre 30 de novembro e 4 de dezembro de 1917. Possivelmente os alunos e professores que escreveram nestas lousas, estão todos mortos.

Fotos: Oklahoma City Public Schools

1297709814431_ORIGINAL

Lousa com escrito de 1917.

ok-4-1024x683

Aula de matemática e música.

okc-schools-chalkboard-4

As lousas eram pintadas nas paredes.

Oklahoma-chalkboards-from-1917-1

Data de 30/11/17, no padrão americano, onde o mês vem antes do dia.

Oklahoma-chalkboards-from-1917-9-599x385

Desenho e texto de história.

150 anos da morte de Lincoln

Hoje está fazendo 150 anos da morte do Presidente norte americano, Abraham Lincoln. Ele sofreu um atentado a tiro no dia 14 de abril de 1865, e veio a falecer no dia seguinte, 15 de abril. Para os brasileiros tal data e personagem não tem nenhuma importância. Mas para mim tem, pois Lincoln é um dos personagens históricos que admiro. Sou apaixonado por história e formado em história. Por isso muitos fatos históricos e personagens históricos me interessam muito.

Não existe um motivo especial por tal interesse por Lincoln. Acho que a história dele de uma maneira geral foi que me fascinou. Ele era um lenhador pobre, que acabou entrando para a política e se tornou o Presidente dos Estados Unidos. Sob sua administração os Estados Unidos passaram por uma mortífera Guerra Civil, que buscava principalmente o fim da escravidão. Tal Guerra durou quase cinco anos, causou milhares de mortes, mas transformou o país e a mentalidade dos norte americanos de uma maneira que tornou possível serem a potencia que conhecemos hoje em dia. Pouco depois do fim da Guerra, Lincoln sofreu um atentado quando assistia a um peça no Teatro Ford, na cidade de Washington. O autor do atentado era um famoso ator, cujo motivo do crime era mais do que ser a favor da escravidão. O motivo principal era entrar para a história e ter seu nome lembrado durante anos, mesmo que por um assassinato.

Li muito livros sobre Lincoln, assisti filmes, vi fotos antigas. E também tive a oportunidade de conhecer o Teatro Ford, em Washington, local onde Lincoln sofreu o mortal atentado. Também conheci a hospedaria (Casa Petersen) para onde levaram Lincoln ferido e onde ele veio a falecer, que fica em frente ao Teatro, do outro lado da rua. Também pude ver alguns documentos e peças de vestuários de Lincoln, inclusive uma de suas cartolas.

Somente quem gosta de história é que pode entender a sensação de ver ao vivo e a cores, locais e objetos que fazem parte da história de determinado personagem que admiramos…

Nos links abaixo você encontra postagens aqui no blog, que falam sobre o Teatro Ford e sobre a hospedaria onde Lincoln faleceu.

https://vanderdissenha.wordpress.com/2011/11/06/teatro-ford-fords-theatre/

https://vanderdissenha.wordpress.com/2011/11/06/casa-petersen/

a1

a2

Abraham Lincoln.

a3

Teatro Ford (Washington – DC).

a4

Velório de Lincoln.

a5

Cartola de Lincoln.

a6

Túmulo de Lincoln (Springfield, Illinois).

Tumba de Lincoln.

Tumba de Lincoln.

Häagen-Dazs

Adoro sorvetes e desde que conheci os sorvetes da marca Häagen-Dazs, nos Estados Unidos em 2002, virei fã. A qualidade e o sabor do sorvete são excelentes e muito diferente dos sorvetes de marcas brasileiras, que possuem muita gordura e pouco leite. Depois que você provar um Häagen-Dazs não vai mais querer saber de outro sorvete.

Fiquei tão fã dos sorvetes Häagen-Dazs, que muitas vezes jantava ou almoçava sorvete. Trabalhei em um restaurante da rede Denny’s, em Orlando, e costumava passar às noites de trabalho tomando milk-sheik feito com Häagen-Dazs. Quando voltei a morar no Brasil senti muita falta dos sorvetes Häagen-Dazs. Somente anos depois é que a marca chegou ao Brasil, mas eram produtos importados e custavam muito caro, além de serem difíceis de encontrar. Então só comprava os sorvetes de vez em quando para matar as saudades. Em 2011 voltei aos Estados Unidos a passeio e aproveitei para tomar muito Häagen-Dazs. E de novidade encontrei muitos quiosques vendendo milk-sheik da Häagen-Dazs. Sei que me fartei de sorvetes!

Atualmente é fácil encontrar os sorvetes Häagen-Dazs no Brasil e até mesmo aqui em minha cidade, no interior do Paraná, se encontra o sorvete para vender em supermercados e alguns restaurantes. Mas os preços são proibitivos, pois os sorvetes continuam sendo importados e com a alta do dólar seu preço foi as alturas. Então somente de vez em quando me dou ao luxo de provar um delicioso sorvete Häagen-Dazs.

História do Häagen-Dazs

Häagen-Dazs é uma marca de sorvete norte americana, fundada por Reuben e Rose Mattus, no Bronx, Nova York, em 1961. Posteriormente, em 1983, foi vendida para o grupo The Pillsbury Company, que continuou inovando mas sempre mantendo a excelente qualidade, consolidando a empresa no mercado de sorvetes premium.

Contrário às aparências, o nome não é escandinavo. São simplesmente duas palavras feitas para parecerem escandinavas aos olhos americanos (de fato, os dígrafos “äa” e os “zs” são impossíveis em todas as línguas escandinavas). Isto é conhecido pelo marketing industrial como foreign branding, ou seja, marca estrangeira. Mattus incluiu um esboço do mapa da Escandinávia nas primeiras etiquetas, assim como os nomes de Oslo, de Copenhague e de Estocolmo, para reforçar o tema escandinavo. Um nome foi criado invertendo o nome de Duncan Hines (“Huncan-Dines”), um nome em potencial para promover o produto. Quando o negócio não se materializou o nome foi manipulado para soar escandinavo.

A forma de escrita do nome invocam os sistemas da soletração usados em diversos países europeus. O “ä” (um “a” com um trema) é usado na soletração das línguas alemãs, estónias, finlandesas, eslovacas e suecos, letras dobradas da vogal soletra vogais longas em estónio, em finlandês, em holandês, e ocasionalmente o alemão; e os zs correspondem a /ʒ/ (como na visão) em húngaro. Nenhuma destas convenções de soletração é usada para pronunciar o nome do produto americano, que tem um curto a, um g duro, e um som final de s. Um nome real próximo ao inexistente Häagen é o sobrenome Hagen (nome alemão, e nome de cidade alemã). Igualmente carrega uma semelhança ao Den Haag, que é “Hague” em Holandês. Dazs não significa qualquer coisa, mesmo em húngaro apesar do grafema dos “zs”, não tem nenhum significado. A palavra real mais próxima em húngaro é “darázs”, que significa a “vespa”.

Sorvetes Häagen-Dazs.

Sorvetes Häagen-Dazs.

Qiosque da Häagen-Dazs no Prmiuem outlet, em Orlando.

Quiosque da Häagen-Dazs, no Premium Outlet, em Orlando – USA.

3

Milk-sheik da Häagen-Dazs.

Meu sabor favorito, Dulce de Leche.

Meu sabor favorito, Dulce de Leche.

Túnel do Tempo: Estados Unidos 10 anos

Hoje faz dez anos que desembarquei em Orlando nos Estados Unidos, para morar um ano na cidade. Era minha segunda viagem aos Estados Unidos e numa tarde muito quente cheguei ao apartamento da Irene, que seria meu lar por doze meses. Esse ano que passei vivendo nos Estados Unidos foi bastante interessante e me permitiu conhecer pessoas de diversas partes do mundo e também viver experiências inesquecíveis. Foi um ano intenso, cheio de momentos bons e alguns ruins, principalmente a saudade da família.

Brincando com esquilo, no Lago Eola.

Almoço em casa: Neto, Irene, Elói e Vander.

Na Universal Studios.

No Magic Kingdom da Disney World.

Na International Drive.

Com a Betty Boop, no Island Adventure.

Bye bye Canadá

E como nada é para sempre, chegou o momento de partir do Canadá. Deu vontade de ficar mais, mesmo com o frio aumentando a cada dia. Foram semanas muito gostosas que passei no Canadá, onde conheci muitas coisas e lugares novos. Fiz bons amigos, fui muito bem acolhido por todos e sentirei muitas saudades de tudo e de todos. E parti com a sensação de que um dia voltarei.

E a partida foi numa manhã gelada e de tempo limpo. Nos primeiros minutos de vôo o avião estranhamente seguiu em uma altitude muito baixa. Pela janela fiquei vendo ao longe a cidade de Vancouver ficando para trás e um pouco mais distante dezenas de montanhas nevadas. Logo entendi o motivo do avião estar voando baixo, pois ele passou sobre o Mount Baker, que é um enorme vulcão que fica na fronteira entre Canadá e Estados Unidos. Ao passar sobre o vulcão o piloto avisou aos passageiros para olharem para baixo. A vista do vulcão coberto de neve era espetacular. Após passar o vulcão o avião começou a subir até chegar à altura normal de vôo.

Foram quatro horas de vôo até chegar a Dallas, no Texas, local de escala e troca de avião. Ao sobrevoar a cidade me lembrei do seriado Dallas, que passava na TV Globo no início dos anos oitenta. E Texas para mim faz lembrar de filmes de faroeste e gibis do Tex, coisas que sempre gostei. Passei cerca de três horas no aeroporto de Dallas, que é enorme e muito bonito. Esse aeroporto é base da American Airlines, e dali partem vôos para todo o mundo.

A segunda parte da viagem foi tranqüila e aproveitei para dormir um pouco. A chegada em Miami foi um pouco turbulenta em razão de uma tempestade tropical que quase tinha virado furacão. Chovia bastante, mas mesmo assim fazia calor. Saí de Vancouver com uma temperatura de seis graus, para chegar a Miami com trinta e dois graus. Essa foi uma diferença enorme de temperatura, mas confesso que mesmo gostando de frio já estava sentindo falta de um calorzinho. Do aeroporto segui direto para o hotel em Miami Beach, para um merecido descanso.

Queridos amigos que deixo no Canadá (e no Japão).

Sentirei saudades do “meu” quarto no Canadá.

Partindo de Vancouver.

Em Orlando

O voo entre Miami e Orlando foi tranquilo. O avião estava cheio de turistas, principalmente de brasileiros, e na aterrisagem o pessoal inclusive bateu palmas. O processo de desembarque foi meio lento, mas sem maiores problemas. Peguei o trenzinho até o local onde se retira as bagagens e em seguida fiquei numa espécie de praça que tem no aeroporto, esperando minha “velha” amiga Consuelo ir me buscar. Nos conhecemos há uns 17 anos, desde os tempos em que trabalhamos juntos na Stella Barros Turismo, em Curitiba. Em maio de 2002 quando vim a primeira vez aos Estados Unidos foi por incentivo dela, que me recebeu aqui e me mostrou como era a cidade e como muitas coisas funcionavam. Depois tive mais uma passagem por Orlando, onde acabei vivendo um ano por aqui entre novembro de 2002 e dezembro de 2003. E agora estou retornando, após quase oito anos ausente. A diferença da primeira vez em 2002 quando a Consuelo foi me buscar no aeroporto e agora, é que ela está casada e tem uma filha.

A Consul não demorou muito a chegar e logo estávamos circulando por uma das muitas estradas que cortam a cidade. Achei que o impacto seria igual das primeiras vezes, ou então igual quando se chega num pais estranho e você fica olhando para os lados e achando tudo diferente. Dessa vez nada disso aconteceu, foi até meio frustrante. A sensação era igual a que sinto quando fico um tempo longe de Campo Mourão ou de Curitiba e retorno. Aquele gostinho de novidade não existe mais. Mesmo assim foi bom estar de volta a Orlando, cidade de que gosto muito e que faz parte de minha história, pois durante o ano que vivi aqui tive muitas experiências interessantes e conheci muita gente. Alguns poucos amigos ainda vivem na cidade. Nos dias que passarei aqui vou aproveitar para rever lugares de que gostava e reencontrar amigos que aqui deixei. E também curtir um pouco da cidade e das coisas boas que ela proporciona.

Chegando a Orlando. Do alto da para ver alguns dos muitos lagos da cidade.

Pegando o trenzinho para ir até o terminal de bagagens.

Pracinha de espera dentro do aeroporto.