5ª Caminhada Internacional na Natureza – Campo Mourão

Após uma ausência de meses, hoje voltei a participar de uma Caminhada Internacional na Natureza. A etapa de hoje da caminhada foi em Campo Mourão, minha cidade. Era para ser 12 km de caminhada, mas na verdade o trecho foi de 14 km. A paisagem muito bonita, a organização muito boa e o café da manhã excelente. Não almocei no local da caminhada, pois precisava voltar urgente para casa em razão de outros compromissos assumidos. E o mais legal foi que encontrei muitos amigos, o que tornou a caminhada prazerosa e divertida.

21411

18402943_10154635426573067_11381971141171223_n

18402683_10154635426628067_469164352852226099_n

18342611_10154635426668067_6985172042029280047_n

18301000_10154636436888067_606580207112081718_n

18300974_10156130529112586_4438091224208926376_n

Caminhada na Natureza em Engenheiro Beltrão

Hoje foi um daqueles domingos para madrugar e pegar estrada com os amigos, para participar de mais um Caminhada na Natureza. Dessa vez a caminhada foi próxima a cidade de Engenheiro Beltrão. Foram quarenta quilômetros de estrada até chegar no local do início da caminhada, perto do Rio do Ivaí.

Primeiro teve um farto e delicioso café da manhã. Depois aquecimento e começamos a caminhar. Tinha chovido durante a noite e por isso encontramos muito barro pelo caminho. Mas o sol deu as caras e foi uma caminhada interessante, principalmente quando caminhamos pela mata próxima a margem do rio.

Foram quinze quilômetros de caminhada. Confesso que me cansei, pois tinha ido dormir muito tarde e estava preparado psicologicamente para dez ou doze quilômetros, quilometragem de quase todas as Caminhada na Natureza. Depois da caminhada teve almoço em um pesqueiro, mas como não como peixe achei melhor ficar longe do local de almoço.

IMG_6597

Aquecimento.

IMG_6619

Rio Ivaí.

IMG_6621

Posto de água.

Caminhada na Natureza em Corumbataí do Sul

No último domingo participei de minha segunda Caminhada Internacional na Natureza esse ano. Dessa vez a caminhada foi em Corumbataí do Sul, pequena cidade distante 50 quilômetros de minha casa. O mais chato foi acordar cedo no domingo e pegar uma estrada asfaltada cheia de vergonhosos buracos. Junto comigo foi meu amigo Rodrigo Alemão. Tinha mais gente que disse que iria, mas na última hora desistiram. Acho que não estavam afim de levantar antes das seis num domingo. O engraçado é que esse pessoal que desiste, depois vê as fotos da caminhada e ficam se lamentando de não terem ido.

Chegando em Corumbataí do Sul, paramos pedir informação e logo encontramos o local onde iniciaria a caminhada. Tomamos café e após um breve aquecimento a caminhada iniciou, quando passava um pouco das oito horas. Na primeira parte da caminhada segui junto com outro amigo, o Andrey Legnani. Ele foi me contando sobre o Caminho de Santiago, que ele e sua esposa percorreram ano passado. Durante a primeira parada num posto de apoio, reencontrei o Alemão e a partir dali seguimos juntos, conversando principalmente sobre viagens.

Eu ainda não tinha participado de caminhada em Corumbataí do Sul, então o roteiro da caminhada para mim era uma incógnita. E acabei gostando do percurso, apesar das muitas subidas passamos por lugares bonitos, atravessando riachos, andando pelo meio da mata, no alto de morros. E tive a chance de subir novamente num touro. Mesmo o touro sendo manso dá medo e não é todo mundo que encara o desafio de subir no bicho.

Ao todo foram 12 quilômetros de caminhada e na parte final o sol de inverno judiou um pouco. A caminhada terminou no mesmo local onde iniciou. Logo foi servido o almoço, mas eu e o Alemão não almoçamos, pois estávamos sem fome. Pegamos o carro e partimos rumo nossas casas, mais uma vez passando pela esburacada estrada que leva até Corumbataí do Sul.

00

06

Alemão e Vander.

10

Atravessando um riacho.

11

Placa de sinalização.

12

Caminhando no alto de um morro.

13

Longa subida.

21

Fila na subida do morro.

22

Segura peãoooooo!!!

24

Corumbataí do Sul.

26

Fim da caminhada de 12 km.

27

Comprovante de que caminhei.

28

Almoço pós caminhada. 

Caminhada na Natureza – Campo Mourão

Após um ano e meio sem participar do circuito de Caminhadas na Natureza, nesse final de semana voltei a participar de um caminhada, dessa vez em minha cidade. Essa foi a terceira edição do Caminhada na Natureza em Campo Mourão. Das vezes anteriores não participei, pois na primeira estava viajando e na segunda estava machucado.

O mais difícil da caminhada foi acordar às 5h30min da manhã num domingo frio, após ter dormido somente duas horas. Mesmo assim valeu a pena ter ido na caminhada. O trajeto era muito bonito e pude rever muitos amigos e também fiz novas amizades.

A caminhada foi realizada distante 22 quilômetros da cidade, na região conhecida como Barreiro das Frutas. O trajeto foi de quase onze quilômetros e teve alguns trechos de subida meio complicados para quem está fora de forma. Caminhei quase o tempo todo com um grupo de amigos e a conversa estava tão interessante, que às pouco mais de quatro horas de caminhada passaram rápido. E demos muitas risadas, principalmente na volta para casa.

01

Aquecimento pré-caminhada.

Aquecimento pré-caminhada.

Passando sobre uma cerca.

Passando sobre uma cerca.

Longa estrada...

Longa estrada…

Subida sem fim...

Subida sem fim…

Bela paisagem!

Bela paisagem!

Percorrido mais da metade da caminhada.

Percorrido mais da metade da caminhada.

Caminhando na sombra.

Caminhando na sombra.

Colhendo poncã.

Colhendo poncã.

No caminho tinha uma placa...

No caminho tinha uma placa…

Chegada!!!

Chegada!!!

Cachoeira do Boi Cotó.

Cachoeira do Boi Cotó.

Momento de descanso após a caminhada.

Momento de descanso após a caminhada.

Caminhada na Natureza: Borrazópolis/Pr

No último domingo participei de uma Caminhada na Natureza, na cidade de Borrazópolis. Não conhecia tal cidade, mas fazia muitos anos que tinha curiosidade em conhecer, pois quando criança tinha vizinhos que vieram dessa cidade e sempre falavam dela. Então ficou aquela antiga curiosidade de conhecer a cidade.

Essa foi a primeira caminhada do circuito Caminhadas na Natureza, de que participo esse ano. E foi uma caminhada com um dos mais bonitos percursos. Boa parte dos onze quilômetros de caminhada foram às margens do Rio Ivaí. Tinha muita gente caminhando e o clima ajudou. O tempo estava nublado e após muitos dias seguidos de chuva, não choveu durante a caminhada.  A chuva só deu as caras duas horas após o final da caminhada.

Encontrei amigos caminhantes de Maringá, Londrina e Cambé. E mais uma vez fiz novas amizades, o que é uma marca registrada em toda caminhada de que participo. E no próximo ano espero retornar à Borrazópolis, pois vale a pena caminhar pela bela trilha as margens do Rio Ivaí. E a organização do evento também foi muito boa!

602227_323300857773121_1934646133_n

Início de caminhada.

Início de caminhada.

Rio Ivaí.

Rio Ivaí.

Às margens do Ivaí.

Às margens do Ivaí.

Caminhantes...

Caminhantes…

Barquinho...

Barquinho…

Amigos de Cambé.

Amigos de Cambé.

Atravessando a pinguela.

Atravessando a pinguela.

Entrando na mata.

Entrando na mata.

Com meu amigo Pierin.

Com meu amigo Pierin.

Passando por um sítio.

Passando por um sítio.

Pau Brasil.

Pau Brasil.

Ponto de controle.

Ponto de controle.

Trilha ao lado do rio.

Trilha ao lado do rio.

Fila para o almoço.

Fila para o almoço.

O pessoal almoçando.

O pessoal almoçando.

Hummm!!!

Hummm!!!

Banheiro ecológico...

Banheiro ecológico…

Caminhada da Lua em Apucarana

Mais uma vez fui até Apucarana participar de uma caminhada noturna. Ao contrário dos dois últimos anos quando lá estive, dessa vez não cheguei atrasado. Os caminhantes se reuniram no centro da cidade, ao lado da catedral. Tinha bastante gente, inclusive grupos de outras cidades. Ali foi servido um lanche para todos os caminhantes e em seguida todo mundo embarcou em ônibus e seguiu até uma fazenda, onde seria o início da caminhada. Encontrei alguns amigos de Londrina e acabamos ganhando carona numa Kombi da Prefeitura de Apucarana. A motorista tinha o pé pesado e os dez quilômetros entre o centro da cidade e o local de início da caminhada, foram de fortes emoções.

A caminhada teve início em frente a um antigo cemitério e após percorrermos alguns poucos quilômetros com a noite clara do horário de verão, logo escureceu. O único problema foi que a caminhada da lua não teve lua. A lua surgiu somente após as 23 horas, quando a caminhada já tinha terminado e estavam todos jantando. Parte do atraso no surgimento da lua foi por que tinham muitas nuvens de chuva justamente no lado onde a lua deveria nascer, e isso fez com que demorasse mais para a lua surgir. Mesmo sem lua a noite estava clara e percorri quase todos os 10 quilômetros sem utilizar lanterna e aproveitando para admirar o céu estrelado.

Parte do trecho percorrido na caminhada eu já conhecia de outras caminhadas. O trecho não era difícil e não tinha subidas íngremes. Apenas alguns trechos tinham muitas pedras soltas e era preciso tomar cuidado para não virar o pé ou cair. Mesmo sendo noite, fazia muito calor! O final da caminhada e o jantar foram no Parque da Redenção. Esse parque é muito bonito e nele existem muitas estátuas que “contam” passagens da vida de Jesus Cristo. Tem desde a Santa Ceia, até a crucificação e a gruta onde Cristo foi sepultado. O local é muito bonito e merece uma visita, principalmente à noite, onde as luzes que iluminam as estátuas dão um clima bem especial ao local.

O jantar estava muito bom e mais uma vez comi mais do que deveria e/ou podia. Após jantar pegamos um ônibus e seguimos até o centro da cidade, desembarcando no mesmo local onde tínhamos embarcado e deixado os carros. Passava da meia noite quando peguei a estrada para percorrer os 160 quilômetros até minha casa. Foi cansativo, mas valeu a pena mais essa caminhada em Apucarana.

Caminhada Noturna APUCARANA

Aquecimento pré caminhada.

Aquecimento pré caminhada.

Caminhando...

Caminhando…

Caminhando antes de escurecer.

Caminhando antes de escurecer.

Caminhando no escuro.

Caminhando no escuro.

No caminho passamos por essa igrejinha.

No caminho passamos por essa igrejinha.

Santa Ceia.

Santa Ceia.

Jantar pós caminhada.

Jantar pós caminhada.

Parque da Redenção.

Parque da Redenção.

Parque da Redenção.

Parque da Redenção.

Gruta do Parque da Redenção.

Gruta do Parque da Redenção.

Parque da Redenção.

Parque da Redenção.

Caminhada na Natureza em Itambé

Participei de mais uma Caminhada na Natureza, dessa vez na cidade de Itambé. Eu não conhecia a cidade, e esse foi um dos motivos para eu escolher fazer essa caminhada. Por culpa de um mapa errado cheguei atrasado à caminhada, mas mesmo assim consegui alcançar boa parte dos caminhantes. Acabei encontrando alguns amigos de Maringá e de Londrina e acabei fazendo mais da metade da caminhada com alguns membros do grupo de caminhadas Londrinapé.

Fazia muito calor e o sol estava forte! Isso fez a caminhada ser cansativa, mas felizmente não tinha muitas subidas no percurso. No segundo ponto de controle, tinham algumas enfermeiras medindo a pressão dos caminhantes. Fui medir a minha pressão, achando que estava alta em virtude do esforço físico e do calor. E para minha surpresa minha pressão estava normal, parecendo à pressão de um garoto de quinze anos. Nesse ponto de controle, a água disponível estava gelada e isso ajudou a matar rapidamente a sede.

O percurso foi de doze quilômetros, com poucos trechos difíceis e passando por poucos lugares bonitos. Mesmo assim não foi um percurso feio! Posso dizer que foi um percurso “normal”. A melhor parte da caminhada foi no final, quando no último quilômetro tinha um rio e quase todos os caminhantes entraram nele para se refrescar. Eu tirei minhas botas, dobrei a barra da calça e sentei no meio do rio, para refrescar os pés e o traseiro. Cheguei a deitar na água, mesmo estando com roupa e foi uma sensação bastante agradável, pois era quase meio dia e o sol estava de “ferver os miolos”. Após sair do rio seguimos por cerca de quinhentos metros e chegamos ao final da caminhada, no local onde estava sendo servido o almoço. A comida estava muito boa e fui obrigado a repetir e recuperar em dobro as calorias perdidas durante a caminhada.

Dia de sol quente.

Ponto de controle e de água.

Caminhando pela estrada.

Teve quem pegou carona!

Passando por um pesque pague.

No km 10.

Quase no final da caminhada tinha um rio…

Refrescando o traseiro.

Caminhando na sombra.

Os caminhantes almoçando.

Almoço delicioso!!

O pessoal do Londrinapé.

Com minha amiga de caminhadas, Claudia.

Caminhada na Natureza em Pitanga

Domingo foi dia de levantar cedo e viajar 135 km até à cidade de Pitanga, para participar de mais uma Caminhada na Natureza. Dessa vez tive a companhia de minhas amigas Marilene, Zilma e Cris. Essa foi à primeira Caminhada na Natureza de que participei nesse ano, pois em razão de outros compromissos não pude ir às outras caminhadas que aconteceram aqui pela região em 2012.

A caminhada de Pitanga foi a mais organizada de que já participei. O pessoal que organizou essa caminhada está de parabéns! O percurso foi de 12 km e passava por lugares bonitos, sendo alguns trechos de mato e muitas araucárias. Também passámos por uma bela cachoeira, onde ao lado existiam algumas pedras com inscrições antigas, possivelmente mapas feitos na rocha por antigos viajantes que passaram pelo local há dezenas de anos. O fato lamentável é que no local existem muitas pichações e algumas foram feitas por cima dessas inscrições. Ontem vi que alguém tinha acabado de escrever o nome e colocado à data numa das pedras, em cima de uma das antigas inscrições. E pela data dava para ver que tinha sido alguém que participava da caminhada. É lamentável que pessoas ditas civilizadas façam coisas do tipo. Mas infelizmente existem muitas pessoas por aí que não sabem e não merecem viver em sociedade.

Mesmo com sol e um céu sem nuvens, a temperatura estava agradável e foi muito gostoso caminhar. Quem sofreu um pouco foi a Zilma, que está fora de forma e nas subidas quase não conseguia caminhar. Mas com a ajudinha de um “isotônico” de uva ela ganhou uma força extra para chegar até o final da caminhada.

E a melhor parte da caminhada foi o almoço, que estava caprichado e com uma variedade enorme de opções. Comi mais do que queria, devia ou podia! Após o almoço fiquei sentado na grama conversando com minhas três amigas de caminhada e estamos com algumas ideias interessantes com relação a caminhadas. Se o que conversamos for em frente, conto aqui em breve.

Início da caminhada

Alguns caminhantes.

Dia bonito para caminhar.

Trecho da caminhada.

Araras.

Pessegueiros floridos.

Zilma, Vander, Mari e Cris.

Cachoeira.

Antigas inscrições na rocha.

Almoço.

Caminhada na Natureza em Rosário do Ivaí

Após a noite mal dormida o jeito foi levantar acampamento e ir tomar café. Fomos até o salão paroquial, onde estava sendo servido o café da manhã para os caminhantes. No cardápio muito suco de uva e uvas. Notei que tinha bem menos caminhantes do que ano passado. Acredito que por ser próximo ao Natal, muita gente já está de férias e viajando, talvez por isso que o número de caminhantes era muito inferior ao de outras caminhadas de que participei.

Após o café iniciamos a caminhada. Os demais caminhantes já tinham partido, e seguimos tranquilamente, pois nosso objetivo nunca é ser os primeiros a chegar, pois não estamos participando de uma corrida. Seguimos sempre em nosso ritmo próprio, conversando, curtindo a paisagem e fazendo paradas sempre que existe necessidade de descanso, ou então para observar e curtir melhor determinado local. Esse ano inverteram o trajeto, que foi o contrário do trajeto do ano passado. Achei tal idéia inteligente, pois para quem já tinha feito antes tal trajeto, dessa vez parecia estar fazendo um trajeto totalmente novo. É incrível como passar por um mesmo lugar, mas em sentido contrário muda tudo, é como caminhar em um outro lugar.

O sol estava muito quente e isso judiou um pouquinho de nós. Fisicamente estou muito bem, e a caminhada foi como um passeio no parque para mim. Nos últimos dias tenho treinado entre duas e três horas diariamente, fazendo caminhadas, correndo, andando de bike, fazendo aulas de RPM e musculação. Então meu preparo físico está muito bom e não senti nenhum cansaço durante a caminhada. Somente o sol quente é que judiou um pouco. Pelo caminho vez ou outra passávamos ou éramos passados por um grupo de Pitanga. Após tantos encontros durante a caminhada, chegou um momento e que começamos a caminhar um trecho junto com o pessoal de Pitanga e a conversar com as garotas do grupo. É legal esse tipo de intercâmbio que ocorre durante as caminhadas e onde sempre nasce alguma amizade.

Fizemos algumas curtas paradas para descanso e também nos postos de controle durante o trajeto. Nesses locais sempre tinha água gelada, o que era uma benção. Num dos pontos de parada, teve um rapaz que exerce um cargo na Prefeitura local, e cujo nome não lembro, que ao saber que não tínhamos dormindo por culpa do barulho, disse que ano que vem ele faz questão que vamos dormir na casa dele, pois lá não tem barulho. Esse é um dos momentos bons das caminhadas, conhecer pessoas que mesmo sem nos conhecer direito, nos convida para almoçar, jantar, dormir em suas casas. E quanto mais interior, melhor e mais sincera é acolhida.

Durante a caminhada passamos por muitas plantações de uva e dava para ver o pessoal trabalhando na colheita. Em alguns sítios por onde passamos, eram visíveis no quintal caixas e mais caixas de uvas colhidas. O cheiro de uva no ar era delicioso. Quase no final da caminhada passamos por um rio e como fazia muito calor e não tínhamos tomado banho na noite anterior e estávamos com poeira no corpo todo, descemos à ponte e fomos nos banhar no rio. Entrar na água fria após caminhar muitos quilômetros sob sol quente é algo prazeroso e relaxante. Após um tempo no rio, o jeito foi voltar à estrada e percorrer o último quilômetro da caminhada, que terminou no parque de exposições, onde estava sendo servido o almoço.

Almoçamos, conversamos um pouco com a Ivaldete, que é da Emater e uma das organizadoras das Caminhadas na Natureza no Paraná. Já a conhecíamos de outras caminhadas e ela sempre nos trata muito bem, tem sido muito atenciosa e nos dá dicas de locais para acampar. A Vanessa se inscreveu num concurso de quem mais comia uva, que aconteceria mais no final da tarde. Enquanto esperávamos o horário do concurso, fomos procurar um local para descansar. Encontramos um gramado ao lado de uma rua empoeirada, próximo ao campo de futebol e foi ali mesmo que deitamos para descansar. Eu estava com tanto sono, que logo dormi. Mesmo deitado sobre algumas pedras e com barulho em volta, dormi tão profundamente que cheguei a sonhar. Já dormi em lugares bem piores, então aquele gramado naquele momento parecia à cama de um hotel cinco estrelas.

Eram quatro horas quando voltamos ao parque de exposições. A Vanessa ocupou seu lugar em frente a um prato cheio de uvas. Eram quinze participantes do concurso de comedor de uva e ganhava quem comesse tudo em menos tempo. E só podia deixar os cachos das uvas no prato, o restante tinha que comer tudo. A Vanessa tinha tomado café da manhã e comido bastante no almoço, então sabíamos que as chances dela ganhar eram quase nulas. Mas como ela é “comilona” de repente podia ser a zebra do concurso. Foi divertido ver o pessoal comendo uvas desesperadamente, motivados pelo prêmio em dinheiro. A Vanessa não fez feio, comeu cinco cachos e ficou em penúltimo lugar. Ela vai treinar durante o ano e na próxima irá lutar bravamente pelo título de maior comedora de uva de Rosário do Ivaí. Os dois primeiros colocados eram de Campo Mourão, mas não conhecia nenhum deles.

Quase no final da tarde pegamos a estrada de volta para casa. Estávamos todos muito cansados, mas felizes, pois o final de semana foi muito movimentado e divertido. Na viagem tive que me esforçar para não dormir ao volante. Quando passamos por Lunardelli, fizemos uma parada para descanso e para beber algo gelado. Daí aproveitamos para conhecer a Capela de Santa Rita, que é famosa na região por ser milagreira. Não demoramos muito e voltamos à estrada. Mesmo cansados, o pessoal estava animado e conseguia fazer uma ou outra graça. E todos já estão pensando no próximo ano, nas próximas caminhadas e acampamentos. Uma pena que a Karina está mudando de cidade e não fará mais parte de nossa turminha de caminhantes. Então para finalizar, desejo em nome de todos uma boa viagem e muita felicidade a Karina nessa nova fase de sua vida.

Café da manhã com muita uva.

Bela paisagem no início da caminhada.

Shudy, Valter, Karina, Vanessa e Vander.

Momento de descanso e água gelada.

Caminhando sob sol forte.

Colheita da uva.

Banho de rio.

Olha o "peixinho"!!

Hora do almoço.

ZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz...

Vanessa no concurso de comer uva.

Os competidores gulosos.

Levando uvas para casa.

Caminhada na Natureza em Faxinal

Após a noite acampados num hotel fazenda em Faxinal, seguimos bem cedo até a AABB, onde teria início a Caminhada na Natureza. Quando chegamos à AABB, me surpreendi com a quantidade de pessoas que estavam lá, se preparando para caminhar. Depois fiquei sabendo que foram 501 caminhantes inscritos. Andando pelo local e tirando fotos, me chamou atenção um grupo de caminhantes de Londrina, composto por muitas pessoas e todos uniformizados.

Fomos tomar café, mas já tinha acabado. O problema não foi culpa dos organizadores da caminhada, mas sim dos próprios caminhantes. Muita gente não faz inscrição antecipada pela internet e mesmo que os organizadores façam o planejamento do café para uma quantidade maior de pessoas, algumas vezes o número de pessoas que aparecem para caminhar ficar bem acima do esperado. Dessa vez foi isso que aconteceu, o número de caminhantes superou em muito o esperado, pois muita gente (inclusive eu) não fez a inscrição antecipada.

Como não tinha café, eu, Mariá, Marilene, Celso, Walter e Shudy, fomos tomar café em uma padaria próxima ao local onde estávamos. Quando voltamos para a AABB, o pessoal já tinha partido e fomos os últimos a iniciar a caminhada. A Mariá e a Marilene, logo pegaram carona num ônibus, pois queriam caminhar junto com o restante do pessoal. Eu e os meninos recusamos a carona e preferimos seguir caminhando.

Os primeiros quilômetros de caminhada foram por uma estrada de terra. Depois pegamos uma outra estrada também de terra e chegamos à cachoeira Chicão I. Descemos por uma trilha no meio do mato até chegar ao rio abaixo da cachoeira. Ficamos um tempo ali admirando a beleza do local e tirando fotos. Depois retornamos à estrada e seguimos por uma longa subida. Na metade da subida viramos a esquerda e passamos a caminhar por dentro de uma fazenda. A vista era bonita, e passamos por uma mata cheia de belas araucárias. Então passamos a caminhar pelo meio de um pasto, ora descendo, ora subindo morro. Entramos em um trecho de mata fechada e chegamos a mais uma cachoeira. Depois voltamos a caminhar pelo mato e em seguida por uma longa estrada de terra em meio a uma plantação de feijão. Atravessamos uma precária ponte de madeira sobre um rio e voltamos à estrada na qual tínhamos iniciado a caminhada.

Fizemos uma parada em um sítio, onde eram vendidos alguns produtos de artesanato. Fazia calor e aproveitei para provar um suco de laranja e cenoura que duas simpáticas senhoras vendiam. O suco tinha sabor de Fanta. Saindo do sítio caminhamos próximo a uma plantação de eucaliptos e logo passamos por uma cerca de arame e chegamos até uma espécie de caverna, ao lado de um rio. Tiramos algumas fotos na caverna e voltamos a caminhar, dessa vez dentro de uma mata e sempre próximo a um rio.

Quase saindo da mata, passamos por alguns dos integrantes do grupo de Londrina e acabamos conversando com alguns deles. O nome do grupo é Londrinapé, e eles fazem caminhadas praticamente todos os finais de semana. Seguimos caminhando e ao olhar para trás vi que uma das moças de Londrina estava tirando fotos de tudo o que via pela trilha. Então parei e perguntei para a tal moça se ela era bióloga, pois tenho uma amiga bióloga que tem o costume de tirar fotos de tudo o que se move e não se move, quando ela entra em uma mata. A resposta foi que ela era agrônoma, o que também explicava ela estar tirando fotos de tudo o que via na mata. Estávamos quase no final da caminhada, e iniciei uma gostosa conversa com a tal moça (Heverly) que seguiu até chegarmos ao hotel fazenda onde tínhamos acampado, e onde estava sendo servido o almoço para os participantes da caminhada.

Após almoçar, descansar e conversar fomos caminhar mais um pouco para conhecer a Cachoeira da Fonte. Seguimos alguns minutos por uma estrada e depois por uma trilha em meio à mata. Quando chegamos à cachoeira me surpreendi com sua beleza. A Cachoeira da Fonte tem 62 metros de altura e é muito bonita. Não pude resistir e junto com o Celso e o Shudy, entrei na água e fomos até próximo ao local onde a água da cachoeira caí no rio. A queda da água era tão forte que não dava para entrar embaixo. Mas não precisava entrar embaixo da cachoeira para ficar molhado, pois a água era borrifada em grande quantidade e a uma grande distância. Foi uma experiência muito gostosa ficar no rio próximo a cachoeira. Mas tudo o que é bom dura pouco e logo tivemos que voltar para o Hotel Fazenda. Lá esperamos o ônibus que nos levaria até a AABB para pegarmos os carros e voltarmos para casa.

O ônibus acabou atrasando e isso me fez perder a final do Campeonato Brasileiro, onde o meu Corinthians foi campeão. Mas não me importei em perder o jogo, pois o dia foi tão interessante que acabou valendo a pena cada momento dele. Além de conhecer novos lugares, também pude conhecer novas pessoas, algumas muito interessantes. Então valeu muito o final de semana, e que venham novos acampamentos e caminhadas.

Pessoal se reunindo para iniciar a caminhada.

Café da manhã na padaria.

Mari e Mariá.

Cachoeira Chicão I.

Araucárias.

Parada no sítio.

Caverna.

Caminhando na mata.

Vander e Heverly.

Cachoeira da Fonte.

Celso, Vander e Shudy.

Delíciaaaaaaaaaaaaaaaaa....

Prontos para ir embora.

Caminhada na Natureza: Ivaiporã/Pr

Dessa vez não tinha nenhum galo para me acordar de madrugada, mas mesmo assim acabei acordando as 5h34mim. É que chegou uma mulher que ia preparar uma espécie de exposição sobre a cultura ucraniana. E o local onde a tal exposição seria montada era justamente a poucos metros de minha barraca. Com muito custo consegui voltar a dormir, até que pontualmente às 6h30min parecia que tinha uma banda de rock tocando no acampamento. Era o celular da Karina que despertou. Ela tinha esquecido o despertador do celular ligado e acabou acordando quase todos com a barulheira. Depois dessa desisti de tentar dormir e resolvi levantar. E aproveitei para fazer uma boa ação e acordar os que ainda estavam dormindo. Mas o pessoal é meio mal educado e mesmo eu fazendo uma boa ação em acordá-los, fui xingado por alguns. Né Valter? rs!! 

Depois de desmontar a barraca e guardar tudo na mochila, aproveitei para dar uma volta pelo local. Pude então ver o sol nascendo e iluminando os trigais maduros, um belo espetáculo. Também pude ver a cidade de Ivaiporã, ao longe. Não imaginei que a cidade fosse tão “grande” como é, imaginava que fosse uma cidade bem pequena. O restante do pessoal levantou finalmente e também desmontou as barracas. Quando fui guardar minha mochila no carro tomei um susto, pois na mochila tinha uma aranha “gigante” grudada. Quando pensava no que fazer com a aranha, ela foi mais rápida e se “atirou” dentro do carro, indo parar debaixo do banco traseiro. Tentei encontrar a aranha e tirá-la de lá, mas não obtive êxito na “caçada”. Então deixei para resolver o problema depois.* 

Logo uma Kombi veio nos buscar e nos levou até a Comunidade da Água da Laranjeira, onde seria o início da caminhada. Tinha bastante gente no local e muito mais gente chegando. Depois vim saber que próximo a mil pessoas estiveram participando da caminhada, que faz parte do projeto de Caminhadas na Natureza (http://www.andabrasil.com.br/). Fomos tomar café e encontramos mesa farta, com muitas opções saborosas. Normalmente não tomo café da manhã, mas em caminhadas procuro comer algo, pois o desgaste físico é grande e o almoço quase sempre atrasa. Ao sentar a mesa, em minha frente tinha um rapaz de barba que se mostrou muito simpático e que conversou um pouco conosco. Mais tarde fui saber que ele era o padre da comunidade. O pior é que ele não tinha “cara” de padre. Ainda bem que na frente dele não falei nenhum palavrão ou alguma outra bobagem. No café encontrei mais amigos de Maringá, que fazem parte do grupo do Jair. 

Após o café todos se reuniram no pátio em frente à pequena e simpática igreja do local e após discursos do prefeito e de outras pessoas, o padre fez uma oração e uma personal trainer comandou o aquecimento. E pouco depois das 9h30mim começou a caminhada. Nosso pessoal ficou no final, pois costumamos ir devagar, curtindo o caminho, admirando as paisagens e tirando fotos. Nessas caminhadas tem muita gente que parece estar participando de uma corrida e quer chegar o quanto antes ao final, sem nem curtir o caminho. 

Seguimos por uma estrada, e logo entramos em uma região de mata e ali encontramos um certo congestionamento. Percorremos a trilha pelo meio da mata, seguindo ao lado de um rio. Me chamou atenção à cor da água do rio, que era clara. Normalmente nessas regiões de terra vermelha a água é bem escura. Logo chegamos a um sítio, onde foi montado pelo proprietário uma espécie de circuito. Você passava entre outras coisas por uma fábrica de móveis, galinheiro, jardim, alambique e também por uma cozinha rústica onde fazem doces. Num fogão de barro estava sendo defumado carne de frango. Nesse sítio tinha um balanço onde muitos aproveitaram para brincar um pouco. Seguindo com a caminhada, subimos um morro no meio do mato e depois saímos em uma estrada, para depois seguir um tempo por um carreiro no meio de um trigal. Algum tempo depois chegamos à chácara da Nadir, o local onde tínhamos dormido. Ali estava montada uma espécie de exposição sobre a cultura ucraniana, que é bem forte na região. Tinha livros, discos, fotos e outros objetos. E também tinham alguns jovens vestidos com trajes típicos. O prefeito de Ivaiporã também estava ali, pois estava participando da caminhada e aproveitou a parada para tirar algumas fotos com o pessoal.

Seguimos nosso caminho e passámos a caminhar numa região com muitas plantações de trigo e quase nenhuma árvore. Logo chegamos num local onde um grupo de cavaleiros tinham armado uma espécie de acampamento e preparavam uma costela ao fogo de chão. Ali também tinha um touro com uma sela. Mesmo parecendo domesticado o touro dava medo. Acabei subindo no bicho para tirar fotos e levei uma “rabada” que arranhou meu lábio e só não me acertou o olho em razão de eu estar de óculos. A sensação em cima do touro não é das melhores, pois o bicho se mexe e da à impressão que a qualquer momento ele vai sair disparado, pulando igual nos rodeios. Como não tenho pretensão de me tornar caubói de rodeio, logo desci do bicho. A Karina e o Igor também subiram no touro para tirar fotos. Os demais preferiram descansar e tomar chimarrão numa mesa próxima.

Continuamos caminhando e chegamos num lago muito bonito, cercado de árvores. Não nos demoramos muito ali e voltamos a caminhar. Passamos por uma pequena mata, saímos numa estrada, depois voltamos a caminhar pelo meio da mata, para logo caminhar por uma trilha que ficava entre a mata e uma plantação de milho recém colhida. Então chegamos a uma fazenda e ali bebemos água, descansamos e alguns de nosso grupo aproveitaram para comer algo. Logo voltamos a caminhar e no final de uma subida passamos por uma placa que indicava que estávamos no quilômetro número dez. Faltavam mais dois quilômetros para o fim. Continuamos caminhando e o sol começou a castigar, fazia muito calor. Pelo caminho encontramos poucas pessoas. A maioria dos caminhantes já tinham chegado ao final da caminhada e deveriam estar almoçando. Os quilômetros finais foram sem muitos atrativos e então chegamos a Comunidade Pindauvinha. 

Fomos direto para o barracão onde estava sendo servido o almoço. O cardápio era bem rural, com saladas, porco e frango. Comi bastante para recuperar as energias gastas e depois fiquei conversando com o pessoal. Pouco depois das 15h00 tiramos uma foto com todo nosso grupo e em seguida dois carros da Emater nos levaram até a chácara da Nadir, onde estavam nossos carros. Ali conversamos um pouco, alguns tomaram banho e em seguida nos despedimos e pegamos à estrada. Foi mais um final de semana gostoso, conhecendo lugares e pessoas, em contato direto com a natureza. Para quem gosta de programas assim não existe nada melhor. E que venham às próximas caminhadas! 

* Na metade da viajem de volta, a Karina foi pegar o celular em sua bolsa que estava no banco de trás e soltou um grito ensurdecedor. Ela viu a aranha gigante no chão. Como a aranha não morreu de susto com o grito da Karina, ela tirou a sandália, criou coragem e acertou uma única e certeira “sandalhada” na pobre aranha, que nesse momento deve estar em paz no céu dos insetos. rs…

2ª Caminhada na Natureza

Trigal ao amanhecer.

Amanhecer no acampamento. (28/08/2011)

Café da manhã.

Momentos antes do início da caminhada.

Caminhando pela mata.

No sítio.

Momentos da caminhada.

Com o prefeito e os descendentes de ucranianos.

Momentos da caminhada.

Seguraaaaaa peãooooooo...

Momentos da caminhada.

Almoço e descanso pós caminhada.

Nosso grupo reunido após a caminhada.

Caminhada na Natureza: Nova Tebas/Pr

Minhas experiências com caminhadas se limitavam as trilhas que fazia na Serra do Mar, próximo a Curitiba e as peregrinações pelo Caminho de Peabiru. Agora descobri que existe um circuito de caminhadas, organizado pela CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CAMINHADAS. Eu desconhecia que caminhada é considerada um esporte e que existia até mesmo uma confederação. De qualquer forma resolvi aderir ao “esporte” e daqui pra frente vou ficar de olho no calendário de caminhadas organizadas pela confederação, que fazem parte de um projeto denominado Anda Brasil  (http://www.andabrasil.com.br/?q=panels/organization).

E minha primeira caminhada dentro do projeto Anda Brasil, aconteceu na cidade de Nova Tebas. Na verdade foi num local distante 23 km de Nova Tebas. A aventura iniciou antes da caminhada, pois chegar até o local chamado de Mil Alqueires, não foi nada fácil. Pensei que a caminhada sairia de Nova Tebas e cheguei na cidadezinha quase na hora prevista para o início da caminhada. Então tive a infelicidade de descobrir que o local da caminhada seria mais pra frente, e teria que seguir por uma estrada sem asfalto e numa região de serra. Após andar poucos quilômetros me perdi e quando já pensava em desistir e voltar pra casa passou por mim uma caminhonete do Corpo de Bombeiros. Pedi que parassem e numa rápida conversa descobri que estavam indo acompanhar a caminhada, denominada Caminhada na Natureza. Expliquei que estava meio perdido e não conhecia a região, e os bombeiros me pediram para seguí-los. Os segui por 20 quilômetros e foi uma grande aventura. Eles correram bastante e a estrada era ruim, levantava muita poeira e numa região de serra, com muitas subidas e alguns precipícios. Senti-me numa corrida de raly e em muitos momentos a adrenalina foi grande, pois em algumas curvas o carro ia de lado derrapando nas pedras e eu quase sem ver a estrada em razão da poeira. E pra piorar, na parte final tinha uma forte neblina e a combinação poeira+neblina significou visibilidade quase zero. Mesmo assim cheguei ileso ao local do início da caminhada e feliz com o perigoso e delicioso quase raly de que tinha participado.

Na comunidade Mil Alqueires existe uma igrejinha, um pequeno salão de festas e algumas poucas casas. O local era no alto de uma serra e a região era muito bonita. Fiz a inscrição que foi gratuita, ganhei um crachá que deveria ser carimbado em quatro pontos da caminhada e fui para o local de aquecimento. Acabei encontrando alguns conhecidos de Maringá, que tinham participado comigo da peregrinação pelo Caminho de Peabiru. Conversei um pouco com o pessoal e ás 09h00min iniciou a caminhada. Fui junto com o pessoal de Maringá, pois conversar durante a caminhada é mais gostoso e sempre tem alguém pra tirar fotos. Tinha muita gente participando, muitos adolescentes, todos da região. O percurso seria de 14 km, por uma região bastante acidentada e com muitas subidas fortes. Naquele momento fiquei pensando se aquele pessoal conseguiria chegar até o final. Mais tarde descobri que a maioria do pessoal pegou carona com dois ônibus que acompanharam a caminhada. Chamou-me a atenção um grupo da cidade de Pitanga, que chegou todo uniformizado e com muitas mulheres. Pensei que o pessoal caminhava sempre e que estava bem preparado. No final todo esse grupo subiu num ônibus, quando chegamos à subida mais íngreme e sob o sol do meio dia. Quando cheguei ao final do caminho (caminhando) todo esse grupo estava almoçando.

Os primeiros quilômetros da caminhada foram de descida, passando por estradas, plantações de soja recém plantadas, algumas fazendas e pelo meio do mato. A região é muito bonita e dava gosto caminhar por ela. No caminho fizemos uma parada num local chamado “Casa de Pedra”, que na verdade é uma gruta onde da pra entrar. Ainda pelo caminho paramos numa fazenda pra tomar limonada e seguimos em frente. Fizemos algumas paradas pra carimbar o crachá e pra tirar fotos. Caminhei quase o tempo todo com o Jair, Ieda, Rosangela, Ivanir, Miralva e Terezinha, todos de Maringá. Depois encontrei o Valterio, o Celso e os outros meninos de Maringá, que chegaram atrasados e caminharam no final da turma. Combinamos de nos encontrar em futuras caminhadas e talvez acampar ali mesmo nos Mil Alqueires.

A parte final da caminhada foi a mais difícil, onde descemos um morro muito íngreme. Paramos um tempo num rio, onde tinham duas pequenas cachoeiras. Numa delas dava pra ver alguns peixinhos tentando subir a cachoeira, fazendo a piracema, indo procriar no mesmo local onde nasceram. Após sairmos do rio pegamos a estrada e enfrentamos o trecho mais difícil, com uma subida sem fim, poeira e o sol do meio dia que estava mais quente que de costume. O último ponto de carimbo do crachá era no pé de um pequeno morro, onde no alto foi colocada uma luneta para se observar a bela vista da região. Não tive forças para subir o morro e olhar pela luneta, guardei minhas últimas energias para caminhar os dois quilômetros finais. Depois desse último ponto de carimbo, poucas pessoas seguiram caminhando, a maioria pegou carona nos ônibus da equipe de apoio. O numeroso grupo de Pitanga estava todo dentro de um ônibus e o líder do grupo desceu com um monte de crachás na mão e foi pegar os carimbos. Não achei aquilo certo, mas achei melhor ficar quieto. O trecho final segui com a Ieda e a Rosangela, literalmente comendo poeira. Chegamos ao mesmo local da partida, mas pelo outro lado, pois tínhamos caminhado em círculo. Estavam todos almoçando, pois além da caminhada estava acontecendo no local uma festa. Pelo que vi menos da metade do pessoal que iniciou a caminhada terminou a mesma caminhando. Cheguei arrebentado, mas feliz por ter superado mais um desafio e por não ter sentido minhas dores da hérnia de disco, sinal de que estou quase que totalmente curado.

Fui almoçar e me deparei com a comida fria e o refrigerante quente. Ou seja, quem caminhou realmente o trecho todo acabou sendo prejudicado e quem pegou caronas pelo caminho teve comida quente e refrigerante frio. Mas tudo bem, o importante é que cumpri a missão que tinha escolhido e minha consciência estava tranqüila, pois caminhei o trecho todo e isso para mim é o que vale. Não sou do tipo que faz algo pela metade e depois conta vantagem para os amigos dizendo que fez algo que na verdade não fez. Após almoçar me despedi dos amigos e peguei estrada. Daí se iniciou outra aventura, que foi a falta de gasolina. Eu tinha gasolina suficiente pra ir até Nova Tebas e voltar, mas não contava que teria que andar 56 km em estrada de chão além do que previa. Na volta a gasolina entrou na reserva e ao chegar a Nova Tebas descobri que na região os postos não abrem nos finais de semana. Ainda tentei ir à casa do dono de um posto de gasolina, que um morador me mostrou onde era, mas ele não estava em casa. Então eu tinha duas opções, ou ficava ali até não sei que hora esperando o dono do posto chegar em casa ou arriscava chegar ao posto aberto mais próximo dali, que ficava a quase 50 km. Pensei um pouco e resolvi arriscar, pois a estrada era de serra e quase toda de descidas, onde daria pra ir no embalo. Dei sorte e quando encontrei um posto aberto o carro estava começando a falhar. Mais um quilometro e eu ficaria parado na estrada com pane seca. No final das contas valeu a aventura toda. Foi um dia interessante, divertido, onde revi amigos, fiz novos amigos e superei mais uma meta em busca de minha total cura física e mental. Que venham outras caminhadas!!!

PARA AMPLIAR CLIQUE NA IMAGEM

Brincando de raly no meio da neblina.

Bela paisagem.

Início da caminhada.

Caminhando por dentro de uma fazenda.

Caminhando…

Parada para carimbar o crachá.

Na “Casa de Pedra”.

Ivanir, Jair, Ieda, Vander e Rosangela.

Chegando em mais uma fazenda.

Vander, Miralva, Rosangela, Ivanir, Terezinha, Ieda e Jair.

Ando devagar porque já tive pressa …

Uma das belas paisagens do caminho.

Eu e o grupo do Jair, que veio de Maringá.

No rio com os “meninos” de Maringá.

Festa na Comunidade Mil Alqueires.