Todos envelhecem…

Todos nós envelhecemos, querendo ou não! Só não envelhece quem morre cedo, quem morre jovem… Não vejo vantagem em morrer jovem e bonito. Melhor mesmo é envelhecer bem!

Abaixo alguns personagens dos quadrinhos, já velhinhos, para mostrar que envelhecer é parte da vida… E da morte!

IMG_5400

Tom & Jerry.

IMG_5401

Papa-léguas & Coiote.

IMG_5402

Minnie & Mickey.

IMG_5404

Pato Donald.

IMG_5405

Frajola & Piu-Piu.

IMG_5406

Lola & Pernalonga.

IMG_5408

Patolino.

Exposição em homenagem a Sergio Bonelli

Até o próximo dia 25 estará em exibição no Solar do Barão, em Curitiba, uma exposição em homenagem a Sergio Bonelli. O famoso editor italiano faleceu ano passado, aos 79 anos. Sergio Bonelli era apaixonado pelo Brasil e esteve aqui algumas vezes. Tinha predileção pela Amazônia, onde conheceu profundamente os costumes locais e teve inspiração para criar o personagem Mister No. Na exposição em Curitiba estão obras de diversos artistas, feitas como tributo após a morte de Sergio Bonelli. Também estão expostas fotos de Bonelli nos anos 70, visitando a Amazônia.

Enterro de Sergio Bonelli.

Sergio Bonelli na Amazônia, nos anos 70.

Ezequiel e Vander.

Gibicon nº 1

Estive em Curitiba participando da Gibicon nº 1, uma feira de quadrinhos. Ano passado aconteceu a Gibicon nº 0, que foi um evento experimental e que devido ao sucesso parece que será permanente daqui para frente. Dessa vez pude rever alguns amigos que também gostam de quadrinhos e fazer novos amigos.  Participei de eventos relacionados somente aos quadrinhos italianos da Editora Bonelli, que são os meus quadrinhos favoritos. Participei de uma palestra sobre os quadrinhos Bonelli na Itália e visitei uma mostra dedicada ao editor Sergio Bonelli, que faleceu ano passado. Também participei de uma homenagem ao Sergio Bonelli. Essa homenagem foi meio que uma palestra onde pessoas que conheciam o Sergio Bonelli falaram sobre ele, contaram histórias que viveram junto com ele. Um momento emocionante foi quando o Júlio Schneider (tradutor das revistas Bonelli no Brasil) ao contar sobre sua amizade com o Sergio Bonelli, acabou se emocionando e chorando. O argumentista italiano Moreno Burattini também esteve presente nessa homenagem e mostrou num telão fotos do Sergio Bonelli, inclusive a última foto que ele tirou (ao menos se acredita que seja a última!), durante uma feira de quadrinhos na Itália, dias antes de morrer. O último evento Bonelliano de que participei na Gibicon, foi assistir um documentário sobre o Sergio Bonelli. Esse documentário, com pouco mais de meia hora de duração, foi feito na Itália em 2010.

Fora os eventos relacionados aos personagens Bonelli, dei uma rápida olhada pelos vários estandes da Gibicon e comprei alguns gibis (Bonelli é claro!). Um gibi especial que comprei na Gibicon, foi o Zagor Gigante nº 1. Além de Zagor ser meu personagem favorito de quadrinhos, esse Zagor Gigante nº 1 traz publicado em suas contracapas os nomes de cem leitores de Zagor, inclusive o meu nome. E aproveitei para pegar o autógrafo do Moreno Burattini nessa revista, pois foi ele que escreveu a história publicada nesse Zagor Gigante.

Além do argumentista italiano Moreno Burattini, também estiveram presentes na Gibicon, outros dois italianos que trabalham para a Editora Bonelli. Um deles eu já conhecia, pois esteve no Brasil nos dois últimos anos. Trata-se do simpático desenhista de Tex, Fabio Civitelli. E o outro italiano foi o Roberto Diso, que também é desenhista da Editora Bonelli, mas dedica-se mais ao personagem Mister No. Foi uma experiência gratificante ter contato com estes três simpáticos italianos, que trabalham na criação de personagens de quadrinhos que leio e acompanho a mais de trinta anos.

Ano passado também estive na Gibicon e este ano deu para perceber que o evento aumentou e ficou mais organizando. Mas tamanha organização acabou atrapalhando em alguns momentos! Um exemplo foi no sábado pela manhã, no Paço da Liberdade. As oficinas e palestras estavam marcadas para começar às 10 horas, mas antes desse horário não permitiam que ninguém entrasse no prédio. Somente após as 10 horas é que todos puderam entrar e formar filar para pegar convites para as quatro palestras e oficinas que aconteceriam no mesmo horário. O chato é que do lado de fora tivemos que formar fila sob um sol escaldante. Outra pisada na bola da organização foi marcarem várias palestras no mesmo local e no mesmo horário. Isso fazia com que os participantes tivessem que escolher somente uma palestra, quando muitos queriam ver todas as palestras. O resultado foi que muitas palestras ficaram com pouco público. Se fizessem as palestras em horários diferentes, com certeza todas elas teriam um maior público presente.

E outra reclamação geral foi com relação às senhas para autógrafos. Teve um dia que distribuíram 30 senhas para determinados artistas e no dia seguinte somente 15 senhas. Isso fez com que muitas pessoas ficassem sem conseguir senhas e sem conseguir os autógrafos que queriam. E teve casos de pessoas que ficaram na fila das senhas para autógrafos e perderam a palestra que queriam assistir, pois tiveram que escolher estre pegar a senha do autógrafo ou assistir a palestra.

E teve também casos de palestras onde precisava enfrentar uma fila para pegar a senha. E na hora da palestra não tinha ninguém para recolher tais senhas na entrada do local da palestra. E teve uma palestra onde um monte de gente entrou sem senha e o segurança que estava na porta não falou nada. Daí quando fui entrar o segurança me barrou e me pediu a senha. Por sorte eu tinha a bendita senha! Só não entendi o critério do segurança em pedir senha para uns e não pedir para outros. Ou seja, o negócio todo foi meio confuso e espero que no próximo ano o pessoal da organização de uma melhorada no evento, pois senão fica difícil para quem participa. E vou pensar duas vezes antes de viajar 500 km para ir novamente à Gibicon!

O Ezequiel com sua senha para uma palestra.

Moreno Burattini, Vander, Roberto Diso e Fabio Civitteli.

Felipe, Vander, Nei, Diso, Ezequiel e Maldonado.

Gibicon nº 1

Marcos Maldonado (letrista) e Fabio Civitelli.

Vander e Júlio Schneider.

Gibicon nº 1

Ezequiel, Bira Dantas e Vander.

Uma personagem de carne e osso!! (Mais carne…)

Bira Dantas e o Gralha.

Homenagem/Palestra a Sergio Bonelli.

Vander, “Zagor” e Moreno Burattini.

Platéia do documentário sobre Sergio Bonelli.

Documentário sobre Sergio Bonelli.

Fabio Civitteli dando autógrafo na rua.

VÍDEO

Mauricio de Sousa homenageia Sergio Bonelli

Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica, fez um desenho para homenagear Sergio Boneli, quadrinista italiano que faleceu nesta segunda-feira (26/09) aos 79 anos. No alto da imagem, vê-se a mensagem “Grazie per tutto, Bonelli!” que quer dizer, em italiano, “Obrigado por tudo, Bonelli!”. Uma estátua do artista está no centro do desenho e alguns personagens criados por Mauricio de Sousa mostram feições tristes ao lado do monumento. Todos estão trajados como personagens com os quais Bonelli trabalhou. Cebolinha está vestido como o cowboy Tex, Cascão é Zagor e Louco é Mágico Vento. Do lado direito da imagem, Mônica é a criminóloga Julia Kendall, Xaveco é Martin Mystère, Penadinho é o detetive do além Dylan Dog e Anjinho é Nathan Never.

Fonte: http://entretenimento.uol.com.br

Homenagem de Mauricio de Sousa a Sergio Bonelli.

Falecimento do Sergio Bonelli

Vou fazer um parênteses nas postagens sobre os dias aqui no Canadá, para falar um pouco de uma pessoa que faleceu hoje. Eu não conhecia pessoalmente tal pessoa, mas ela influenciou muito minha vida em vários sentidos. Quem faleceu foi Sergio Bonelli, editor italiano de quadrinhos e criador entre outros do personagem Zagor, que sempre foi meu personagem de quadrinhos favorito. E eu estar hoje no Canadá é de certa forma por “culpa” de Sergio Bonelli e deu seu pai, Gian Luigi Bonelli, criador do lendário personagem Tex Willer. É que graças às revistas em quadrinhos editadas pela Editora Bonelli, fiz muitas amizades pelo Brasil e pelo mundo nesses trinta e poucos anos que leio e coleciono quadrinhos. E entre esses amigos que fiz está o Gilberto Walker, brasileiro que vive no Canadá e que estou visitando nesses dias. Foi o gosto por quadrinhos Bonelli que iniciou e fortaleceu nossa amizade e depois de muitos anos vim fazer uma visita a ele. Para aqueles que não gostam de quadrinhos, talvez fique difícil de entender o que a morte do Sergio Bonelli significa, mas para mim e para milhares de colecionadores e admiradores da Bonelli Editore espalhados pelo mundo, hoje é um dia triste, um momento de luto e a sensação de que todos ficamos um pouco órfãos a partir de agora.

Faleceu hoje em San Gerardo di Monza, Milão, com a idade de 78 anos, Sergio Bonelli. Nascido a 2 de Dezembro de 1932 em Milão, estava hospitalizado no hospital San Gerardo há uma semana, depois de ter iniciado a acusar problemas de saúde em agosto. Editor, argumentista, conhecido também no início da sua carreira com o pseudónimo de  Guido Nolitta, escolhido para evitar ser confundido com o seu pai Gian Luigi, criador em 1948 de Tex Willer. O herói western que defende os fracos e oprimidos independentemente da sua cor da pele.

Sergio Bonelli, explica um comunicado da editora italiana, morreu após uma curta doença, deixando a esposa e o seu filho Davide. Sergio Bonelli, realça o comunicado, “foi o principal artificie da passagem das revistas em quadrinhos como simples instrumento de entretenimento popular a produto de dignidade cultural, criando, ao longo da sua carreira de cinquenta anos, uma das mais importantes editoras de revistas em quadrinhos no contexto italiano e mesmo mundial“.

Fonte: http://texwillerblog.com/wordpress/

Sergio Bonelli ao lado de Tex, criação de seu pai, Gian Luigi.

Zagor, personagem criado por Sergio Bonelli.

+ Gibicon

No sábado a tarde estive mais uma vez na Gibicon e dessa vez aproveitei para pegar autógrafos do Fabio Civitelli e do Lucio Filippucci. Peguei mais para amigos do que para mim mesmo. E na fila de autógrafos conversei com muita gente e também encontrei mais amigos, como o Gervásio Freitas, Nilson Farinha, Sergio Starepravo, Ezequiel e sua esposa, Nei e sua filha.

Um fato que achei interessante foi que duas pessoas vieram conversar comigo, dizendo que tinham me reconhecido da internet. Um viu fotos minhas da Comix do ano passado, e outro viu a entrevista para o Blog do Tex. Estou ficando famoso… rs!

1) Com Nei e sua filha. 2) Com Nilson Farinha, Nei e Gervário Freitas. 3) Com Sergio, Valdivino e Gervásio Freitas. 4) Com Ezequiel e Valdivino.

Fila para autógrafos e desenhos exclusivos.

Com Fabio Civitelli.

Com Lucio Filippucci.

Com Miss McCartney (Renata).

Mostra sobre Tex

Na sexta-feira a noite, na Gibicon, aconteceu a inauguração da Mostra “A Lenda de Tex”, com diversas ilustrações originais vindas da Itália, cedidas pela Editora Bonelli. A inauguração da Mostra contou com a presença dos consagrados desenhistas de Tex, Fabio Civitelli e Lucio Filippucci. A Mostra conta com diversas gravuras e releituras de Tex feitas por artistas de diversas nacionalidades. Na mesma noite, no mesmo local também foi inaugurada a Mostra “Tex Brasileiro“, uma exposição de releituras de Tex, feitas por autores de todo o Brasil, como Mike Deodato Jr, Odyr, Sama, Carlos Paul, Bira Dantas, Fulvio Pacheco, José Aguiar e outros.

Participei da inauguração da Mostra, onde entrei junto com os dois desenhistas italianos, com Julio Schneider (tradutor da Mythos Editora), Dorival Vitor Lopes (Editor da Mythos Editora), com os amigos Paulo Possebon, Valdivino e seu filho Jhon. A abertura da Mostra teve rápidos discursos e depois foi servido um coquetel. No meio da sala de exposição três músicos tocavam músicas do velho oeste e num canto era mostrado um vídeo com fotos do velho oeste e gravuras do Tex. Logo após a abertura do evento, o espaço reservado a Mostra foi aberto para o público, que compareceu em peso. O Valdivino adorou o coquetel, principalmente um salgadinho com uma pimenta em cima e que desceu ardendo goela abaixo… rs!

Fiquei um bom tempo andando pelo local da Mostra e observando as várias gravuras de Tex. Também aproveitei para conversar com algumas pessoas. Achei interessante três visitantes que estavam vestidos a caráter. Estes visitantes criaram personagens próprios, num misto de faroeste pós-moderno e pank. Ficou uma mistura bastante interessante.

Entrada da Mostra Tex. Filippucci e Vander. Filippucci assinando sua obra.

Momentos da abertura da Mostra sobre Tex.

Mostra sobre Tex.

Momentos da Mostra.

Gibicon

Na última sexta-feira estive no Memorial de Curitiba, onde acontecia à primeira Convenção Internacional de Quadrinhos de Curitiba, a GIBICON número zero. Por esquecimento acabei perdendo a palestra sobre o Tex. Cheguei no momento em que acontecia uma sessão de autógrafos com dois desenhistas italianos de Tex: Fabio Civitelli e Lucio Filippucci. O Civitelli eu já conhecia da Comix do ano passado, em São Paulo. Achei interessante que ele ao me ver me reconheceu. Não lembrou do meu nome, mas se dirigiu a mim como o “viajante”. Não entrei na fila de autógrafos, pois tinha um compromisso importante logo em seguida. Fiquei circulando pelo local e aproveitei para falar com alguns amigos de outros encontros de quadrinhos. Entre esses amigos falei com o Felipe e sua esposa, com Julio Schneider, Dorival Vitor Lopes e Valdivino.

Gibicon 2011

Memorial de Curitiba, local da Gibicon.

Com Valdivino, Julio, Felipe, sua esposa e filha.

Lucio Filippucci e Fabio Civitelli "trabalhando".

Tarde de autógrafos.

QUADRINHOS MUITO LOUCOS

Tem um americano meio maluco, o qual não lembro o nome, que desenhou umas tiras ao mesmo tempo interessantes e de humor negro. Nessas tiras o “Tom” mata o “Jerry”, o “Frajola” come o “Piu-Piu” e assim por diante. Vale a pena dar uma olhada…

O Tom martelando o Jerry e o Frajola comendo o Piu-Piu.

O Tom martelando o Jerry e o Frajola comendo o Piu-Piu.

A morte do Tom e do perna Longa.

A morte do Tom e do Perna Longa.