Pebolim

Recentemente estive jogando pebolim, após mais de um ano sem brincar tal jogo. Esse é um dos poucos jogos em que sou realmente bom, modéstia a parte. E já fui melhor, é que ando meio fora de forma. Até medalha de campeão de pebolim eu já ganhei. Desde moleque gostava de jogar pebolim, mas foi nos dois anos em que estive no Exército que joguei muito pebolim e fiquei bom no jogo. Fazia dupla com meu amigo José Mario dos Prazeres, e se não éramos a melhor dupla de nossa Cia, com certeza estávamos entre as melhores. Jogar pebolim era um dos poucos passatempos que tínhamos no quartel, então em alguns dias passávamos horas jogando. Chegava a formar calos nas palmas das mãos.

Origem do Pebolim

futebol de mesa, popularmente conhecido como totó e pebolim, é um jogo inspirado no futebol, que consiste em manipular bonecos presos a manetes, possibilitando “jogar futebol” numa mesa. Inventado na Europa, há registros de patentes de jogos de futebol de mesa no início do século passado na Alemanha, na Inglaterra e na Espanha. Segundo a versão dos espanhóis, o jogo teria sido inventado pelo espanhol Alexandre de Fisterra, ferido em 1936 durante a Guerra Civil Espanhola. No hospital em que ficou internado, em Montserrat, conheceu muitas crianças também feridas e impossibilitadas de jogar futebol. Ele, então, teria se inspirado no tênis de mesa para criar o futebol de mesa. A partir das instruções de Fisterra, seu amigo Francisco Javier Altuna desenvolveu a ideia construindo a mesa e os componentes de madeira e metal que integram o jogo. A invenção foi patenteada em 1937, mas, após escapar do facismo na França, Finisterre perdeu os papéis da patente. Depois de ter se exilado na América do Sul, introduziu algumas alterações, como as barras de aço e divulgou o jogo pelo continente. O jogo rapidamente se espalhou pela Europa. Tanto que, na década de 1960, quando Alexandre de Fisterra regressou à Espanha, o jogo encontrava-se já largamente divulgado, embora muito do crédito desta divulgação se deva ao fato dos fabricantes valencianos o assumirem como jogo nacional. Contudo, essa versão da origem do futebol de mesa é contestada pelos alemães, que garantem que o jogo foi criado por Broto Wachter, que teria comercializado uma mesa de futebol já em 1930. A diferença é que todos os objetos eram de madeira, incluindo as barras, e os “jogadores” não tinham forma de bonecos, sendo pequenos triângulos. Hoje em dia, o futebol de mesa é muito popular e as mesas mais modernas possuem barras de titânio, bonecos de plástico e até placar eletrônico.

18222111_10154621098173067_2438423837647917265_n

Jogando pebolim após um longo tempo…

pebolim_toto_varao_embutido_mod_1070_99_2_20151104123841

Mesa clássica de pebolim.

Basquete de Campo Mourão

Após uma longa ausência, voltei a assistir jogos de basquete do time de Campo Mourão. Dessa vez vi jogos validos pela Copa Sul Brasil, onde o time de Campo Mourão venceu todos os três jogos da primeira fase. E o mais legal foi voltar ao Ginásio JK, local onde treinei e joguei basquete muitas vezes entre meus 13 e 17 anos. Boas lembranças daquela época, dos treinos de madrugada, das participações em Jogos Escolares, Jogos Estudantis, dos antigos amigos, de namorar no escurinho atrás do ginásio. Hoje isso não seria mais possível, já que está tudo iluminado, tem rua asfaltada e casas do outro lado da rua…  Kkkkkk

E foi graças ao basquete que arrumei minha primeira namorada. Eu tinha 15 anos e fomos participar da fase final dos Jogos Escolares na cidade de Rio Negro, bem na divisa do Paraná com Santa Catarina. Uma bela tarde eu estava no ginásio esperando a hora do meu jogo começar e uma garota veio conversar comigo. Ela estava passando férias na cidade, na casa da irmã. Perguntei de onde ela era e ela respondeu que era de Campo Mourão. Não acreditei, achei que estivesse brincando! Daí foi a vez dela perguntar de onde eu era e em vez de responder virei de costas e mostrei meu agasalho, onde estava escrito CAMPO MOURÃO. Ambos começamos a rir, pois era muita coincidência sermos da mesma cidade e termos viajado 600 quilômetros para nos conhecer. Trocamos telefone e duas semanas depois nos encontramos em Campo Mourão. Mais uma semana e começamos a namorar. Foram apenas três meses de namoro, que foi inesquecível por ser o primeiro. O nome da garota era Roseli (melhor não contar o sobrenome) e faz uns vinte anos que a vi pela última vez.

Bons e saudosos tempos!!!

Colégio Estadual. Estou em pé, segundo da direita para a esquerda. O Wagão, meu irmão é o garotinho com agasalho branco. (Ginásio JK - 1984)

Colégio Unidade Polo. Estou em pé, segundo da direita para a esquerda. (Ginásio JK - 1985)

Seleção de Campo Mourão. (Ginásio JK - 1985)

Ginásio JK - 2012.

Campo Mourão X Santa Cruz/RS. (Ginásio JK - 13/04/2012)

BC Place Stadium

Fui assistir outro jogo de futebol do Whitecaps, time profissional de Vancouver. Dessa vez o jogo foi no BC Place Stadium, que tinha acabado de ser reinaugurado, após ter passado por uma milionária reforma. O estádio é muito bonito, inclusive tem cobertura retrátil que pode ser fechada em dias de chuva ou de neve. Com certeza esse foi o melhor e mais bonito estádio onde já entrei.

Dessa vez dei sorte para o time da casa, que venceu o time norte americano do Real Salt Lake. O placar foi de 3 x 0 para o Whitecaps, com direito a dois gols de pênalti do brasileiro Camilo. O estádio possui um telão gigantesco, que transmitiu o jogo em tempo real. Não sei se é por estar habituado a ver jogos pela TV, mas o fato é que muitas vezes eu esquecia de olhar o jogo no campo e ficava vendo o jogo pelo telão. O engraçado é que a imagem do telão estava invertida para o lado em que eu estava sentado. Ou seja, o time no campo atacava para o lado direito de onde eu estava, e no telão aparecia ele atacando para o lado esquerdo.

BC Place Stadium.

Momento dos hinos.

No meio da torcida do Whitecaps.

Intervalo de jogo.

Torcida animada.

Corredor interno do estádio.

Jogo de hóquei no gelo

Fui a um jogo de hóquei no gelo, entre o Canucks de Vancouver e o Sharks de San José – USA. Foi uma experiência muito interessante, a começar pelo ginásio de hóquei, a Rogers Arena. É um ginásio enorme, muito bonito, organizado e confortável. Tudo com lugares marcados e banheiros limpos, algo que nunca consegui ver no Brasil.

O jogo em si foi legal, mesmo com os times não jogando com todas suas estrelas, pois ainda estão na fase de pré-temporada, testando novos jogadores. Mas para um leigo como eu, que até então só tinha assistido a um jogo pela TV alguns dias antes, foi um belo espetáculo. E teve até briga, o que é algo normal no hóquei e tem até regras próprias para brigar. Não sei se sou pé frio aqui no Canadá, mas o fato é que a exemplo do futebol que eu tinha assistido, no hóquei o time da casa também perdeu.

E outro show foi a torcida nos intervalos e tempos técnicos. Sempre tinha alguma coreografia ou algo nos telões, mostrando a torcida fazendo festa. O mais legal era quando mostravam um casal no telão e eles tinham que se beijar. Com quase todo o ginásio olhando, teve alguns casos em que não saiu o tal beijo.

O hóquei no gelo é o esporte nacional do Canadá, o pessoal simplesmente adora. Isso significa sempre ginásio cheio durante os jogos. Meu amigo Gilberto está há anos na fila de espera para comprar ingressos para a temporada completa de hóquei e ainda não conseguiu. Esse ano ele conseguiu ingressos para um terço da temporada, e isso após uma longa fila de espera.

O hóquei no gelo, ou hóquei sobre o gelo, é um esporte olímpico jogado entre duas equipes de seis jogadores, onde todos os jogadores e juízes calçam patins. Os jogadores patinam no gelo e usam tacos (sticks) para movimentar um disco de borracha (puck). O objetivo do jogo é fazer gol na baliza do adversário. O hóquei no gelo é um dos jogos mais rápidos do mundo, tanto pelo movimento constante e rápido dos jogadores quanto pelas tacadas que podem alcançar uma velocidade de mais de 160 quilômetros por hora. É um dos poucos esportes que permitem a troca de jogadores (ilimitadamente) enquanto o jogo ainda está em progresso. É também um esporte muito violento e agressivo, que necessita a utilização de pesados equipamentos de proteção. 

O hóquei no gelo surgiu no Canadá e é o esporte nacional do país. O Canadá é o maior vencedor de competições internacionais de hóquei no gelo do mundo, entre eles o Campeonato Mundial e os Jogos Olímpicos. O hóquei no gelo também é muito popular nos Estados Unidos (principalmente na região norte e mais fria do pais), Suécia, Rússia, Finlândia, Eslovênia e Letônia. Nos Estados Unidos e na Rússia, o hóquei no gelo é chamado simplesmente de “hóquei”. 

Ingresso do jogo.

Começo de jogo.

Visão que eu tinha no ginásio.

Passeando no intervalo de jogo.

O telão animando a torcida.

Canucks x Sharks (Photo by Nick Didlick).

Canucks x Sharks (Photo by Nick Didlick/Getty Images).

Canucks