Sobre Vander Dissenha

Paranaense de Campo Mourão, tem 47 anos. Quase se formou em Estatística e é formado em História , tendo Pós Graduação em Ensino de História e Geografia. É apaixonado por aventuras, viagens, montanhas, ciclismo, trilhas, caminhadas, família, amigos, livros e cinema... www.vanderdissenha.worpress.com

Viagem à Europa

O dia de partida para minha segunda viagem à Europa foi bastante corrido. Era sábado e passei o dia arrumando coisas, definindo o que levaria ou não na viagem. Eu não podia levar muita coisa, pois como teria que carregar tudo durante a peregrinação pelo Caminho de Santiago, era necessário levar o menor peso possível. E fica difícil ser minimalista na hora de arrumar a mochila para uma viagem tão longa e tão distante. Graças a certa experiência que possuo em viagens ao exterior e também em cicloviagens, consegui definir o que era prioridade e dessa forma ajeitei as duas mochilas que levaria na viagem, uma grande e uma pequena. Mas tinha convicção de que algumas coisas eu não usaria e que sentiria falta de outras.

No início da noite meu irmão me levou até a rodoviária. Saí de casa ainda na dúvida sobre estar levando a blusa de frio correta. Levei uma mais fina e menos de uma semana depois me arrependeria amargamente de tal escolha. Na rodoviária embarquei em um ônibus da Brasil Sul, rumo São Paulo. Meu voo para a Europa, mais precisamente para Madri, na Espanha, seria na segunda-feira à noite, dali 48 horas. Queria aproveitar para passear por São Paulo e visitar amigos, por isso estava viajando antes. No início da viagem comecei a sentir dor nas costas e essa dor nos dias seguintes iria atrapalhar muito minha viagem.

Sei me virar bem em São Paulo e não tive dificuldade em pegar o Metrô, fazer conexão e desembarcar na estação Bresser-Mooca. Bem em frente à estação moram meus amigos Arthur e Bianca. Na portaria do prédio onde eles moram liguei para o Arthur e ele logo desceu para me receber. Já no apartamento encontrei a Bianca e depois de deixar minhas coisas em um quarto, ficamos conversando. Eles tinham ficado noivos na noite anterior e eu era o primeiro a saber do noivado. Nem mesmo a família deles sabia da boa nova. Conheci os dois quando namorei uma tia da Bianca e a amizade com eles foi tão forte que sobreviveu e até se fortaleceu após o fim do meu namoro.  Passamos o domingo entre conversas, jogo de UNO, almoço no shopping e passeio pela Avenida Paulista, que atualmente é fechada para veículos aos domingos e os pedestres tomam conta. A noite jantamos pizza, jogamos mais um pouco de UNO e fomos dormir cedo.

Na segunda-feira peguei o Metrô e fui para o centro da cidade. Dei uma volta e peguei o Metrô e depois um trem para Santo André. Até então tinha andado de trem somente uma vez em São Paulo. Eu ia para Santo André encontrar a Andrea, uma carioca que conheci uns meses antes quando ela visitava a família em Fênix, uma cidade perto de Campo Mourão, onde moro. A Andrea mora em São Bernardo do Campo, mas trabalha em Santo André. Almoçamos num clube local, lugar agradável e comida saborosa. E foi ela que pagou o almoço! Depois demos uma volta e conversamos, ela me mostrou o local onde trabalha e em seguida me devolveu na estação de trem de Santo André.

De volta à São Paulo andei mais um pouco pelo centro, comprei uns itens de farmácia para levar na viagem e voltei para o apartamento do Arthur e Bianca. Conversamos, arrumei minhas coisas e acabei deixando com o Arthur alguns itens que eu tinha levado e que já achava dispensáveis para a viagem à Europa. Então o Arthur ficou encarregado de levar tais itens para mim em Campo Mourão na próxima vez que fosse para lá. Me despedi da Bianca e saí com o Arthur, ele ia me acompanhar até o aeroporto de Guarulhos. E melhor ainda, ele se ofereceu para carregar minha pesada mochila, pois percebeu que minha dor nas costas estava ficando séria. Pegamos o Metrô e depois um ônibus que nos levou até o aeroporto de Guarulhos. Eu ainda não tinha estado em Guarulhos após a ampliação realizada no aeroporto para a Copa do Mundo de 2014.

Já no aeroporto fiz o chekin automático em um terminal da Latam e despachei a mochila grande. Eu e Arthur demos uma volta e logo nos sentamos em uma mesa na lanchonete Rei do Mate que fica dentro do aeroporto. Fizemos um lanche leve e ficamos por mais de uma hora conversando. Foi um papo agradável e depois que o Arthur foi embora segui para o embarque onde fiz o processo migratório. Em Guarulhos existe uma Sala Vip da Amex, e como tenho cartão de crédito da Amex, tive acesso a essa Sala Vip. O lugar é grande e agradável com comida e bebida à vontade. Aproveitei para “jantar” e depois fiquei usando o wifi do local até o horário do meu embarque.

Segui para meu portão de embarque e com o meu cartão de crédito Tam Fidelidade, tive direito a embarque prioritário. Minha poltrona era no meio do avião, na janela. Logo me arrependi de ter escolhido janela, pois em voo longo igual eu iria enfrentar ficar na janela é desconfortável, pois fica chato ficar pedindo licença a todo momento para quem está ao lado, principalmente à noite quando estão dormindo. Levou cerca de uma hora para terminar o processo de embarque e iniciarmos a decolagem. Apesar de já ter voado muito na vida, não gosto de voar. E um voo com duração de quase dez horas e que sobrevoa o Oceano Atlântico, para mim não é dos programas mais agradáveis. Mas no momento tinha outra preocupação mais importante. Minha dor nas costas tinha aumentado e já começava a temer que tal dor pudesse comprometer a execução do principal motivo de tal viagem, que era percorrer o Caminho de Santiago de Compostela, de bicicleta.

O avião da Latam (união da Tam e Lan) era novo e muito confortável. O modelo era um Airbus A350-900, com capacidade para transportar 350 pessoas. Olhei em volta e até onde podia enxergar não vi nenhuma poltrona vazia. Ao meu lado estava sentado um casal de espanhóis na faixa dos sessenta anos. Como já é de praxe em voos internacionais, todas as poltronas tinham vídeo individual e nesse avião tinha uma centena de filmes disponíveis para assistir. Para passar tempo comecei a assistir um filme, e no meio do filme serviram o jantar. Após a refeição pedi licença ao casal de espanhóis e fui até o fundo do avião. Peguei um kit de higiene e fui ao banheiro escovar os dentes. Uma das coisas mais claustrofóbicas que conheço é banheiro de avião. Antes de voltar para minha poltrona peguei uma máscara para os olhos.

Consegui ver um segundo filme, até que o sono chegou. Me ajeitei da maneira mais confortável que consegui, coloquei a máscara para dormir e quando estava quase cochilando, a espanhola começou a roncar alto há cerca de dois palmos de meu ouvido direito. Olhei para o lado e vi que ela estava com a cabeça na minha poltrona e mais um pouco ela encostava em meu ombro. Estiquei o pescoço e vi que o espanhol roncava com a cabeça virada para o corredor. Eu não podia fazer nada e fiquei pensando na vida um bom tempo enquanto ouvia os roncos da coroa espanhola. Sei que dormi, só não sei quanto tempo fiquei acordado pensando na vida, sentindo o perfume agradável da espanhola e ouvindo seu ronco. Acordei algum tempo depois com uma enorme vontade de ir ao banheiro, mas minha educação não permitia acordar o casal de espanhóis que bloqueava meu caminho até o corredor que leva aos banheiros. O jeito foi me segurar e tentar voltar a dormir. Milagrosamente a espanhola não estava roncando. Me ajeitei em meu canto para tentar voltar a dormir e antes dei uma olhada no monitor a minha frente e vi no GPS onde estávamos. Naquele instante voávamos em algum lugar sobre o Atlântico, mais próximos da Europa do que do Brasil. Logo eu estaria desembarcando na Europa novamente, quinze anos após a primeira viagem que foi para a Alemanha. Dessa vez eu desembarcaria na Espanha e teria quase três semanas para conhecer além da Espanha, também França e Portugal.

* Você leu um resumo…

A versão completa será publicada em livro a ser lançado em 04/04/2018.

IMG_2926

Jogando UNO com Bianca e Arthur.

IMG_2913

Passeio de domingo na Av Paulista.

IMG_2935

Andrea e Vander, em Santo André.

IMG_2981

Vander e Arthur, no aeroporto de Guarulhos.

Show da Naiara Azevedo

Fui assistir a um show da Naiara Azevedo, mas me arrependi. Primeiro em razão da demora. Já prevendo que o show ia começar atrasado, pois tinha a informação de que ela estava fazendo show em outra cidade, cheguei no local do show a uma da manhã. Tive que ficar vendo uma dupla fraca cantando e depois esperar um longo tempo. O show começou pouco depois das quatro da manhã, sob vaias e com muita gente tendo ido embora.

Eu gosto de sertanejo e fui ao show esperando ver um show sertanejo, pois até onde sei a Naiara Azevedo é uma cantora sertaneja. Mas creio que metade das músicas que ela cantou eram funk ou algo parecido, e eu detesto funk. O show durou uma hora e dez e quando terminou metade do público que estava no local quando eu cheguei, já tinha ido embora.

Esse show foi uma grande decepção, antes tivesse ficado em casa dormindo. O último show em que fui tinha sido há pouco mais de dois meses. Foi um show da Bruna Viola, que durou duas horas e dez e foi muito bom. O show da Bruna Viola deu de dez a zero no show da Naiara Azevedo. Sei que show da Naiara nunca mais eu vou, nem que seja de graça. E vale a pena mencionar que ela é de Farol, uma cidade pequena perto de Campo Mourão, cidade onde moro e onde ela nasceu.

IMG_7947

IMG_8229

 

23215590_10155153195768067_8222555923150452272_o

Paris é uma festa…

Li três livros de Ernest Hemingway em meados dos anos noventa. Gostei muito e o autor passou a figurar entre os meus favoritos. Mas foi nessa mesma época que parei de ler romances e livros de ficção, para ler somente biografias e livros que contassem sobre coisas reais. Como eu não poderia ler todos os livros que queria, passei a ler somente sobre coisas verdadeiras. E com raríssimas exceções foi o que fiz nos últimos vinte anos. E por isso acabei não lendo mais nada escrito por Hemingway.

Mês passado estive viajando pela Europa, conheci Paris e depois passei dois dias na cidade espanhola de Pamplona. E foi aí que redescobri Ernest Hemingway, pois ele é lembrando pelas ruas da cidade onde passou algumas temporadas. Em seu livro Fiesta, Hemingway usa Pamplona e suas touradas como pano de fundo do romance. Andando pelas ruas de Pamplona pude ver muitas homenagens ao escritor. De estátuas, a bares e lojas com o seu nome. E também fui ao Café que ele costumava freqüentar, o hotel onde ele se hospedava.

O romance “Paris é uma festa”, são as alegres memórias de Ernest Hemingway, relatando sua temporada em Paris nos anos 1920, quando era um jovem aspirante a escritor. Esse livro ganhou um sopro de popularidade em novembro de 2015, após os ataques terroristas em Paris que deixaram dezenas de pessoas mortas. De repente muita gente correu as livrarias para comprar Paris é uma festa…  Muitos deixaram um exemplar do livro em frente á casa de espetáculos Bataclan, local da chacina terrorista que deixou 129 mortos e 352 feridos. E durante os eventos posteriores que homenagearam as vitimas, era comum ver pessoas segurando uma cópia do livro nas mãos. Tal livro foi escolhido, pois ele é uma homenagem a cidade de Paris dos anos 1920, quando a cidade era vibrante de cultura.

Paris é uma festa…  é um livro póstumo de Ernest Hemingway. Ele foi lançado em 1964, três anos após a sua morte, a partir de manuscritos do escritor editados por sua viúva, Mary Hemingway. Terminando esse livro, vou ler também Fiesta.

alx_mundo-literatura-franca-20151118-001_copy_original-e1448294928243

106980

Caminhada na Natureza – Engenheiro Beltrão

Hoje foi dia de caminhar na natureza. Após dois anos voltei a participar de uma caminhada em Engenheiro Beltrão. Na verdade a caminhada é na região de Ivailândia, alguns quilômetros após Engenheiro Beltrão. Esse ano mudou um pouco o trajeto e ficou bem mais longo e melhor, passando por muitos trechos em meio á mata e ao lado do rio Ivaí. Foram 15 km de caminhada, boa parte com tempo nublado e depois com um sol escaldante. Estávamos em uma turma bem animada e isso fez a caminhada ser ainda mais prazerosa e divertida. Sei que ri muito!

22310561_663523904035197_3185366445473594315_n

Desistir jamais!

Desistir? Eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério. É que tem mais chão nos meus olhos do que cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.

Cora Coralina

maxresdefault

#partiu férias

Todo os meus destinos irão aceitar aquele que sou eu. Então eu posso respirar. Todos com quem cruzei, pensam de mim e minhas viagens. Mas eu nunca sou o que eles pensaram. Eu tenho as minhas indignações, mas sou puro em todos os meus pensamentos. Eu estou vivo! Vento em meus cabelos, me sinto parte de todos os lugares. Eu conheci todas as regras, mas as regras não me conheceram.

A partir de hoje estou de férias e serão 31 dias livre por aí, conhecendo novos lugares e novas pessoas. Superando limites e aprendendo com o mundo, com as pessoas e comigo mesmo. Muitos não entendem os tipos de viagem que gosto de fazer e até me chamam de louco. Outros entendem e querem fazer algo igual. Mas não ligo para a opinião dos outros! Sou livre, dono do meu nariz e faço do jeito que gosto… 

 

Acqua Trekking II

Hoje foi dia de participar novamente do Acqua Trekking na cidade de Peabiru. O tempo ajudou, foi um dia de sol quente. Quase 50 pessoas participaram, e no final foram quase nove quilômetros de caminhada por terra e por água, passando por seis cachoeiras. E não faltou o batismo com lama, que acontece até mesmo com aqueles que já fizeram outras vezes essa caminhada. Ninguém escapa, é lama na cara mesmo! Dessa vez sofri um pouco com meu tornozelo machucado, que doeu bastante e me fez tomar cuidado redobrado para não torce-lo ao pisar numa das milhares pedras soltas dentro e fora da água.

DSC02068

DSC02247

DSC02285

Concha do Caminho de Santiago

Hoje pela manhã tive uma grata surpresa no trabalho. Recebi a visita da amiga Christiane Knoener. Ela veio me trazer uma concha do Caminho de Santiago de Compostela. Essa concha ela ganhou de uma amiga, antes de percorrer o Caminho de Santiago, ano passado. É um costume que alguém que recebeu a concha, repasse para outra pessoa que vai percorrer o Caminho. A concha não deve ser comprada, mas sim ganha de alguém e depois repassada para outro peregrino. Como vou percorrer o Caminho daqui uns dias, a Chris veio repassar para mim a concha que ganhou. E uma coincidência é que embarco na mesma data que ela embarcou ano passado e início o Caminho também na mesma data que ela iniciou. Espero ter a mesma “sorte” que ela teve no Caminho. Essa história é melhor eu não contar aqui…

Concha de Vieira, é o símbolo mais conhecido do Caminho de Santiago. Os peregrinos que regressavam de Finisterra (local distante 80 quilômetros de Santiago de Compostela, e que é o ponto mais a oeste da Europa e por isso antigamente era considerado o fim do mundo, ou fim da terra), mostravam aos seus familiares e amigos a concha como prova de que fizeram a peregrinação até Santiago de Compostela. Hoje a concha é um símbolo que todos carregam desde o início da caminhada, para indicar que estão fazendo a peregrinação até Santiago de Compostela. Ligado à Deusa Vênus, o símbolo da concha também representa o renascimento de uma pessoa. No caso do Caminho, todas as mudanças que ocorrem com a pessoa durante a jornada.

WhatsApp Image 2017-09-01 at 09.21.25

WhatsApp Image 2017-09-01 at 09.21.26

Caminhada na Natureza – Turvo/Pr

Após o show em Cruzeiro do Oeste, cheguei em casa de madrugada, tomei banho, peguei minhas coisas e meia hora depois passei na casa de uns amigos e sem dormir nadinha segui para a cidade de Turvo. Foram quase 170 km de estrada para participar de mais uma Caminhada Internacional na Natureza. Fazia alguns anos que tinha vontade de caminhar em Turvo, pois sei que a região é bonita e tem muita mata e cachoeiras. E dessa vez deu certo de ir pra lá, mesmo cansado e sem dormir.

A caminhada teve centenas de participantes e foi muito bem organizada. Foram quase 14 km de caminhada, principalmente no meio da mata, onde tinham muitas araucárias, minha árvore favorita. E passamos por cinco cachoeiras, sendo que uma delas tinha 37 metros de queda d’agua. Sofri um pouco, pois manquei boa parte da caminhada por culpa de um problema antigo no tornozelo e que só vem piorando. E fez bastante calor para um domingo de inverno, mas ao menos caminhar na sombra da mata amenizou um pouco  o calor. Quase no final da caminhada eu estava bem exausto e passamos num local com casas de madeira em estilo europeu, onde moram algumas famílias com origem holandesa. Na frente de uma das casas estavam servindo aos caminhantes limonada e sopa. Provei a sopa que estava deliciosa e até repeti. Daí tive novo animo e forças para seguir até o final. Não sei o que tinha naquela sopa que me deu tanto energia. De repente é melhor nem saber!

De tanto que gostei da caminhada em Turvo, pretendo voltar outras vezes. O mais difícil foi a volta para casa, pois estávamos todos muito cansados. Para ficar acordado e não correr o risco de dormir ao volante, consegui um lugar para tomar banho e ingeri uma lata de energético com Coca-Cola. E boa parte do caminho de volta para casa viemos cantando no carro e rindo muito, o que ajudou a me manter acordado.

DSC01937

IMG_2433

DSC01949

Show da Bruna Viola

Gosto de música sertaneja e atualmente uma de minhas preferências são as músicas da Bruna Viola. Ela é uma cuiabana que toca muito bem viola, e que nos últimos dois anos tem feito bastante sucesso. Fazia algum tempo que eu queria ver um show dela, mas ela não vinha para o Paraná. E finalmente esse mês ela veio duas vezes fazer show no Paraná e um dos shows foi em Cruzeiro do Oeste, cidade distante 70 km de onde moro.

E parti com três amigos rumo à Cruzeiro do Oeste. A viagem era curta e foi divertida, pois rimos muito e cantamos bastante. E fomos presenteados com uma linda lua vermelha no céu, um fenômeno raro. O local do show estava lotado e tive que estacionar bem distante. O show foi muito bom e durou pouco mais de duas horas. Show bem produzido, animado, onde Bruna Viola cantou muitas de suas músicas e também muitos sucessos sertanejos. E gostei quando ela cantou o rock “Ana Julia”, tocando viola… E depois dos show tivemos acesso ao camarim e pudemos tirar fotos com a Bruna. Tietagem total!

21077458_10154978354833067_3016654260897446794_n

21167483_10154978355033067_2569608176491394275_o

21122508_10154978356423067_5810551716836180409_o

20986728_335708713550441_8739573004939296768_n

40 anos da morte de Elvis Presley

Hoje está fazendo quarenta anos da morte de Elvis Presley. Ele era meu grande ídolo na infância e fiquei muito triste quando acordei numa manhã nublada quarenta anos atrás e uma prima veio me contar que Elvis tinha morrido.

Naquela época não existia videocassete, DVD, Tv a cabo, internet ou Netiflix, então conseguir ver um filme do Elvis era muito difícil, pois raramente passava na TV. Então quando passava algum filme eu ficava na maior expectativa esperando. E nos filmes ele sempre era o mocinho, era bom de briga e ficava com a moça mais bonita.

Quarenta anos depois já não sou mais aquele garotinho inocente do passado, mas ainda gosto de muitas músicas do Elvis. Já os filmes não tem tanta graça, hoje me parecem bobinhos demais. Mas marcaram um fase inesquecível de minha vida.

elvis-presley

elvis-cercueil

smiley-face-elvis-presley-smile-haircut-eyes-988181-1-1024x768

18797679.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

fe0f4db732bf54e734a725e4591061eb

Os Poemas

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.

Quando fechas o livro, eles alçam voo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem. E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…

(Mario Quintana)

B

Mario Quintana

Acqua Trekking

Hoje foi dia de Acqua Trekking na cidade de Peabiru. Ou seja, dia de caminhada onde a maior parte do percurso é feito dentro da água. E foi uma caminhada muito legal, andando no meio da mata, por trilhas molhadas, atravessando o rio várias vezes, caminhando por dentro do rio, atravessando pinguela e visitando seis cachoeiras. Mesmo sendo um dia quente de inverno, a água estava bem gelada, mas isso não atrapalhou nem um pouco a aventura. Ao todo foram nove quilômetros de caminhada, e teve direito a batismo com lama…

DSC01577

DSC01598

00

Aniversário de 9 anos do blog

Hoje o blog está completando nove anos no ar. Olhando em retrospectiva, muitas histórias, muitas viagens, muitas fotos e muitas bobagens foram postadas aqui. Foram muitos momentos bons e alguns ruins divididos com os leitores do blog, sejam os leitores permanentes ou os eventuais. E o hobby que começou sem grandes pretensões vai se mantendo e espero que tenha vida longa…

Birthday cake with burning candle number 9

Hollywood

O letreiro de Hollywood há décadas desperta curiosidade de quem passeia por Los Angeles ou simplesmente o vê na TV, em filmes ou séries. A atração turística fica no parque Griffith, em uma cordilheira de quase 570 metros que separa o distrito de Hollywood e parte de Los Angeles do vale de San Fernando.  A área da colina tem um terreno áspero e íngreme e, desde 2000, foi cercada pela polícia de Los Angeles, que instalou um sistema de última geração para coibir invasões e visitas sem autorização.

Inaugurado em 1923, o letreiro não foi feito para anunciar filmes e astros do cinema, mas para fazer os americanos comprarem imóveis. A peça foi criada pelo banqueiro canadense Hobart J. Whitley, conhecido como “pai de Hollywood” e fundador de dezenas de cidades americanas. Sua ideia era um divulgar um loteamento residencial próximo ao local. O nome do empreendimento: “Hollywoodland”. Era escrito assim o letreiro original. Quem assina o design é o inglês Thomas Fisk Goff, que foi contratado para construí-lo. Whitley já havia tido a ideia de usar um amplo letreiro para promover um empreendimento entre a avenida Highland e a rua Vine em Hollywood. Mas, pelo menos no Texas, há quem diga que a inspiração veio de lá, mais precisamente da minúscula Mineral Wells, onde viviam menos de 8.000 pessoas. Segundo esta versão, o cineasta David Griffith teria visitado o local no início dos anos 1920 e se encantado com o enorme letreiro que saudava os visitantes com a palavra “Welcome” (“bem-vindo”). De volta a Los Angeles, teria feito a sugestão a parceiros de negócio envolvidos no projeto de Whitley.

O “outdoor” deveria ter ficado lá por apenas 18 meses. Era um “brinquedo” caro, de dispendiosa manutenção. Custou US$ 21 mil (equivalente a atuais US$ 300 mil). Sua versão original era luminosa e um pouco maior, com letras de 9,1 metros de largura e 14 metros de altura. Com a Crise de 1929 e as dificuldades impostas pela Segunda Guerra Mundial, o empreendimento perdeu a iluminação e declarou falência na década de 1940, quando se tornou propriedade municipal. Em princípio, ele seria demolido, mas moradores protestaram. Ele viria a ser reformado pela primeira vez apenas em 1949, em parceria com a Câmara do Comércio. Foi aí que ganhou o atual formato de “Hollywood”.

Com o tempo o letreiro com suas placas metálicas e estrutura de madeira, foi se deteriorando. Na década de 1970, o primeiro “O” quebrou e o terceiro despencou, criando um bizarro sinal de “HuLLYWO D”. Em 1978, o letreiro voltou à vida graças ao apoio de celebridades como Hugh Hefner, dono da Playboy, que organizou um leilão em que a reforma de cada letra foi posta à venda. Bem-sucedida, a campanha resultou em ampla reforma e na declaração de monumento cultural e histórico.

Fonte: Uol

The Hollywood sign | A Los Angeles icon

letreiro-original-de-hollywood-1501534835339_v2_750x421

letreiro-de-hollywood-nos-anos-1970-1501535643843_v2_750x421

hollywoodland630

nBWgoP6

VCW_D_Hollywood_T1_aepg_5120605416_7a5b3fc328_o_1280x642

De volta ao Lago Azul

Aproveitando que o frio deu um tempo, fui com alguns amigos visitar novamente o Parque Estadual Lago Azul. Percorremos a Trilha Aventura, que dessa vez não estava tão difícil em razão da água estar baixa, por culpa da falta de chuva. Foi uma caminhada agradável e de negativo somente eu ter torcido o pé após pisar numa pedra solta, e a noite tive que ir ao hospital por culpa desse incidente. Resultado, muita dor e alguns dias de atestado evitando colocar o pé no chão.

DSC01318

ZZZ

The 100

Gosto muito de séries de TV, e fico atento as novas séries lançadas e converso com amigos que acabam dando sugestão do que viram e gostaram. E foi através da sugestão de um conhecido que conheci The 100. Quando ele falou sobre a série, de cara achei que não ia gostar, pois não curto ficção cientifica. Mas ele insistiu e resolvi assistir aos dois primeiros episódios. Foi o suficiente para gostar e já estou terminando de assistir a terceira temporada e esperando o anúncio de quando começa a quarta temporada.

Baseada no livro homônimo “The 100” (2013), a primeira temporada teve 13 episódios e estreou em março de 2014. A série se passa 97 anos após uma guerra nuclear devastadora que dizimou quase toda a vida na Terra. Os sobreviventes conhecidos são os moradores de doze estações espaciais em órbita da Terra, que já viviam nesta antes do fim da guerra. As estações espaciais se uniram para formar uma única estação, chamada “Arca”, onde cerca de 2.400 pessoas vivem sob a liderança do Chanceler Jaha. Os recursos são escassos e todos os crimes, não importando sua natureza ou gravidade, são puníveis com a morte por ejeção ao vácuo (“flutuante”), a menos que o autor do crime seja menor de 18 anos. Depois dos sistemas de suporte de vida da Arca serem encontrados falhando criticamente, 100 prisioneiros juvenis são declarados “dispensáveis” e enviados para a superfície em uma última tentativa de determinar se a Terra é habitável novamente em um programa chamado “Os 100”, do qual a série recebe o nome. Confrontando os perigos deste mundo novo acidentado, eles lutam para formar uma comunidade experimental. No entanto, eles descobrem que nem toda a humanidade foi exterminada. Os 100 jovens enviados encontram vários sobreviventes da guerra nuclear. Os primeiros sobreviventes encontrados, vivem em uma forma de sociedade tribal e guerreira, e dispostos a defenderem seu território se tornam hostis. Enquanto isso, a “Arca” tenta monitorar os sinais vitais dos 100 enviados para descobrir se a terra é habitável, mas passa uma crise política interna, que se agrava conforme seus recursos de sobrevivência se tornam escassos. A descoberta se a terra é habitável e uma possível evacuação torna-se uma corrida contra o tempo, assim como a luta por sobrevivência dos 100, já em guerra com os “Terra-Firmes”.

The-100-poster

hu214b0062bjpg-318b18_1280w

Thoreau

Thoreau nasceu na cidade de Concord – USA,  em 1817. Descendente de hunguenotes franceses, o menino Thoreau aprendeu a amar a natureza quando levava as vacas da família da mãe para pastar. Em 1837, formou-se em literatura clássica e línguas. Fundou junto com o irmão uma escola, em 1838. Fazia esporádicos trabalhos como agrimensor e como ensaísta, acreditando sempre que o homem devia ganhar somente o necessário para sobreviver. Apenas foi trabalhar na fábrica de lápis da família quando precisou ajudar a mãe e as irmãs, quando da morte do pai.

Thoreau mantinha-se eternamente insatisfeito com a vida na sociedade e com o modo como as pessoas viviam.  Em 1845, com 27 anos, Thoreau foi morar no meio da floresta, em um terreno que pertencia a Ralph Waldo Emerson. Às margens do lago Walden construiu sua casinha e um porão para armazenar comida. Apesar de inexperiente como agricultor, tentou a auto-suficiência e, a longo prazo, teve algum sucesso, plantando batatas e produzindo o próprio pão. Segundo suas próprias palavras, ele foi morar na floresta porque queria “viver deliberadamente”. Queria se “defrontar apenas com os fatos essenciais da existência, em vez de descobrir, à hora da morte, que não tinha vivido”. Em seu período na floresta, ele queria “expulsar o que não fosse vida”. Baseado no relato e em todo o pensamento filosófico empreendido nos dois anos em que morou na floresta, Thoreau escreveu “Walden”, uma obra que se tornaria um referencial para a Ecologia e um de seus livros mais famosos. Além de descrever sua estadia na floresta, “Walden” analisa e condena a sociedade capitalista da época. E, convida a uma reflexão sobre um modo de vida simples, propondo novos olhares sobre o conceito de liberdade.

Insubmisso, Thoreau decide não pagar impostos porque acreditava ser errado dar dinheiro aos EUA, um país escravagista e em guerra contra o México. Não querendo financiar nem a escravidão nem a guerra, Thoreau foi preso enquanto se dirigia ao sapateiro local, foi abordado e preso e após solto retornou a sua vida a partir do ponto em que a interrompeu, lá regressando para ir buscar os sapatos que mandara arranjar. Inspirado pela noite na prisão, Thoreau escreveu o famoso “A Desobediência Civil”. Leon Tolstói, um dos mais famosos escritores do mundo venerava este ensaio e o recomendou, por carta, a um jovem indiano preso na África do Sul. Este jovem indiano era Mahatma Gandhi.

Thoreau, que havia saído das florestas a pedido do proprietário do lugar, passou o resto de sua vida empreendendo grandes passeios às florestas e aos campos e também escrevendo muito. Ele acabaria morrendo em 1862 de tuberculose. Encontra-se sepultado no Sleepy Hollow Cemetery, na cidade de Concord.  A casa que construiu no lago Walden, hoje é um museu que possui uma estátua sua na entrada. A floresta em volta do lago virou área protegida. É considerado um dos grandes escritores norte-americanos.

Benjamin_D._Maxham_-_Henry_David_Thoreau_-_Restored

 

ls-frisomarzo2014-thoreau

Orange is the New Black

Após indicação de amigos, comecei a assistir Orange is the New Black. Estou adorando a série, que tem seis temporadas e 65 episódios. Estou terminando de ver a segunda temporada e quanto mais assisto mais gosto da série, que tem o selo Netflix e é muito bem feita. Vale a pena assistir, principalmente por ser baseada numa história real.

Orange is the New Black baseia-se na história real de Piper Chapman, uma mulher cuja vida aparentemente perfeita é virada de cabeça para baixo, quando deve cumprir pena em um presídio feminino por crime de tráfico de drogas. O delito ocorreu dez anos antes do início da série e, no decorrer desse período, Piper seguiu sua vida tranquila entre a classe média-alta de Nova York. Já no alto dos seus trinta e poucos anos, desfruta de uma felicidade sem tamanho ao lado do seu noivo, deixando seu passado sombrio de lado, até ele resolver voltar para assombrá-la. Para pagar por seus crimes, Piper resolve se entregar e troca uma vida confortável pela prisão. Tragada por um universo completamente distinto do seu, acaba encontrando tensão e companheirismo num grupo de detentas desbocadas, em um local em que é impossível fugir, até de si mesma.

orange-is-the-new-black-poster

Orange-is-the-new-black-1