Uma Caminhada na Floresta

Segue a dica de um livro para aqueles que iguais a mim, adoram caminhar pelo mato e até riem das dificuldades que muitas vezes tais caminhadas provocam. Descobri esse livro há uns cinco anos e já fiz uma releitura há dois anos (sempre releio livros de que gosto muito) e já estou programando nova releitura para o próximo ano. Tem umas passagens muito engraçadas no livro, que conta uma história real. E diferente das caminhadas no Brasil, onde a maior preocupação do caminhante é encontrar alguma cobra pelo caminho, no livro o maior receio dos personagens era encontrar algum urso. Fiz uma caminhada no Canadá em 2011 e no início da trilha existia uma placa informando sobre a possibilidade e o perigo de encontrar algum urso pelo caminho. Aquilo me deixou apavorado e passei todo o tempo da caminhada atento aos ruídos da mata. Aquela foi a caminhada mais tensa que fiz na vida! Abaixo segue a sinopse do livro.

UMA CAMINHADA NA FLORESTA – Redescobrindo os Estados Unidos pela trilha dos Apalaches (Bill Bryson)

Há muitos livros sobre exploradores destemidos que escalam montanhas, atravessam oceanos, enfrentam intempéries, sofrem experiências traumáticas e até morrem. Gente cujo sonho é superar limites, quebrar recordes. Mas em Uma Caminhada na Floresta há um outro tipo de herói: gente comum que se esfalfa para subir um morro, fica histérica diante de um bicho e se perde no meio do mato. Gente cujo sonho maior é um chuveiro quente e uma cama macia. Bill Bryson, escritor profissional que ostenta uma barriga protuberante, possui alguma experiência com caminhadas, mas apenas em roteiros amenos por territórios europeus civilizados. Seu companheiro, Stephen Katz, é um ex-alcoólatra imensamente gordo, viciado em toda espécie de doce, hambúrguer e refrigerante; tem como objetivo na vida sentar-se na frente da TV e assistir a Arquivo X.

Por que dois tipos assim, não exatamente atléticos, decidem fazer uma caminhada de três mil quilômetros durante vários meses pelo meio do mato? Juntos eles percorreram o mais longo caminho do mundo para excursões a pé: a Trilha dos Apalaches, que se estende por montanhas e florestas ao longo da Costa Leste dos Estados Unidos, desde a Geórgia até o Maine.  Com um texto irreverente, Bryson conta casos inacreditáveis de destruição ecológica, descreve os estragos causados pelo turismo e distribui críticas impiedosamente (a si mesmo e a seu companheiro, inclusive). Um livro para quem admira a natureza selvagem, mas ao mesmo tempo adora os prazeres da civilização.

Esse livro está fora de catálogo e é difícil de encontrar em livrarias. Então caso alguém fique interessado em adquirir o livro, procure na Estante Virtual (www.estantevirtual.com.br) pois lá tem vários exemplares usados á venda, com preço mais em conta que variam de R$ 15,00 a R$ 35,00.

E acabo de descobrir que esse livro vai ser adaptado para o cinema e as gravações iniciam nas próximas semanas, com Robert Redford no papel principal. Não vejo a hora do filme estrear no cinema, mas isso ainda vai demorar um ou dois anos para acontecer. Então enquanto espero vou aproveitar para fazer muitas “caminhadas na floresta”!

Uma caminhada na floresta.

Uma caminhada na floresta.

Vídeo sobre Huayna Potosi

“Sobreviver às adversidades da montanha requer respeito, equilíbrio e confiança.”  (Waldemar.Niclevicz)

O vídeo abaixo foi feito pelo Samuel Oscar e mostra um pouco dos três dias de expedição para atingir os 6.088 metros da montanha de Huayna Potosi, na Bolívia. Subi essa mesma montanha em junho de 2012 e através do vídeo que o Samuel fez, pude relembrar alguns dos momentos inesquecíveis e das dificuldades de tal escalada, bem como rever as belas paisagens que se avista do alto da montanha.

Sabores do passado

Alguns produtos nos acompanham por toda vida e seu sabor nunca muda. Outros produtos sofrem alguma alteração, ou a clássica “nova fórmula” e tem seu sabor alterado, geralmente para pior. E existem produtos que por variadas razões, simplesmente deixam de ser fabricados. Não vou conseguir me lembrar de todos os produtos de que gostava e que não existem mais, bem como dos produtos que tiveram seu sabor alterado. Mas de alguns lembro muito bem e sinto saudades.

Produtos que não existem mais: chocolate branco Galak com frutas cristalizadas, chocolate branco Galak com flocos de arroz, guaraná Taí, suco de laranja em caixa Parmalat, refrigerante Minuano Limão, chiclete Ping Pong sabor caramelo, chocolate Kri, caramelos Nestlé, chocolate Croquete, drops Dulcora, cigarrinhos de chocolate ao leite Pan, balas Kleps, pirulito do Zorro.

Produtos que tiveram o sabor alterado (nova fórmula): chocolate Confeti, chocolate Sem Parar.

cigarrinho-de-chocolate-pan-1349796383677_956x500

Cigarrinhos Pan.

Balas Kleps

Balas Kleps

lote-5-garrafas-minuano-limo-tai-litro_MLB-F-3418358582_112012

Minuano Limão e Guaraná Taí.

images

Galak frutas cristalizadas.

images (1)

Caramelo Nestlé.

images (3)

Pirulito Zorro.

images (4)

Croquete Nestlé.

images (5)

Drops Dulcora.

kri1

Chocolate Kri.

Aniversário de cinco anos do blog

Cinco anos!! Pois é, o Blog está completando cinco anos de existência no dia de hoje! Ele começou meio que por brincadeira e sem grandes pretensões. Na verdade ele começou sem pretensão alguma. Ele foi criado como um passatempo, onde a pessoa que o criou queria escrever, aperfeiçoar sua forma de escrever, divulgar suas ideias, compartilhar suas fotos e contar histórias, principalmente de suas viagens. Mas com o tempo o blog foi criando forma e crescendo. Dos noventa e quatro acessos no primeiro mês de vida, após um tempo chegou a ter treze mil acessos mensais. Já foi acessado em mais de cem países e teve fotos e textos republicados em blogues de várias partes do mundo, bem como citações em jornais, revistas e vários sites.

Nestes cinco anos de existência o blog teve fases de ostracismo e de evidencia. Teve momentos em que ele serviu como ferramenta para desabafos e também como forma de terapia. Foi muito consultado por estudantes e por pessoas que estavam planejando viagens. Também serviu como ajuda para deprimidos e acreditem ou não salvou uma vida (não a minha!). Ele ficou pouco mais de um mês fora do ar em 2010 e por diversas vezes quase foi excluído. Mas sobreviveu e foi tomando forma, ganhando identidade e personalidade própria.  Hoje tem leitores fieis em várias partes do mundo, pessoas que criaram o habito de visitá-lo diariamente. Suas postagens mensais atualmente são poucas e pontuais. Por culpa disso, suas visualizações mensais diminuíram um pouco. Mas isso não é problema, pois o que importa é a qualidade de suas postagens e de seu publico e não a quantidade.

Mas o principal de tudo é que nestes cinco anos o blog serviu como ferramenta para criar amizades. Se ele vai existir por mais um mês ou um ano, sinceramente não sei dizer!

5