Viagem ao Peru e Bolívia (22° Dia)

05/06/2012 

Acordei com o barulho de música vindo do corredor. Olhei no relógio e vi que passava um pouco das 9h00min. Eu tinha dormido bem e me recuperado do esforço dos últimos dias. Ao sair no corredor vi que a música alta vinha de um rádio na recepção, onde uma boliviana passava pano no chão. Fui para o banho e ao ligar o chuveiro começou a tocar Gusttavo Lima no rádio. Daí dancei o tche tcherere tche tchê debaixo do chuveiro. Eu estava com muito bom humor, me sentido feliz.

Eu pretendia ir para o interior da Bolívia, para a região do Salar de Yuni, mas desisti. Já estava fora fazia muitos dias e precisava voltar ao Brasil, bem como estava ficando sem dinheiro. Então resolvi deixar para conhecer o Salar de Yuni e em outra oportunidade. Arrumei minhas mochilas e decidi ir embora, voltar ao Brasil. Pouco antes do meio-dia fui até a recepção, paguei minha conta e deixei duas mochilas guardadas no depósito do hostal. Votaria para buscá-las à noite. Saí á rua e de cara ouvi Ai se eu te pego, que estava tocando na TV em uma loja. O Gusttavo Lima e o Michel Telo definitivamente são um grande sucesso na Bolívia. Fui até a rodoviária, onde troquei meus últimos dólares por bolivianos e em seguida fui visitar algumas empresas de ônibus. Eu queria passagem para Santa Cruz de La Sierra, pois de lá pretendia seguir no Trem da Morte até a fronteira com o Brasil. O preço não mudava muito entre às muitas empresas de ônibus, então me foquei no horário. Buscava um ônibus que partisse a noite, pois dessa forma eu poderia ficar passeando por La Paz durante a tarde. Acabei escolhendo uma empresa chamada Bolívia, mas após dez minutos parado em frente ao guichê olhando o vendedor conversar com a moça do guichê ao lado, desisti de comprar a passagem ali. O vendedor pelo jeito não estava a fim de vender nada. E de sacanagem fui ao guiché da agencia em frente e comprei a passagem lá. O nome da empresa onde comprei a passagem era El Dorado. Paguei $ 60,00 bolivianos e seria um ônibus semi leito. Ao passar em frente ao guichê da empresa Bolívia, dei um sorriso para o cara que não me atendeu e ainda levantei a mão mostrei a passagem da outra empresa. Acho que o otário do vendedor entendeu o meu “recado”!

Meu ônibus ia sair às 19h30min, então eu teria algumas horas para passear e fazer algumas compras. Fui em direção ao centro e parei numa lan house usar a internet. Depois passei na vendedora de abacaxis e comi três fatias. Só não comi mais por que saíram algumas afitas em minha boca, por culpa do abacaxi. Desci pela avenida principal e depois fui em direção ao centro. Cheguei à Praça Murillo, que fica em frente ao Palácio do Governo. Ao lado ficava a Catedral, que estava fechada. Tirei algumas fotos e fui andar mais um pouco pelo centro. Eu estava com pouco dinheiro, então teria que economizar o máximo possível até chegar ao Brasil. No centro vi muitos bancos e resolvi entrar em alguns deles para tentar sacar dinheiro com meu cartão de crédito. No segundo banco consegui sacar bolivianos utilizando o cartão de crédito e isso me deixou aliviado, pois não precisaria mais ficar contando os trocados. Para comemorar resolvi ir almoçar em um restaurante chique que tinha visto no centro. No restaurante olhei o cardápio e só tinham comidas típicas. Não queria ter surpresas desagradáveis, então não pedi nenhum dos pratos. Resolvi almoçar uma banana split gigante e uma fatia de torta de morango. Esse almoço alternativo foi uma delícia e paguei por ele $ 40,00 bolivianos, que foi o maior gasto que tive com comida durante todo o tempo em que fiquei na Bolívia.

Fiquei o resto da tarde passeando pelo centro da cidade e tirando fotos. Também comprei alguns presentinhos para o pessoal de casa. Não podia comprar muita coisa, por que minhas mochilas estavam cheias e pesadas e não queria deixá-las ainda mais pesadas. Algo que me chamou a atenção foram os engraxates que trabalhavam no centro, todos mascarados. Todos os engraxates usavam um capuz cobrindo o rosto. Sinceramente não entendi o motivo disso e fiquei com vergonha de ir perguntar a um deles o porquê dos rostos escondidos. Passei pela Calle de las Brujas, um local onde existem muitas coisas para vender, muitas barraquinhas e algumas delas são de produtos para magia. E a coisa mais curiosa que vi a venda foram fetos de lhama ressecados. Parece-me que estes fetos são utilizados em oferendas para a deusa Pachamama.

Quando anoiteceu jantei frango com arroz e batata frita, no restaurante onde tinha ido muitos vezes antes. Após jantar fui até o hostal pegar minhas mochilas. Resolvi ir a pé até a rodoviária e não sei como errei o caminho. Tive que andar um monte a mais até encontrar o caminho correto e cheguei na rodoviária quase em cima do horário de partida do meu ônibus. Fui embarcar e dessa vez lembrei de comprar o tal tíquete da taxa de embarque. Quando fui entrar no portão de embarque não tinha ninguém controlando o portão. Algumas pessoas estavam esperando, mas eu entrei direto, pois estava atrasado. Achei meu ônibus e ao lado dele estava estacionado o ônibus da outra empresa, cujo vendedor de passagens não quis me atender. Fiquei grato a ele, pois o ônibus era muito velho e ruim. O ônibus da El Dorado, empresa pela qual eu viajaria era bem melhor. Fiquei esperando para guardar a mochila grande no bagageiro, mas ninguém da empresa apareceu. Aí descobri que tinha que entrar no guiché da empresa, para primeiro pesar a bagagem e em seguida um funcionário colocava uma etiqueta nela e levava até o bagageiro do ônibus. O sistema era improdutivo, principalmente em razão de o guiché ser pequeno. Estava um caos, pessoas querendo entrar para pesar suas malas, outras querendo sair com suas malas já pesadas. Após uma longa espera consegui entrar e minha mochila foi pesada e etiquetada. Quando fui sair do guiché entraram dois bolivianos e um deles ao passar por mim cutucou com o dedo a bandeira dos Estados Unidos pregada na manga de minha camisa e falou algo para outro o cara que estava com ele. Não entendi o que ele falou, mas deve ter sido algo ruim, pois todos que estavam no guichê silenciaram e ficaram me olhando. Como não gostei da atitude do tal cara parei, me virei em direção a ele e perguntei com cara de bravo falando em espanhol “qual era o problema?” (¿cuál fue el problema). O cara fez cara de espanto e não falou nada. Ele deve ter achado que eu tinha entendido o que ele falou e viu que eu não era norte americano. Saí do guiché e fiquei olhando o funcionário da empresa de ônibus, que ia levar minha mochila até o ônibus. Quando ele passou por mim fui atrás dele e fiquei olhando onde ele ia guardar a mochila. Ele viu que eu estava olhando e balançou a mochila três vezes e a jogou dentro do bagageiro. Quando ele passou por mim dei um sorriso e disse a ele “bom trabalho” em espanhol, e o xinguei um monte em pensamento.

Partimos com meia hora de atraso e antes de sairmos da rodoviária o ônibus parou e um dos caras que controla os portões de embarque entrou no ônibus. Ele veio direto ao meu banco e pediu o tíquete da taxa de embarque, com um sorriso irônico no rosto. Acho que alguém tinha me dedurado, contando que entrei direto pelo portão. Fiz um charminho e lentamente procurei minha mochila pequena que estava debaixo do banco, abri-a lentamente, procurei minha carteira, abri a carteira, peguei o tíquete da taxa de embarque e entreguei a ele, devolvendo o sorriso irônico. Ele fechou a cara, me devolveu o tíquete e desceu do ônibus. O ônibus voltou a andar e para minha sorte não tinha ninguém sentado ao meu lado. Eu era o único estrangeiro no ônibus. Na minha frente ia um casal, com uma criança de colo e na poltrona do outro lado do corredor um boliviano, muito bem vestido.

Após meia hora paramos ao lado na estrada, num local cheio de barraquinhas que vendiam dezenas de produtos. Ali embarcaram mais pessoas, mas ninguém sentou ao meu lado. Alguns passageiros desceram, compraram comida e voltaram para o ônibus. Ficamos meia hora parados e voltamos para a estrada. O ônibus passou a andar mais rápido e começou a entrar um vento muito frio por frestas das janelas. Eu estava com meu saco de dormir ao lado e logo entrei nele e fiquei quentinho. A criança do banco da frente começou a chorar e achei melhor ouvir música. O cara bem vestido da poltrona ao lado tinha comprado um monte de comida e após comer jogou todo o lixo no chão, até ossos de frango. Fiquei olhando pela janela enquanto ouvia música e logo peguei no sono.

Acordei com um cara me cutucando. Tinham embarcado mais passageiros e um deles iria sentado ao meu lado. Tirei a mochila que estava na poltrona ao lado e o cara sentou. Dei uma rápida olhada e vi que ele estava sujo, muito sujo. Voltei a dormir e acordei novamente quando o ônibus parou num restaurante ao lado da estrada. Para sair de minha poltrona tive que fazer malabarismo e pular por cima do cara sentado ao meu lado. Desci do ônibus e descobri que fazia muito frio. Vi um banheiro e fui em direção a ele. Quando fui entrar tomei o maior susto quando uma moça saiu debaixo de uma lona que estava na porta do banheiro e disse que era $ 1,00 sole. Paguei e fui usar o banheiro. Nunca vi um banheiro tão sujo e tão detonado. Eu devia ter ido usar o matinho ao lado do banheiro, igual muitos passageiros fizeram, pois o matinho era mais limpo e de graça. Estiquei um pouco as pernas e voltei para o ônibus. Dessa vez o cara que ia sentado ao meu lado estava acordado e se levantou para eu me sentar. Olhei que o cara bem vestido e porquinho da outra poltrona, ele estava jantando novamente. E depois ele jogou o lixo no chão, igual tinha feito antes. Ajeitei-me no meu canto, voltei ouvir música e logo dormi.

Acordei com a claridade que vinha do lado de fora. Vi que tínhamos parado em um posto policial. Olhei no relógio e eram 3h20min. Dois policiais entraram no ônibus e foram passando por todas as poltronas olhando os passageiros que dormiam. Eu tinha certeza de que eles iam implicar comigo. Então fiz de conta que dormia. Logo senti alguém me cutucando no ombro e abri os olhos lentamente e virei para o lado em que me cutucavam. O cara que estava sentado ao meu lado acho que tinha desembarcado e um dos policias estava sentado na poltrona ao meu lado e outro policial com uma metralhadora nas mãos estava em pé ao lado dele. Tirei o saco de dormir que me cobria e ele viu a bandeira norte americana no ombro de minha camisa. Em inglês ele pediu meu passaporte. Lentamente procurei minha mochila debaixo do banco e de dentro dela tirei meu passaporte. Então ele folheou o passaporte e perguntou em espanhol se eu era brasileiro. Respondi em português que era brasileiro e ele perguntou sobre minha bagagem. Falei que tinha a pequena mochila no chão sob o banco, uma mochila no bagageiro acima de minha cabeça e outra no bagageiro do ônibus. Ele olhou e apalpou a mochila que estava no bagageiro acima de minha cabeça. Em seguida disse para eu descer junto com ele. Fora do ônibus fazia muito frio e me arrependi por não ter colocado um casaco antes de descer. O policial me pediu para mostrar qual era minha mochila e depois de olhar em dois bagageiros, vi a mochila e mostrei a ele. Ele chamou o motorista do ônibus e disse para ele pegar a mochila. O motorista entregou a mochila nas mãos do policial, que ao pegá-la disse que estava muito leve. Respondi a ele que nela só tinham roupas sujas. A mochila estava com uma capa de proteção em volta e eu tinha enrolado ela com fita adesiva. Ele colocou a mochila sobre um banco e eu comecei a tirar as fitas. Ele disse que não precisava tirar e então começou a apalpar os lados da mochila. Em seguida pegou a mochila e entregou-a ao motorista e disse para ele guardá-la. Então se virou para mim e disse para eu subir no ônibus para me aquecer e voltar a dormir. Por último tirou meu passaporte que estava em seu bolso e me devolveu. Chegaram mais alguns policiais armados e um deles parou na minha frente e me perguntou se estava tudo bem. Respondi que sim e ele me mandou subir no ônibus para me aquecer. Quando entrei no ônibus todos os passageiros estavam acordados e conforme eu ia passando entre as poltronas todos me acompanhavam com os olhos. Fiz cara de mau e segui até meu lugar, me segurando para não rir. Achei estranha a forma de revista que o policial fez. Creio que trabalham mais no psicológico das pessoas e como me mostrei calmo todo o tempo e pela forma que eu agi, eles viram que eu não levava nada proibido. É a velha história do quem não deve não teve e não demonstra que deve. Logo peguei no sono e não vi mais nada

Entrada do Hostal El Solário.

Plaza Murillo.

Catedral de La Paz.

Em frente ao Palácio de Governo.

Avenida no centro de La Paz.

Uma das milhares de vans que circulam por La Paz.

Parte do centro de La Paz.

Os engraxates “mascarados” de La Paz.

Fetos ressecados de lhamas, à venda na Calle de Las Brujas.

Arroz, frango e batata frita.

No ônibus, saindo de La Paz.

O velho ônibus da empresa El Dorado.

Parada para lanche.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s