Show do Nenhum de Nós

Na última sexta-feira fui a um show da banda NENHUM DE NÓS que aconteceu na Unique em Campo Mourão. Essa é uma das poucas bandas de rock que gosto e de que conheço muitas músicas. O show foi muito bom, mas infelizmente começou com mais de duas horas de atraso e eu não me aguentava mais de sono, por pouco não fui embora antes do show iniciar. Quando entrou no palco a banda deu um “show”, mesclando músicas novas com algumas antigas e consagradas. E no final do show cantaram seu maior sucesso, “Astronauta de Mármore”.

Show do “Nenhum de Nós”. (27/07/2012)

Show do “Nenhum de Nós”. (27/07/2012)

Show do “Nenhum de Nós”. (27/07/2012)

Show do “Nenhum de Nós”. (27/07/2012)

Vander, Sara e Alemão.

VÍDEO

No Rio Grande do Sul

Essa semana estive no interior do Rio Grande do Sul e me encontrei com a Laura, minha amiga portuguesa/canadense. Ela está passeando pelo Brasil e foi à Ijuí visitar a família do Gilberto, que teve que cancelar sua vinda ao Brasil na última hora por razões de trabalho. Foi muito bom reencontrar a Laura e pudemos conversar bastante. Fomos jantar no melhor restaurante da cidade e ela pagou a conta. No dia seguinte retribuí e paguei o café da manhã. Na verdade o café da manhã foi um copo de café daqueles de máquina, em um posto de gasolina. Mas o que vale é a intenção!!! Kkkk…

Espero rever a Laura daqui uns dois ou três anos, quando pretendo fazer uma nova visita ao Canadá. E espero rever o Gilberto ainda esse ano, quando ele vier ao Brasil!

Reencontrando minha amiga Laura.

Jantar em Ijuí.

Laura e seu café da manhã.

De volta para o futuro

No último dia 3 de julho fez 27 anos que o filme De Volta Para o Futuro (Back To The Future) estreou nos cinemas. Foi há 27 anos que Marty McFly fez sua primeira viagem no DeLorean do Doc Brown e encantou pessoas mundo afora. Eu fui uma dessas pessoas que se encantaram com o filme. Estava então com 15 anos e assisti ao filme meses depois de sua estreia, quando ele finalmente chegou ao único cinema de minha cidade, no interior do Paraná. Fiquei fascinado pelo filme que se tornou um de meus favoritos, para sempre!

Com um orçamento de U$ 20 milhões o filme arrecadou cerca de U$ 320 milhões, tendo se tornado na época uma das maiores bilheterias de todos os tempos. A história de um jovem que viaja no tempo utilizando um carro que é uma máquina do tempo, fez muito sucesso com os jovens. Tal sucesso possibilitou sua continuação, com mais dois filmes da série que foram gravados de forma simultânea. Os dois filmes da sequencia foram lançados em 1989 e 1990. O filme De Volta Para o Futuro teve grande influencia na cultura POP e permanece como uma das trilogias mais importantes da história do cinema.

Anos após ter assistido ao primeiro filme da trilogia no cinema de minha cidade, tive a oportunidade de nos Estados Unidos ver ao vivo o carro e alguns outros itens utilizados nos filmes da trilogia. Durante muitos anos funcionou no parque temático da Universal Studios de Orlando, uma atração baseada no filme De Volta Para o Futuro. A atração era um ride, onde você entrava em um carro parecido com o DeLorean do filme e voava pela cidade do filme e alguns outros locais. Os carrinhos ficavam parados, mas se moviam conforme as imagens que apareciam num telão gigante a sua frente e a sensação era de que você estava realmente viajando no DeLorean do filme. Nessa atração inclusive você viajava até o tempo dos dinossauros. Isso soava estranho, pois em nenhum dos três filmes da série existem dinossauros. Acontece que a Universal pretendia lançar um quarto filme, onde o DeLorean viajaria a um passado remoto, na época dos dinossauros. Tal plano de um quarto filme abordando esse tema foi abortado quando do lançamento do filme Jurrasic Park. Já faz alguns anos que o ride De Volta Para o Futuro foi desativado, dando lugar a uma atração baseada nos Simpsons. No parque da Universal Studios ainda está em exposição o carro e também o trem utilizado no terceiro filme da série.

De tempos em tempos revejo o filme De Volta Para o Futuro, que marcou minha adolescência e principalmente o ano de 1985, que foi o melhor ano de minha vida (até agora!).

De Volta Para o Futuro.

De Volta Para o Futuro II.

De Volta Para o Futuro III.

Marty McFly e Doc Brown em De Volta Para o Futuro II.

Com o DeLorean do filme, na Universal Studios. (Orlando, fev/2003)

Universal Studios, Orlando. (fev/2003)

Entrada do “ride” De Volta Para o Futuro. (2003)

Cartaz do ride De Volta Para o Futuro.

Marty McFly e Doc Brown no DeLorean.

DeLorean em exposição na Universal Studios. (out/2011)

DeLorean em exposição na Universal Studios. (out/2011)

Universal Studios. (out/2011)

Interior do DeLorean. (out/2011)

Livros

Acabo de comprar três livros, sendo que dois deles deram origem a filmes que assisti e gostei. O outro é sobre escaladas, assunto de que gosto muito. Preciso perder menos tempo com a internet e voltar com o velho hábito de ler ao menos um livro por mês.

Últimas aquisições.

As únicas pessoas que me interessam são os loucos…

“(…) porque as únicas pessoas que me interessam são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, que querem tudo ao mesmo tempo, aqueles que nunca bocejam ou falam chavões… mas queimam, queimam como fogos de artifício pela noite“. 

Jack Kerouac (livro, ON THE ROAD)

ON THE ROAD

Brincando com bonecas

No último final de semana estive em Marechal Cândido Rondon, visitando meus amigos Marcão e Rosemeire. E além deles pude rever outros amigos, alguns que eram de Curitiba e agora vivem em Marechal. E entre as muitas coisas que fiz vale mencionar as brincadeiras que tive com a Mirella, filha do Marcão e da Rosemeire. Brinquei de bola, de quebra cabeças, de desenhar e até de boneca. Em pleno sábado à noite eu estava trocando vestidos da Barbie! Eu que durante muitos anos tive medo de relacionamentos sérios e não queria casar, não queria filhos por achar que não seria um bom pai, a cada dia que passa tenho mudado de opinião. Após a experiência de meu último namoro, onde a namorada era separada e tinha uma filha de nove anos com quem eu me entendia muito bem, cada dia mais tenho percebido que levo jeito com crianças e que quero ser pai. Quem me viu e quem me vê!!!!

Brincando de boneca com Mirella.

Trocando o vestido da Barbie.

Desenhando com Mirella.

Lembrança de Cusco

Ganhei um presente muito simpático, dado por minha amiga Heverly. Essa foto foi tirada em Cusco no dia 18/05/2012, logo após eu ter encontrado a Heverly por acaso na rua. O detalhe é que não vimos a foto ser tirada.

Vander e Heverly.

Dedicatória feita pela Heverly.

Tribuna do Interior

Tive uma foto da viagem ao Peru, publicada no jornal Tribuna do Interior. A foto foi publicada na seção SOCIEDADE pela colunista Sibelle Menim.

Jornal Tribuna do Interior (Campo Mourão/Pr).

Corinthians Campeão da Libertadores 2012

Foi sofrido, demorou, mas finalmente o Corinthians foi Campeão da Copa Libertadores. Se o time não mostrou um futebol de encher os olhos, ao menos mostrou um futebol de resultado, que fica claro na forma invicta com que conquistou o título. E no futebol o importante é o resultado, o importante é ser campeão. A melhor Seleção Brasileira que já vi jogar foi a da Copa de 82 com Zico e Sócrates, comandada pelo mestre Telê Santana. Aquela seleção jogou bonito, mas não venceu. Então prefiro um time que não jogue bonito e seja campeão, do que um time que jogue bonito e não ganhe títulos. No futebol o importante é o resultado e nada mais!

Esse título do Corinthians serviu para calar muitos chatos, os tais “anti-corinthianos”, que se importam mais com os resultados do Corinthians do que com os resultados de seu próprio time. Se estes anti se preocupassem mais com seus próprios times, talvez estes times tivessem mais torcida e dessem mais audiência na TV. Nessa Copa Libertadores o Corinthians teve Ibope igual à Seleção Brasileira em jogos de Copa do Mundo. Somente o Corinthians para conseguir uma proeza dessas! Isso é sinal de que se não somos (ainda) a maior torcida do Brasil, somos a mais fiel, a mais apaixonada e a mais louca. E o Flamengo que se cuide, pois com esse título da Copa Libertadores uma nova safra de torcedores está nascendo e muito em breve seremos a maior torcida do Brasil.

Sou corinthiano desde meus seis anos de idade, desde a derrota para o Internacional na final do Brasileirão de 1976. Mas sou pé quente, pois no ano seguinte o Corinthians foi Campeão Paulista, saindo de uma fila de 23 anos à espera de um título. Não sou um torcedor fanático daqueles que fazem loucuras pelo time, que batem ou apanham. Sou um torcedor apaixonado e como quase tudo que faço na vida, sou um torcedor discreto. E sou aquele que veste a camisa do time não somente nas vitórias, mas também nas derrotas, igual fiz no rebaixamento do time em 2007, quando após o jogo do rebaixamento saí à rua em Curitiba com a camisa do Corinthians. Naquele dia muita gente na rua veio me cumprimentar pelo meu exemplo de amor ao time mesmo na derrota.

Então é isso! Meus sinceros parabéns a todos os corinthianos! E aos anti-corinthianos, que se preocupem mais com seus times e deixem o Corinthians em paz, pois não nos precupamos com vocês e seus times. E para nós mais importante do que conquistas é o próprio CORINTHIANS!!!

Corinthians: Campeão da Copa Libertadores 2012

Corinthians: Campeão da Libertadores 2012

No Memorial do Corinthians.

Memorial do Corinthians.

Memorial do Corinthians.

Viagem ao Peru e Bolívia (25° e 26° Dias)

08/06/2012 

Porto Quijarro 

Eram 6h30min quando uma moça me acordou e entregou uma bandeja com o café da manhã. Comi o sanduiche de presunto e a salada de frutas que foram servidos. Dispensei o café e o chá de coca. Fui ao banheiro escovar os dentes e lavar o rosto e logo voltei para minha poltrona. Fiquei olhando pela janela do trem e a paisagem eram árvores e alguns pastos. Vi muitos passarinhos, inclusive alguns papagaios e araras azuis. Aquela região fazia parte do pantanal e era muito rica em fauna e flora. Mais meia hora de viagem e chegámos a Porto Quijarro.

O desembarque foi tranquilo e nem entrei na estação, saí por um portão lateral e peguei um taxi na rua em frente. Paguei $ 10,00 bolivianos (meus últimos bolivianos) e desembarquei na fronteira com o Brasil. Fui para a fila da imigração, que não era grande naquele horário e não demorou muito para que verificassem e carimbassem meu passaporte. Apenas achei muito detonado o escritório da imigração, que era todo sujo, com móveis velhos e equipamentos quebrados. Com certeza foi o pior escritório de imigração onde já estive!

Atravessei a fronteira a pé e fui “recebido” no lado brasileiro por um simpático cachorrinho. Passei pela imigração brasileira, onde pela primeira vez consegui ver na tela do computador como é o cadastrado vinculado ao número de passaporte da pessoa e as informações de entrada e saída no Brasil. Geralmente em aeroportos o monitor do computador fica virado para o funcionário e não é possível ver nada. Ali o monitor estava de lado e eu dei uma esticada de pescoço para poder matar minha curiosidade e ver o que aparecia para o agente federal. Carimbaram meu passaporte, o que não é um procedimento usual e foi a primeira vez que isso aconteceu, de eu ganhar um carimbo brasileiro no passaporte. 

Corumbá – MS

Já em solo brasileiro fui procurar um jeito de ir até a rodoviária de Corumbá, cidade ao lado da fronteira. Pedi informações para dois rapazes que entregavam panfletos sobre viagens turísticas pelo pantanal. Os rapazes me sugeririam conversar com uma mulher e sua filha, que estavam num ponto de taxi próximo e propor a elas pegar o mesmo taxi até a rodoviária. E foi o que fiz, conversei com a tal mulher, que tinha vindo no mesmo trem que eu. O preço da corrida até a rodoviária era R$ 40,00 e paguei a metade. No caminho o taxista parou em um supermercado, onde fui sacar reais num caixa eletrônico. Desembarcamos na rodoviária pouco antes das 9h00min e fomos direto ao balcão da Viação Andorinha, para comprar a passagem até Campo Grande. O próximo ônibus partiria às 11h00min e paguei R$ 79,00 na passagem. Fiquei bastante tempo conversando com a senhora com quem dividi o taxi e com sua filha. A tal senhora era paranaense, mas vive em Minas Gerais e é casada com um boliviano.

Estava ficando com fome e fui procurar um lugar para comer. Na rodoviária só tinha uma lanchonete e para comer a única opção eram algumas coxinhas gordurosas e caras. Dei uma volta pelas proximidades e só encontrei um restaurante, do outro lado da rua. O local era bem simples, mas olhei a cozinha e era limpa e o cheiro da comida era tentador. O Problema é que ia demorar um pouco para a comida ficar pronta. Voltei até a rodoviária e falei para a senhora com quem dividi o táxi, sobre o restaurante que tinha encontrado. Ela e a filha foram comigo até o restaurante e ficamos esperando a comida ficar pronta. Eu fiquei o tempo todo de olho no relógio, com medo de perder o ônibus. Quando faltavam vinte minutos para o horário de partida do ônibus, o almoço foi servido. Era prato feito, na verdade dois pratos, um com feijão e arroz, e outro com bife e salada. Era muita comida para uma pessoa somente e achei que não ia dar conta de comer tudo. Fazia quase um mês que eu não comia feijão e quando vi aquele prato de feijão e arroz na minha frente não pensei duas vezes e comecei a comer. A comida era muito boa e foi uma pena que tive que comer correndo. E comi tudo, não deixei um único grão de arroz no prato! A senhora e sua filha dividiram um prato e mesmo assim não conseguiram comer toda a comida.

Voltamos à rodoviária e o pessoal já estava embarcando. Coloquei minhas mochilas no bagageiro e fui para meu lugar, no corredor ao lado de um homem. Tão logo o ônibus partiu eu dormi e acordei uma hora depois, num posto de fiscalização. Voltamos à estrada e dormi um bom tempo, até nova parada, dessa vez num posto da Policia Rodoviária Federal. Os policiais pediram documentos de alguns bolivianos e também de duas garotas com cara de menores de idade, que viajavam sozinhas. No fim não encontraram nenhum problema e fomos liberados para seguir viagem. Dormi mais um pouco e acordei novamente quando teve uma parada para lanche. Desci, estiquei as pernas e fiz um lanche rápido. Embarquei e o restante da viagem fui dormindo.

Campo Grande

Pouco depois das 18h30min o ônibus passou em frente ao aeroporto de Campo Grande e desembarquei. Fiquei feliz pelo ônibus ter passado em frente ao aeroporto, pois assim eu economizava o taxi da rodoviária até ali. Entrei no saguão do aeroporto e fui direto ao banheiro. Eu estava sem banho desde o dia anterior, então procurei amenizar um pouco a situação lavando os pés e passando uma toalha úmida pelo corpo. Coloquei uma camiseta limpa, que era a última peça de roupa limpa que eu tinha. Voltei ao saguão e lembrei-me da lanchonete do posto de gasolina que fica do outro lado da avenida em frente aeroporto. Nessa lanchonete eu tinha lanchado quando passei por Campo Grande no início da viagem. Fui até lá e comi três deliciosas coxinhas, acompanhadas de um Todynho. A bela e simpática dona da lanchonete lembrou que eu tinha passado por lá dias antes e puxou conversa. Ficamos um bom tempo papeando. Como estava ficando tarde resolvi voltar para o aeroporto. Escolhi uma cadeira confortável e fiquei ali usando o net book, organizando as fotos da viagem e também alguns textos sobre a viagem, para postar no blog. Tenho uma tia e alguns primos que moram em Campo Grande e poderia entrar em contato com eles e me hospedar na casa de algum deles. Ou poderia ir para um hotel. Mas como não gosto de incomodar os outros, principalmente meus parentes e como sou um cara econômico (não confunda com pão duro) achei melhor passar a noite acordado no aeroporto. Já fiz isso outras vezes, tanto em aeroportos brasileiros como no exterior. Aeroportos são locais seguros e sossegados para passar a noite. Tem muita gente que faz isso, sendo que alguns dormem pelos bancos ou no chão. Eu prefiro ficar acordado, fazendo algo para passar o tempo.

Pouco antes da meia noite resolvi dar uma volta pelo aeroporto, que não é grande. Entrei numa livraria e fiquei vendo os livros e revistas. Acabei comprando um livro do Rodrigo Ranieri, onde ele conta sobre suas escaladas pelo mundo e principalmente suas experiências no Everest. Sentei-me para ler o livro, que era muito interessante. Animei-me tanto com a leitura que só fui parar de ler poucos antes da 3h00min, quando estava na metade do livro. Dei mais uma volta pelo aeroporto, para esticar as pernas. Sentia fome e fui até uma Casa do Pão de Queijo, que fica ao lado de uma das portas do aeroporto e que estava aberta naquele horário. Olhei o cardápio e pedi um suco. A atendente disse que não tinha. Daí pedi um sanduíche e também não tinha. Olhei mais uma vez o cardápio e pedi outro tipo de sanduíche. Novamente a resposta foi que não tinha. Então desisti! Levantei, dei tchau para a atendente e por pouco não perguntei a ela porque não fecham aquela espelunca, já que não tem nada para servir. Acabei entrando no restaurante mais caro do aeroporto, pois era o único que restava aberto. Pedi um suco e um sanduíche (ali tinha!) e fiquei numa mesa lendo meu livro e comendo. Após quase uma hora ali, comecei a sentir sono e resolvi sair e dar uma volta.

Fiquei uns 15 minutos caminhando pelo aeroporto e resolvi me sentar e terminar de ler meu livro. Mas cadê o livro? Voltei ao restaurante, pois só podia ter esquecido o livro lá. Quando entrei pela porta vi a atendente lendo meu livro. Quando ela me viu deu um sorriso, mostrou a capa do livro e perguntou se era eu na foto. Respondi que não, apesar de estar barbudo igual o Rodrigo Ranieri na capa do livro. Ela disse que me achou parecido com o cara da capa e como eu estava cheio de mochilas, pensou que fosse eu o autor do livro. Ficamos papeando um pouco e quando chegaram clientes a deixei ir trabalhar e voltei a me sentar no saguão. Fiquei lendo meu livro até amanhecer o dia. 

09/06/2012 

Campo Grande 

Às 6h00min fui até o balcão da Gol e fiz meu checkin. Despachei a mochila grande e a média, e em seguida fui para a sala de embarque, onde terminei de ler o meu livro. Logo embarquei num voo que vinha de Santa Cruz de La Sierra e seguia para São Paulo. Fui o último a embarcar no avião lotado. Meu lugar era no meio, na janela e ao meu lado foi sentado um senhor de meia idade e uma boliviana com cara de antipática. Antes da decolagem peguei no sono e só fui acordar quando chegámos à São Paulo, ao aeroporto de Guarulhos.  

São Paulo 

Minha conexão para Maringá seria às 11h00min, então não tinha pressa para desembarcar do avião. Esperei todos passarem pelo corredor e me levantei para sair. Ao passar pela poltrona do corredor onde a boliviana estava sentada, vi uma pasta com um note book e um Iphone. Na pressa de descer a boliviana esqueceu suas coisas. Peguei o note book e o Iphone e na saída do avião os entreguei a comissária de bordo e falei a ela o número da poltrona onde os tinha encontrado. Em nenhum momento tive vontade de ficar com tais coisas, o que seria fácil, pois era só guardar rapidamente em minha mochila e desembarcar. Mas aprendi desde criança a não pegar o que é dos outros. Se eu tivesse encontrado aquilo em um lugar onde não tinha como devolver ao dono, ou então não soubesse quem era o dono seria diferente, seria algo “achado” literalmente. Mas nesse caso eu sabia quem era o dono, tinha a opção de deixar com a comissária de bordo, pois a dona podia procurar com a Cia Aérea.

Desci do avião e resolvi ir atrás da boliviana, para avisá-la que tinha encontrado suas coisas e deixado com a comissária. Em vez de seguir para a sala de embarque de minha conexão, segui por outra porta e tive que passar pela imigração. Mostrei meu passaporte e cartão de embarque, para provar que mesmo eu vindo num voo internacional eu tinha embarcado em solo brasileiro, o que me liberava de certos tramites burocráticos. Fui até a esteira de bagagens e lá encontrei o senhor que estava sentado ao meu lado. Perguntei se a boliviana estava junto com ele e a resposta foi negativa. Ele disse que ela desceu somente com a bagagem de mão e que a viu saindo pela porta de desembarque. Eu não tinha mais como encontrar a boliviana, mas minha consciência estava tranquila, pois fiz a coisa certa. Apenas não sei (e jamais saberei!) se a comissária de bordo fez a parte dela e deu o encaminhamento correto ao note book e Iphone que entreguei a ela. Espero que tenha dado!!

Andei um pouco pelo aeroporto, para espantar o sono. Pouco antes das 11h00min embarquei e mais uma vez dormi durante quase toda a viagem. 

Maringá 

O desembarque em Maringá como sempre foi um pouco tumultuado, em razão do pequeno espaço físico na hora de pegar as malas na esteira. E a saída para o saguão também é complicada, pois sempre tem gente esperando quem chega de viagem e eles acabam travando a saída de quem está saindo com suas malas. Encontrei meu irmão, que me levou até a rodoviária, onde peguei um ônibus para Campo Mourão.

Na viagem fui lembrando de alguns momentos dos vinte e poucos dias de viagem. Lembrei dos amigos que fiz e das pessoas que conheci. A maioria dessas pessoas jamais verei ou terei notícias delas novamente. Alguns amigos que fiz manterei contato, mas com o tempo alguns vão desaparecendo e somente com poucos é que terei um contato mais permanente. Também lembrei das fotos que tirei na viagem e que muitas dessas fotos ficarão espalhadas pelo mundo. Daqui uns cinquenta anos o neto de algumas das pessoas que estavam ao meu lado nas fotos, vai ficar se perguntando quem era e de onde era aquele cara de barba vermelha que aparece na foto junto ao seu avô ou avó. Bem como daqui cinquenta anos meus netos vão olhar minhas fotos e perguntar quem eram as pessoas que estavam comigo nas fotos.

Essa foi uma das melhores viagens que já fiz, principalmente em razão das coisas que fiz, das pessoas maravilhosas que conheci. E contar sobre essa viagem de forma detalhada no blog é uma forma de não esquecer tal viagem e nem as pessoas que fizeram parte dessa história. Sempre que eu reler a narrativa dessa viagem estarei recordando momentos especiais e inesquecíveis e relembrando as muitas emoções e até momentos de medo pelos quais passei. Viajar, conhecer novos lugares e pessoas, viver aventuras, é uma das coisas que mais gosto na vida. Em cada viagem, no contato com todas as pessoas que conheço nas viagens, aprendo algo novo e procuro colocar em prática no meu dia a dia muitas dessas coisas que aprendo.

E finalizando os relatos da viagem ao Peru e Bolívia, vou “emprestar” o lema da empresa na qual trabalho atualmente e que diz: VIVER É VIAJAR!

Olhando pela janela do Trem da Morte.

Desembarcando na Estação de Porto Quijarro.

O Trem da Morte, na versão luxo (Ferrobus).

Ferrobus em Porto Quijarro.

Fronteira Bolívia/Brasil.

Fila de embarque em Corumbá – MS.

O livro que li no aeroporto.

Aeroporto de Campo Grande.

Em Campo Grande o embarque é na pista.

Viagem ao Peru e Bolívia (24° Dia)

07/06/2012 

Santa Cruz de La Sierra 

Acordei às 10h00min e fiquei vendo TV na cama por algum tempo. Depois levantei, tomei banho frio (não tinha outra opção!), arrumei minhas coisas e saí. Fiz o checkout às 11h30, que era o horário limite para sair do hotel. Saí e atravessei à avenida em frente ao hotel para ir até o Terminal Bimodal. Lá deixei minhas mochilas no guarda volumes e fui para o centro da cidade. A chuva tinha parado, mas continuava nublado e fazendo frio. Ao caminhar pela rua notei que minha calça estava caindo. Após tantos dias comendo comidas ruins, fazendo algumas atividades físicas desgastantes e vivendo em altas atitudes, acabei perdendo alguns quilos.

Eu conhecia o caminho até o centro da cidade, pois estivera passeando por alí algumas semanas antes, no início da viagem. Minha intenção era almoçar no mesmo restaurante onde almocei da outra vez em companhia de alguns amigos. Encontrei o restaurante, mas naquele dia não serviriam almoço. Achei estranho isso, mas não perguntei o motivo. Saí andar pelo centro e então notei que todas as lojas estavam fechadas. Foi então que lembrei que era feriado de Corpus Christi. Nessa viagem eu tinha perdido um pouco a noção de tempo e muitas vezes não sabia que dia da semana ou do mês era, e muito menos me lembrava de feriados. Andei um pouco pelo centro e fui até a praça em frente à Catedral, que mais uma vez estava fechada. Com tudo estando fechado em razão do feriado e Santa Cruz não sendo uma cidade com muitos atrativos para turistas, resolvi voltar para o Terminal Bimodal. Pelo caminho fui procurando algum restaurante aberto, mas não encontrei nenhum.

Na região em frente ao Terminal Bimodal existiam muitos restaurantes e todos estavam abertos. Resolvi procurar outro lugar para almoçar e não o restaurante onde tinha almoçado e jantado no dia anterior. Passei por todos os restaurantes, olhei as mesas, a comida que estava sendo servida e nenhum me agradou. Todos eram sujos e a comida estranha. Tinha até uma pequena churrascaria, cuja churrasqueira ficava na calçada. Dei uma olhada nas carnes que estava sendo assadas e que no meio tinha algumas tripas de boi sendo assadas. Fiquei alguns minutos parado olhando o churrasqueiro e após ver algumas atitudes nada higienicas por parte dele, desisti de comer ali. Fui almoçar no mesmo restaurante do dia anterior, que se não era um exemplo de limpeza e higiene, ao menos a comida era razoável e não tinha me feito mal. Chegando ao restaurante encontrei uma única mesa vazia, pois como das outras vezes estava lotado. Pedi o costumeiro prato feito com arroz, frango, batata frita e comecei a comer.

Á tarde eu não tinha nada para fazer, a não ser esperar o final do dia quando meu trem partiria. Voltou a chover e isso impossibilitou qualquer passeio pela cidade. Entrei em uma lan house e passei o resto da tarde usando a internet. Quando escureceu fui para o Terminal Bimodal e no caminho ouvi música na rua, que vinha de uma loja. Dessa vez era Roberto Carlos, cantando em espanhol. No Terminal Bimodal peguei minhas mochilas no guarda volumes e fui para a fila do embarque. A fila era pequena e quando fui passar pelo portão de embarque me barraram. Ali também era preciso comprar o tal ticket de taxa de embarque. Fui comprar o ticket e voltei para o portão de embarque. O trem estava parado logo em frente e eram somente dois vagões. Creio que por ser o trem luxo que é mais caro, pouca gente costuma viajar nele.

Embarquei no trem e me senti frustrado, pois esse Trem da Morte não era nada parecido com o Trem da Morte das histórias que li em livros. Esse trem em que estava embarcado era a versão luxuosa do Trem da Morte, com poltronas macias e reclinaveis, ar condicionado, TVs de plasma passando filmes norte americanos e banheiro limpo. Eu que esperei tanto tempo para viajar no clássico Trem da Morte, acabei tendo que me contentar com a versão luxo e sem graça do trem. Viajar pelo Trem da Morte é uma espécie de ritual e todo mochileiro que se preze um dia deve passar por tal ritual, deve fazer tal viagem, para então ser considerado um mochileiro de verdade. Eu que viajo há muitos anos no estilo mochileiro, ainda não tinha tal viagem no meu currículo.

A viagem de trem entre Santa Cruz de La Sierra e Porto Quijarro, na fronteira com o Brasil, é de pouco mais de seiscentos quilômetros. O nome Trem da Morte, ao contrário do que muitos imaginam não é em razão da estrada ser perigosa, com desfiladeiros e cheia de pontes prestes a cair. O nome Trem da Morte é por que no século passado durante uma grande epidemia de febre amarela que assolou a região de Santa Cruz de La Sierra, esse trem foi utilizado para transportar muitas pessoas doentes e também corpos de mortos na epidemia. E muitos dos doentes transportados no trem, morreram durante a viagem. Além disso, naquela época a ferrovia se encontrava em péssimas condições de conservação e muitos descarrilhamentos com mortes aconteciam, aumentado ainda mais a má fama da ferrovia e tornando “famoso” o Trem da Morte.

Atualmente existem três tipos de trens percorrendo o trecho entre Santa Cruz de La Sierra e Porto Quijarro (e vice versa). Tem o Regional, que é o preferido dos viajantes, pois é o mais barato. O Regional é considerado o Trem da Morte clássico, pois sua viagem dura em média 19 horas e normalmente está lotado. Ele costuma ter pessoas dormindo pelo chão e transportando galinhas dentro dos vagões. Nesse tipo de trem é permitida a entrada de vendedores, então em cada parada que o trem faz muita gente entra e desce dos vagões, vendendo diversos tipos de produtos. O Regional também é o preferido pelos mochileiros do mundo todo que buscam fazer a famosa viagem pelo Trem da Morte. O trem intermediario é o Expresso Oriental, cuja viagem tem duração média de 16 horas e o preço é um pouco maior do que o Regional. O trem mais luxuoso é o Ferrobus, que é o mais chique e caro, e cuja duração da viagem é de cerca de 12 horas. Era justamente no Ferrobus que eu ia viajar. O mais caro, mais luxuoso, mais confortável e mais sem graça dos trens. E justamente o trem pelo qual eu não queria viajar. Mas não tive opção, pois tinha ficado mais de um dia esperando um trem que partisse de Santa Cruz e tanto meu dinheiro, quanto minha paciência estavam no fim e eu queria voltar logo para casa.

Acomodei-me em minha poltrona, que era bastante confortável. Meu vagão estava quase vazio, com mais seis pessoas somente. Dentro do vagão fazia muito frio e mais tarde descobri que o sistema de ar condicionado estava com defeito e por isso que ficava tão frio dentro do trem. Entrei dentro de meu saco de dormir e fiquei vendo um filme que passava em uma TV presa ao teto, no corredor do trem. E para minha surpresa logo apareceram duas moças com um carrinho igual os de serviço de bordo de aviões. Elas traziam o jantar! O trem era mesmo chique, tinha até jantar quente. O cardápio era arroz, batata cozida e carne assada. Para beber tinha água e Coca-Cola. E de sobremesa tinha pudim. A comida era boa, pena que em pouca quantidade. Mesmo tendo gostado da comida, do filme e do conforto do trem, fiquei decepcionado e frustrado, pois aquela não era a viagem pelo Trem da Morte que tanto planejei e esperei. Paciência! O jeito era me conformar e talvez um dia voltar ali e fazer a viagem pelo Trem da Morte clássico, desconfortável, sujo, cheio de gente e extremamente lento…

Praça no centro de Santa Cruz de La Sierra.

Catedral de Santa Cruz de La Sierra.

Muro pichado no centro de Santa Cruz.

Rua em frente ao hotel onde me hospedei.

Na fila de embarque do trem.

Interior do trem.

A comida servida no trem.

Viagem ao Peru e Bolívia (23° Dia)

06/06/2012 

Começou a tocar o despertador do celular do cara que estava sentado na poltrona próxima a mim, do outro lado do corredor. Acordei com o barulho do despertador e também a criança de colo que estava na poltrona da frente. Foi um berreiro tão grande que acordou quase todo mundo dentro do ônibus. Depois dessa acho que o dono do celular passou a ser odiado por todos. Olhei no relógio e eram 5h35min. Tentei dormir novamente, mas a criança da frente chorova tão alto que era impossível voltar a dormir. Coloquei os fones do MP3, liguei a música bem alta para tentar abafar o choro da criança e assim consegui dormir.

Acordei algumas horas mais tarde, quando o ônibus parou em outro posto policial. Dessa vez todos tiveram que descer e ficar esperando ao lado da estrada pouco a frente do ônibus. Três policiais entraram no ônibus e fizeram uma varredura, olhando inclusive as mochilas e bolsas que tinham ficado dentro do ônibus. Um policial ao passar por mim parou e quando ia falar algo, alguém o chamou e ele entrou num carro e foi embora. Sorte minha!! Após meia hora nos mandaram embarcar e fomos embora. A bateria do MP3 acabou e fiquei sem ter o que fazer para matar tempo. O jeito foi ficar olhando pela janela, onde a paisagem era mato e uma ou outra casa. Mais duas horas de viagem e paramos para almoçar, em uma cabana na beira da estrada. Quase todos os passageiros comeram nesse lugar da parada. Eu entrei, circulei entre as mesas, dei uma olhada na cozinha e diante da precariedade da mesma e da aparente falta de higiene, desisti de comer ali. Comprei uma Fanta e fiquei parado próximo ao ônibus. O tempo estava nublado desde cedo e parecia que ia chover. Logo o ônibus da empresa cujo vendedor não quis me vender passagem em La Paz, parou ao lado. Dei uma olhada mais detalhada no tal ônibus, fui até sua porta e olhei dentro. Mais uma vez fiquei muito agradecido ao vendedor por não ter me vendido a passagem. O ônibus era muito ruim e desconfortável. O ônibus em que eu estava viajando não era dos melhores, mas com certeza era bem melhor do que aquele em que quase viajei. E o preço da passagem era o mesmo nas duas empresas de ônibus. O motorista apareceu e me chamou para embarcar.

O cara da poltrona do outro lado do corredor levou uma marmita para comer dentro do ônibus. E mais uma vez jogou o lixo no chão, inclusive ossos de frango. O espaço em volta a poltrona dele parecia um chiqueiro. Almocei alguns biscoitos e chocolates que tinha na mochila. Guardei as embalagens vazias no bolso lateral da mochila, bem como catei alguns farelos que tinham caído no chão. O cara da poltrona ao lado ficou olhando eu gurdando o lixo e limpando o chão. Espero que ele tenha aprendido algo comigo e em futuras viagens não seja tão porco. Começou a chover e fiquei alternando alguns cochilos, com olhadas para a paisagem.

Passava um pouco das 13h00min quando finalmente chegamos à Santa Cruz de La Sierra. O desembarque foi na lateral do Terminal Bimodal (rodoviária + estação de trem) e quando fui pegar minha mochila no bagageiro começou a chover forte. Não encontrei o ticket de bagagem. Procurei nos bolsos, na mochila e nada de encontrá-lo. Sempre fui cuidadoso com ticket de bagagem, seja em viagens de ônibus ou avião e nunca tinha perdido algum. Fui falar com o motorista e contei que não tinha o ticket. Ele me respondeu que sem ticket ele não entregava a bagagem. Fiquei quieto e fui me proteger da chuva debaixo de uma marquise. Mas fiquei o tempo todo olhando minha mochila, enquanto o pessoal pegava suas bagagens. Quando todos pegaram suas coisas e só ficou a minha mochila no bagageiro do ônibus, fui falar novamente com o motorista. Ele mais uma vez respondeu grosseiramente que sem o ticket ele não entregava a mochila. Argumentei com ele de que só tinha sobrado aquela mochila e que ele sabia que ela era minha. Lembrei a ele sobre a parada de madrugada no posto policial (ver postagem anterior) quando o policial entregou minha mochila na mão dele e disse para ele guardá-la no bagageiro. Ele pensou um instante, fez cara feia e me mandou pegar a mochila. Coloquei a mochila nas costas e ao passar pelo motorista dei um tapinha nas costas dele e disse muito obrigado. Ele não respondeu e virou de costas.

Fui até dentro do Terminal Bimodal a procura de um lugar para trocar meus últimos U$ 40,00. Esses dólares eu tinha guardado para comprar a passagem de trem ali em Santa Cruz de La Sierra. A única casa de cambio existente no Terminal estava fechada. Fui até o ghichê que vende passagens de trem para me informar sobre o Trem da Morte. O Trem da Morte clássico, que é o mais barato e onde o pessoal viaja meio amontoado, leva animais dentro e que era justamente o que eu queria saíria no final do dia. Mas não tinha mais passagens e outro trem igual só dali três dias. Fiquei decepcionado, pois eu queria viajar nesse mais simples, não pelo preço que era o mais barato, mas sim por que nesse trem tinha mais “emoção” e era o preferido pelos mochileiros do mundo todo. E eu não podia e não queria ficar três dias em Santa Cruz de La Sierra esperando o Trem da Morte clássico. O próximo trem que tinha passagem à venda partiria no dia seguinte, no final do dia e era justamente o trem de luxo. A passagem nesse trem de luxo custava $ 240,00 bolivianos. Não era possível pagar com dólares e o vendedor disse para eu ir até a entrada do Terminal, que ali algumas pessoas faziam cambio. Fui até o portão de entrada e logo vi um senhor de idade com um monte de notas de dólares e de bolivianos na mão. Fiz o cambio com ele e fiquei pensando que se fosse no Brasil o cara já tinha sido assaltado, pois ficar com tanto dinheiro na mão em um local público e cheio de gente, no Brasil é pedir para ser assaltado. Infelizmente cada dia tenho mais certeza de que o Brasil é o país dos ladrões!

Voltei até o ghichê da empresa de trem e comprei minha passagem. Como o trem só partiria às 18h30min do dia seguinte, eu tinha mais de vinte e quatro horas de espera. Saí do Terminal Bimodal a procura de um hotel. Voltou a chover e atravessar a rua em frente ao Terminal foi uma aventura. Primeiro por que atravessar ruas em Santa Cruz de La Sierra já é uma aventura em qualquer dia, em razão dos muitos carros que passam feito louco buzinando. E a segunda razão foi que boa parte da rua estava submersa, em alguns trechos com água batendo na altura da canela. Eu não queria molhar meus pés e principalmente meu único par de tênis. Parei e fiquei observando ao redor para ver como o pessoal estava fazendo para atravessar a rua. Vi que em algumas partes da rua tinham sido colocadas pedras e tijolos, aonde as pessoas iam pisando em cima para poder atravessar a rua sem molhar os pés. Fiz o mesmo, mas como estava com três mochilas tive que ser meio equilibrista para passar por sobre as pedras e tijolos sem cair na água e molhar os pés.

Na região em frente ao Terminal Bimodal vi somente dois hotéis. Entrei em um deles e ninguém veio me atender. Saí e fui em outro quase ao lado. O recpecionista tinha a maior cara de malandro e me atendeu contando algumas histórias e já ficou cheio de intimidades. O quarto custava $ 35,00 bolivianos e ficava no segundo ar. Subi sem expectativa alguma de que seria um bom quarto e ao abrir a porta vi que não estava enganado. Deixei minhas mochilas sobre a cama e fui tomar banho. E descobri que o banho era frio. Já fiquei em muito hotel pelo Brasil e pelo mundo, tanto em hotéis chiques, hotéis mais ou menos e alguns pulgueiros. Mas nunca fiquei em um hotel onde o banho fosse frio. Mas para quem já tinha tomado muito banho frio nessa viagem, um a mais ou a menos não ia fazer mal.

Saí do hotel e fui procurar um local para almoçar. A chuva tinha aumentado e ir para o centro da cidade não era uma boa idéia naquele momento. Dei uma volta pelas redondezas e resolvi entrar em um restaurante que apesar de ser meio sujo estava lotado. E restaurante lotado, mais que sinal de preço baixo é sinal de comida boa. O cardápio era o clássico arroz com frango e batata frita. E tinha um adicional, que era macarrão. Fiz meu pedido e logo veio o prato feito, que devorei todo só deixando os ossos. O macarrão era horroroso, mas comi do mesmo jeito. Saindo do restaurante entrei em uma lan houde e fiquei o resto da tarde usando a internet. Aproveitei para reponder e-mails, papear com alguns amigos, postar fotos no Facebook e postar algo no blog.

Já estava escuro quando voltei ao hotel. Tinha esfriado muito e não parava de chover. Deitei na cama e vi o controle da TV numa mesa ao lado. Liguei a TV e para minha surpresa entre muitos canais disponíveis tinha Record e Globo internacional. Fazia mais de três semanas que eu não via TV e foi bom ver algo em português. Comecei a assistir “Eu Odeio o Cris”, que passava na Record e após alguns minutos adormeci. Acordei umas duas horas depois e resolvi descer para jantar. Ia no mesmo restaurante onde tinha almoçado e ao virar a esquina dei de cara com cinco caras mal encarados e em atitude supeita. Quando eles me viram um deles deu um passo em minha direção e não pensei duas vezes, dei meia volta e saí correndo para o hotel. Em toda a viagem por Peru e Bolívia esse foi o único momento onde levei algum susto achando que alguém fosse me assaltar. Na verdade não sei se me assaltar era o plano dos caras. Mas sendo noite, numa rua deserta e meio escura, com chuva, eu é que não ia ficar esperando para saber se os caras fariam alguma coisa ou me deixariam passar tranquilamente. Seguro morreu de velho!!!

Saí novamente do hotel e para ir até o restaurante, dessa vez escolhi o caminho mais longo, mais iluminado e mais cheio de gente. O restuarante estava tão cheio como no almoço. Pedi o clássico arroz com frango e batata frita. Dessa vez pedi que não colocassem o macarrão. Comi tranquilamente e voltei direito para o hotel. Liguei a TV e deixei na Globo, onde ia passar um jogo de futebol. Antes que o juíz apitasse o início do jogo eu já estava dormindo.

Local de parada para almoço.

O cardápio do almoço.

Placa boliviana.

Pedras para atravessar a rua.

O cardápio de (quase) sempre.

Meu quarto pulguento.

Viagem ao Peru e Bolívia (22° Dia)

05/06/2012 

Acordei com o barulho de música vindo do corredor. Olhei no relógio e vi que passava um pouco das 9h00min. Eu tinha dormido bem e me recuperado do esforço dos últimos dias. Ao sair no corredor vi que a música alta vinha de um rádio na recepção, onde uma boliviana passava pano no chão. Fui para o banho e ao ligar o chuveiro começou a tocar Gusttavo Lima no rádio. Daí dancei o tche tcherere tche tchê debaixo do chuveiro. Eu estava com muito bom humor, me sentido feliz.

Eu pretendia ir para o interior da Bolívia, para a região do Salar de Yuni, mas desisti. Já estava fora fazia muitos dias e precisava voltar ao Brasil, bem como estava ficando sem dinheiro. Então resolvi deixar para conhecer o Salar de Yuni e em outra oportunidade. Arrumei minhas mochilas e decidi ir embora, voltar ao Brasil. Pouco antes do meio-dia fui até a recepção, paguei minha conta e deixei duas mochilas guardadas no depósito do hostal. Votaria para buscá-las à noite. Saí á rua e de cara ouvi Ai se eu te pego, que estava tocando na TV em uma loja. O Gusttavo Lima e o Michel Telo definitivamente são um grande sucesso na Bolívia. Fui até a rodoviária, onde troquei meus últimos dólares por bolivianos e em seguida fui visitar algumas empresas de ônibus. Eu queria passagem para Santa Cruz de La Sierra, pois de lá pretendia seguir no Trem da Morte até a fronteira com o Brasil. O preço não mudava muito entre às muitas empresas de ônibus, então me foquei no horário. Buscava um ônibus que partisse a noite, pois dessa forma eu poderia ficar passeando por La Paz durante a tarde. Acabei escolhendo uma empresa chamada Bolívia, mas após dez minutos parado em frente ao guichê olhando o vendedor conversar com a moça do guichê ao lado, desisti de comprar a passagem ali. O vendedor pelo jeito não estava a fim de vender nada. E de sacanagem fui ao guiché da agencia em frente e comprei a passagem lá. O nome da empresa onde comprei a passagem era El Dorado. Paguei $ 60,00 bolivianos e seria um ônibus semi leito. Ao passar em frente ao guichê da empresa Bolívia, dei um sorriso para o cara que não me atendeu e ainda levantei a mão mostrei a passagem da outra empresa. Acho que o otário do vendedor entendeu o meu “recado”!

Meu ônibus ia sair às 19h30min, então eu teria algumas horas para passear e fazer algumas compras. Fui em direção ao centro e parei numa lan house usar a internet. Depois passei na vendedora de abacaxis e comi três fatias. Só não comi mais por que saíram algumas afitas em minha boca, por culpa do abacaxi. Desci pela avenida principal e depois fui em direção ao centro. Cheguei à Praça Murillo, que fica em frente ao Palácio do Governo. Ao lado ficava a Catedral, que estava fechada. Tirei algumas fotos e fui andar mais um pouco pelo centro. Eu estava com pouco dinheiro, então teria que economizar o máximo possível até chegar ao Brasil. No centro vi muitos bancos e resolvi entrar em alguns deles para tentar sacar dinheiro com meu cartão de crédito. No segundo banco consegui sacar bolivianos utilizando o cartão de crédito e isso me deixou aliviado, pois não precisaria mais ficar contando os trocados. Para comemorar resolvi ir almoçar em um restaurante chique que tinha visto no centro. No restaurante olhei o cardápio e só tinham comidas típicas. Não queria ter surpresas desagradáveis, então não pedi nenhum dos pratos. Resolvi almoçar uma banana split gigante e uma fatia de torta de morango. Esse almoço alternativo foi uma delícia e paguei por ele $ 40,00 bolivianos, que foi o maior gasto que tive com comida durante todo o tempo em que fiquei na Bolívia.

Fiquei o resto da tarde passeando pelo centro da cidade e tirando fotos. Também comprei alguns presentinhos para o pessoal de casa. Não podia comprar muita coisa, por que minhas mochilas estavam cheias e pesadas e não queria deixá-las ainda mais pesadas. Algo que me chamou a atenção foram os engraxates que trabalhavam no centro, todos mascarados. Todos os engraxates usavam um capuz cobrindo o rosto. Sinceramente não entendi o motivo disso e fiquei com vergonha de ir perguntar a um deles o porquê dos rostos escondidos. Passei pela Calle de las Brujas, um local onde existem muitas coisas para vender, muitas barraquinhas e algumas delas são de produtos para magia. E a coisa mais curiosa que vi a venda foram fetos de lhama ressecados. Parece-me que estes fetos são utilizados em oferendas para a deusa Pachamama.

Quando anoiteceu jantei frango com arroz e batata frita, no restaurante onde tinha ido muitos vezes antes. Após jantar fui até o hostal pegar minhas mochilas. Resolvi ir a pé até a rodoviária e não sei como errei o caminho. Tive que andar um monte a mais até encontrar o caminho correto e cheguei na rodoviária quase em cima do horário de partida do meu ônibus. Fui embarcar e dessa vez lembrei de comprar o tal tíquete da taxa de embarque. Quando fui entrar no portão de embarque não tinha ninguém controlando o portão. Algumas pessoas estavam esperando, mas eu entrei direto, pois estava atrasado. Achei meu ônibus e ao lado dele estava estacionado o ônibus da outra empresa, cujo vendedor de passagens não quis me atender. Fiquei grato a ele, pois o ônibus era muito velho e ruim. O ônibus da El Dorado, empresa pela qual eu viajaria era bem melhor. Fiquei esperando para guardar a mochila grande no bagageiro, mas ninguém da empresa apareceu. Aí descobri que tinha que entrar no guiché da empresa, para primeiro pesar a bagagem e em seguida um funcionário colocava uma etiqueta nela e levava até o bagageiro do ônibus. O sistema era improdutivo, principalmente em razão de o guiché ser pequeno. Estava um caos, pessoas querendo entrar para pesar suas malas, outras querendo sair com suas malas já pesadas. Após uma longa espera consegui entrar e minha mochila foi pesada e etiquetada. Quando fui sair do guiché entraram dois bolivianos e um deles ao passar por mim cutucou com o dedo a bandeira dos Estados Unidos pregada na manga de minha camisa e falou algo para outro o cara que estava com ele. Não entendi o que ele falou, mas deve ter sido algo ruim, pois todos que estavam no guichê silenciaram e ficaram me olhando. Como não gostei da atitude do tal cara parei, me virei em direção a ele e perguntei com cara de bravo falando em espanhol “qual era o problema?” (¿cuál fue el problema). O cara fez cara de espanto e não falou nada. Ele deve ter achado que eu tinha entendido o que ele falou e viu que eu não era norte americano. Saí do guiché e fiquei olhando o funcionário da empresa de ônibus, que ia levar minha mochila até o ônibus. Quando ele passou por mim fui atrás dele e fiquei olhando onde ele ia guardar a mochila. Ele viu que eu estava olhando e balançou a mochila três vezes e a jogou dentro do bagageiro. Quando ele passou por mim dei um sorriso e disse a ele “bom trabalho” em espanhol, e o xinguei um monte em pensamento.

Partimos com meia hora de atraso e antes de sairmos da rodoviária o ônibus parou e um dos caras que controla os portões de embarque entrou no ônibus. Ele veio direto ao meu banco e pediu o tíquete da taxa de embarque, com um sorriso irônico no rosto. Acho que alguém tinha me dedurado, contando que entrei direto pelo portão. Fiz um charminho e lentamente procurei minha mochila pequena que estava debaixo do banco, abri-a lentamente, procurei minha carteira, abri a carteira, peguei o tíquete da taxa de embarque e entreguei a ele, devolvendo o sorriso irônico. Ele fechou a cara, me devolveu o tíquete e desceu do ônibus. O ônibus voltou a andar e para minha sorte não tinha ninguém sentado ao meu lado. Eu era o único estrangeiro no ônibus. Na minha frente ia um casal, com uma criança de colo e na poltrona do outro lado do corredor um boliviano, muito bem vestido.

Após meia hora paramos ao lado na estrada, num local cheio de barraquinhas que vendiam dezenas de produtos. Ali embarcaram mais pessoas, mas ninguém sentou ao meu lado. Alguns passageiros desceram, compraram comida e voltaram para o ônibus. Ficamos meia hora parados e voltamos para a estrada. O ônibus passou a andar mais rápido e começou a entrar um vento muito frio por frestas das janelas. Eu estava com meu saco de dormir ao lado e logo entrei nele e fiquei quentinho. A criança do banco da frente começou a chorar e achei melhor ouvir música. O cara bem vestido da poltrona ao lado tinha comprado um monte de comida e após comer jogou todo o lixo no chão, até ossos de frango. Fiquei olhando pela janela enquanto ouvia música e logo peguei no sono.

Acordei com um cara me cutucando. Tinham embarcado mais passageiros e um deles iria sentado ao meu lado. Tirei a mochila que estava na poltrona ao lado e o cara sentou. Dei uma rápida olhada e vi que ele estava sujo, muito sujo. Voltei a dormir e acordei novamente quando o ônibus parou num restaurante ao lado da estrada. Para sair de minha poltrona tive que fazer malabarismo e pular por cima do cara sentado ao meu lado. Desci do ônibus e descobri que fazia muito frio. Vi um banheiro e fui em direção a ele. Quando fui entrar tomei o maior susto quando uma moça saiu debaixo de uma lona que estava na porta do banheiro e disse que era $ 1,00 sole. Paguei e fui usar o banheiro. Nunca vi um banheiro tão sujo e tão detonado. Eu devia ter ido usar o matinho ao lado do banheiro, igual muitos passageiros fizeram, pois o matinho era mais limpo e de graça. Estiquei um pouco as pernas e voltei para o ônibus. Dessa vez o cara que ia sentado ao meu lado estava acordado e se levantou para eu me sentar. Olhei que o cara bem vestido e porquinho da outra poltrona, ele estava jantando novamente. E depois ele jogou o lixo no chão, igual tinha feito antes. Ajeitei-me no meu canto, voltei ouvir música e logo dormi.

Acordei com a claridade que vinha do lado de fora. Vi que tínhamos parado em um posto policial. Olhei no relógio e eram 3h20min. Dois policiais entraram no ônibus e foram passando por todas as poltronas olhando os passageiros que dormiam. Eu tinha certeza de que eles iam implicar comigo. Então fiz de conta que dormia. Logo senti alguém me cutucando no ombro e abri os olhos lentamente e virei para o lado em que me cutucavam. O cara que estava sentado ao meu lado acho que tinha desembarcado e um dos policias estava sentado na poltrona ao meu lado e outro policial com uma metralhadora nas mãos estava em pé ao lado dele. Tirei o saco de dormir que me cobria e ele viu a bandeira norte americana no ombro de minha camisa. Em inglês ele pediu meu passaporte. Lentamente procurei minha mochila debaixo do banco e de dentro dela tirei meu passaporte. Então ele folheou o passaporte e perguntou em espanhol se eu era brasileiro. Respondi em português que era brasileiro e ele perguntou sobre minha bagagem. Falei que tinha a pequena mochila no chão sob o banco, uma mochila no bagageiro acima de minha cabeça e outra no bagageiro do ônibus. Ele olhou e apalpou a mochila que estava no bagageiro acima de minha cabeça. Em seguida disse para eu descer junto com ele. Fora do ônibus fazia muito frio e me arrependi por não ter colocado um casaco antes de descer. O policial me pediu para mostrar qual era minha mochila e depois de olhar em dois bagageiros, vi a mochila e mostrei a ele. Ele chamou o motorista do ônibus e disse para ele pegar a mochila. O motorista entregou a mochila nas mãos do policial, que ao pegá-la disse que estava muito leve. Respondi a ele que nela só tinham roupas sujas. A mochila estava com uma capa de proteção em volta e eu tinha enrolado ela com fita adesiva. Ele colocou a mochila sobre um banco e eu comecei a tirar as fitas. Ele disse que não precisava tirar e então começou a apalpar os lados da mochila. Em seguida pegou a mochila e entregou-a ao motorista e disse para ele guardá-la. Então se virou para mim e disse para eu subir no ônibus para me aquecer e voltar a dormir. Por último tirou meu passaporte que estava em seu bolso e me devolveu. Chegaram mais alguns policiais armados e um deles parou na minha frente e me perguntou se estava tudo bem. Respondi que sim e ele me mandou subir no ônibus para me aquecer. Quando entrei no ônibus todos os passageiros estavam acordados e conforme eu ia passando entre as poltronas todos me acompanhavam com os olhos. Fiz cara de mau e segui até meu lugar, me segurando para não rir. Achei estranha a forma de revista que o policial fez. Creio que trabalham mais no psicológico das pessoas e como me mostrei calmo todo o tempo e pela forma que eu agi, eles viram que eu não levava nada proibido. É a velha história do quem não deve não teve e não demonstra que deve. Logo peguei no sono e não vi mais nada

Entrada do Hostal El Solário.

Plaza Murillo.

Catedral de La Paz.

Em frente ao Palácio de Governo.

Avenida no centro de La Paz.

Uma das milhares de vans que circulam por La Paz.

Parte do centro de La Paz.

Os engraxates “mascarados” de La Paz.

Fetos ressecados de lhamas, à venda na Calle de Las Brujas.

Arroz, frango e batata frita.

No ônibus, saindo de La Paz.

O velho ônibus da empresa El Dorado.

Parada para lanche.