The Oscar Goes To

Ontem foi noite de entrega do Oscar. Assisti somente uma parte da premiação, pois estava cansado e precisava levantar cedo no dia seguinte. Ainda não assisti ao filme que levou a estatueta de melhor filme (O Artista), pretendo fazer isso em breve.

Abaixo segue a lista dos filmes que ganharam o Oscar de melhor filme, desde 1990. Dessa lista de filmes, além do filme vencedor desse ano, só não assisti ao filme vencedor de 2010 (Guerra ao Terror). Foi esquecimento meu, e pretendo assistir a esse filme o mais breve possível. E dos demais filmes, alguns marcaram momentos importantes de minha vida e se encontram na lista dos meus filmes favoritos (Forrest Gump, Dança com Lobos, Silêncio dos Inocentes). Dez deles eu assisti acompanhado, no cinema (boas lembranças!). Teve um dos filmes que assisti num cinema nos Estados Unidos (Chicago) e outro que assisti no avião, numa viagem ao Chile (Quem quer ser um milionário?).

Abaixo lista dos últimos filmes vencedores do Oscar:

2012 O Artista 
2011 O Discurso do Rei 
2010 Guerra ao terror 
2009 Quem quer ser um milionário? 
2008 Onde os fracos não tem vez 
2007 Os infiltrados 
2006 Crash – no limite 
2005 Menina de ouro 
2004 O Senhor dos Anéis: o retorno do rei 
2003 Chicago 
2002 Uma mente brilhante 
2001 Gladiador 
2000 Beleza americana 
1999 Shakespeare apaixonado 
1998 Titanic 
1997 O paciente inglês 
1996 Coração valente 
1995 Forrest Gump 
1994 A lista de Schindler 
1993 Os imperdoáveis 
1992 O silêncio do inocentes 
1991 Dança com lobos 
1990 Conduzindo Miss Daisy

James Mollison: Onde Crianças Dormem…

Vi esse ensaio fotográfico graças a minha amiga Stella Maris Ludwig. O nome do fotógrafo é James Mollison, e o ensaio em questão mostra algumas crianças e os locais onde elas dormem. É muito interessante o contraste, os diferentes quartos, as diferentes camas. Algumas pobres, algumas ricas, outras exóticas. Olhar esse ensaio fotográfico nos faz pensar nas diferentes classes sociais, culturas, costumes.

Para ver mais fotos desse ensaio do James Mollison, visite o site: http://lounge.obviousmag.org/arxvis/2012/02/where-children-sleep.html

E para conhecer mais do trabalho do James Mollison, visite: http://www.jamesmollison.com/project_apes.php

Aniversários!!!

Não costumo postar mensagens de aniversário aqui no Blog, mas hoje farei uma exceção. É que tem três pessoas “especiais” fazendo aniversário por estes dias e queria fazer uma pequena homenagem a elas.

Hoje, dia 18 é aniversário da Fran, que completa 24 anos. Ela é uma pessoa muito querida e que após um tempo “afastada” reapareceu em minha vida.

Amanhã, dia 19 é aniversário do meu irmão, Wagão. Ele nos últimos anos deixou de ser somente meu irmão para se tornar meu melhor amigo e que me ajudou muito num período complicado pelo qual passei rescentemente.

E no próximo dia 23 será aniversário da Erica, minha sobrinha, que fará 19 aninhos. A ela um forte abraço desse tio que às vezes é meio chato e gosta de zoar (até demais) com ela.

E aproveito para também homenagear um amigo das antigas, que completou 42 anos no último dia 3. Um forte abraço ao José Mário, parceiro de muitas aventuras, desventuras, conquistas e frias pela vida afora, e do qual estou afastado já faz um tempo por questões geográficas e por relaxo de minha parte. A ele meus parabéns e minhas desculpas por ter desaparecido por tanto tempo.

Aos quatro aniversariantes desejo de coração que sejam muito felizes, que possam comemorar muitos mais aniversários em suas vidas e que consigam alcançar tudo aquilo que almejam.

Fran.

Wagão.

Erica.

José Mário.

Crise de identidade

Estou passando por uma crise de identidade. Nos muitos anos que morei em Curitiba muita gente brincava com meu sotaque do interior, com o “pÓrrrta” por exemplo. E agora que estou no interior já ouvi comentários de que não pareço ser do interior, e até mesmo zoaram do meu “sotaque curitibano” que destaca o “e” (lEitE quEntE). Então fiquei meio perdido nessa, pois de repente não sou nem curitibano e nem interiorano. Então o que eu sou? Sei lá!! Isso me fez lembrar de uma piada, que dizia que o cara foi morar nos Estados Unidos e lá não aprendeu a falar inglês e esqueceu o português. Então ele voltou ao Brasil “mudo”… Coitado!!! Kkkk… E essa piada me fez lembrar da Talita, que está morando na Alemanha e cada vez que me escreve fica ainda mais difícil de entender o seu português, devido à quantidade de erros. Ela simplesmente está esquecendo o idioma. Sorte dela que aprendeu bem o alemão, senão corria o risco de se um dia voltar ao Brasil, voltar “muda” igual o cara da piada.

E outra que me falaram essa semana foi que tenho uma aparência meio exótica. Até agora não entendi se isso é bom, se é ruim? Se a pessoa quis dizer que sou bonito, ou que sou feio? Segundo o dicionário, exótico significa: forasteiro, estranho, raro, inusitado, diferente, esquisito, curioso, esdrúxulo, excêntrico, alienígena, original, sistemático, alheio, extravagante, indefinível. Algumas dessas características se encaixam perfeitamente a minha personalidade. Já com relação a se encaixar com minha aparência física, sinceramente não sei? A única coisa que sei é que após tal comentário resolvi raspar a barba, a qual tenho usado já faz alguns anos. Talvez sem minha barba vermelha (que agora está ficando vermelha e branca) eu fique parecendo menos “exótico” e principalmente menos “alienígena”… 

A Regra dos Três Terços na Fotografia

Quem me falou da Regra dos Três Terços na Fotografia foi meu amigo G. G. Carsan, que é fotógrafo profissional. Há um ano e meio estávamos na Comix em São Paulo (Feira de Quadrinhos) e ele me pediu para bater umas fotos e me explicou rapidamente sobre a Regra dos Três Terços. Depois me mandou pesquisar sobre o assunto na internet, pois segundo ele, conhecer tal regra melhoraria consideravelmente a qualidade das fotos tiradas por mim. E foi o que fiz um tempo depois e inclusive descobri que existia uma configuração em minha câmera (que não é profissional) que deixa no visor as linhas da Regra dos Três Terços, e isso facilita o enquadramento e melhora a qualidade das fotos.

A Regra dos Três Terços é muito utilizada na composição de uma boa foto, principalmente se a foto for de alguma paisagem. Se você observar revistas com fotos profissionais ou observar como as cenas são enquadradas na TV ou em filmes, perceberá que o objeto principal raramente está no centro da imagem. Os fotógrafos se baseiam no que provavelmente é a regra mais importante para a composição de uma foto: a Regra dos Terços. Essa regra divide virtualmente o enquadramento em partes iguais utilizando um símbolo que lembra um jogo-da-velha (algumas câmeras inserem o símbolo no visor para auxiliá-lo nessa função). A ideia é que os quatro pontos formados no enquadramento (onde as linhas do jogo-da-velha se cruzam) são áreas de interesse comum. Alocando o objeto em um desses pontos geralmente cria-se uma imagem harmoniosa. E sem dúvida, você perceberá que a maioria das fotos profissionais segue essa regra. Mas essa regra não precisa ser obedecida sempre, já que ela serve mais como um guia para registrar as imagens de forma menos amadora.

O esquema de três terços.

Alguns objetos, porém, merecem um tratamento diferenciado. Por exemplo, você pode alinhar seu assunto não em um dos quatro pontos, mas sim por toda a extensão de uma das linhas. Tal dica também vale no caso de o objeto a ser retratado ser muito grande e ocupar grande parte do enquadramento e não caber em um dos quatro pontos. Nesse caso o melhor a fazer é escolher um elemento interessante e se focar nele. Se você está fotografando uma pessoa ou um animal, os olhos são um bom local para se focar.

A Regra dos Três Terços.

Abaixo estão três fotos que tirei em uma praia de Florianópolis nos primeiros dias de 2012. Nessas fotos utilizei a Regra do Três Terços, enquadrando o objeto principal (no caso, os barcos) uma vez em cada quadrante. Veja o resultado final dessa experiência, escolha qual foto ficou melhor composta e assim entenderá melhor a Regra dos Três Terços.

Aqui os barcos estão no primeiro quadrante.

Aqui os barcos estão no segundo quadrante.

Aqui os barcos estão no terceiro quadrante.