Resumo de 2011

Se 2010 foi o pior ano de minha vida, 2011 foi um dos melhores, confirmando que anos ímpares sempre são os melhores anos para mim. Muita coisa boa aconteceu, muitas pessoas interessantes entraram em minha vida. Fiz muitas viagens, algumas que desejava fazer a muito tempo: Peru (Trilha Inca e Machu Picchu), Caminho da Fé (de bike), Canadá e Washington. 

O ano não foi perfeito totalmente, pois é praticamente impossível que um ano seja cem por cento bom. Tive momentos meio complicados, mas que foram curtos. Fiz algumas escolhas que no início achei que eram certas e logo descobri que eram erradas. O problema maior foi que insisti achando que as coisas deixariam de ser erradas e se tornariam certas. Após um tempo desisti de vez, mudei o rumo a seguir e tudo melhorou. 

E olhando para trás em 2011, percebo que muita gente entrou em minha vida nesse ano. Teve algumas pessoas que ressurgiram e outras saíram de vez de minha vida. E teve algumas poucas que ao mesmo tempo em que entraram em minha vida nesse ano, também saíram de minha vida em 2011. E o mais importante foi que consegui “apagar” de vez certas pessoas de minha vida. Finalmente aprendi a virar páginas, a esquecer, levantar a cabeça e seguir em frente. E o interessante é que tais pessoas que “apaguei” não eram tão importantes em minha vida como algumas vezes cheguei a imaginar. 

Então é isso, 2011 vai deixar muita saudade. E daqui um ano espero estar fazendo um novo resumo, contando que 2012 foi ainda melhor que 2011.

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR

Alguns momentos de 2011

Alguns momentos de 2011

Alguns momentos de 2011

Alguns momentos de 2011

Dez metas para 2012

Quem me mandou essa foi minha amiga Silvana Wierzchón.

10 METAS PARA 2012

1) Não arrumar problemas.

2) Encarar desafios.

3) Concentrar-se no trabalho.

4) Fazer exercÍcios.

5) Ajudar o próximo.

6) Cuidar dos amigos.

7) Estar preparado para dias difíceis.

8) Descansar mais.

9) Acreditar que nada é impossível.

10) Sorrir sempre...

Ody Park

Aproveitando os dias de calor que tem feito por aqui, fui para o Ody Park com alguns amigos. O parque aquático fica em Maringá e nessa época do ano está sempre lotado. Passamos um dia divertido e zoamos muito. Apenas não pude desfrutar de todas as atrações do parque, pois alguns toboáguas são meio radicais e não posso arriscar dar um mau jeito em minhas hérnias de disco, justo agora que elas não incomodam mais.

Galera reunida.

Toboágua.

Momento relax.

Sidão saindo do tubo.

Piscinas.

Mais um toboágua.

Jogando "Pitibol", com o Piti.

Urso, Dente, Maico, Vander, Sidão, Alan e Piti.

História de Natal curitibana

Ao fazer visitas pela cidade, me deparei com o Seu Celso e D. Maria, moradores de rua por pressão, pois foram despejados e enganados por pessoas que venderam sua casa e nunca lhes entregaram o dinheiro. Recebem ajuda de uma igreja que ás vezes paga uma noite em um hotel pra eles. Mas há 1 mês adotaram o Rex, que foi abandonado, empurrado de um “carrão de gente rica”, “não tive tempo de anotar a placa, senão ia levar na polícia, pois sei que isso é crime” disse o Sr sorridente e simpatia em pessoa, desde então não se hospedam mais no hotel que vez ou outra certa igreja paga. “Veja bem moça, se formos ficar na cama quentinha, não podemos levar o Rex, e ele tá tão triste que nem quer comer a ração”. Sim, Seu Celso compra ração pro rex com a venda das latinhas que cata, assim é que os 3 se alimentam diariamente. E a única coisa que eles querem é um emprego de caseiro, pois possuem habilidades para tal serviço, e Seu Celso tem carteira de motorista em ordem. Seu Celso, D. Maria e o Rex, passam os dias na praça do Atlético, este ponto de ônibus que os encontrei é o da Av. Iguaçu, bem em frente á praça. Ajudei como pude, na alimentação daquela tarde véspera de Natal, mas eles precisam mesmo é de um trabalho com moradia…

Fonte: Pet Sitter – Babás de animais (via Facebook)

Dia de Natal

E o dia de Natal foi divertido, mais uma vez passei em uma reunião de família, na fazenda de um tio. Foi um dia muito agradável e passou muito rápido. E ficou comprovado que atualmente estou “mais para o jogo do que para o amor”, pois teve a tradicional “cacheta” de Natal e dessa vez ganhei uma boa grana. E olha que eu não jogava desde o último Natal!

Com minha mãe e minha sobrinha.

A tradicional cacheta de Natal.

Sobrinha corajosa.

Meus pais e uma tia.

Feliz Natal!

Desejo um Feliz Natal a todos os amigos e demais seguidores do Blog. Que o Natal seja especial para vocês e que não vejam somente o lado consumista e de festa relacionados a essa data. Que vocês vejam principalmente o significado de amor que o Natal nos mostra, o lado espiritual, o nascimento de Jesus Cristo. 

Eu particularmente não curto Natal e outras datas comemorativas. Para mim todos os dias são iguais, e não vejo motivo para que certas datas sejam tão valorizadas, tão comemoradas. E algo que me incomoda no Natal é esse consumismo desenfreado que existe, onde muitas pessoas saem comprando sem parar e muitos nem tem como pagar, daí começam o ano cheio de dividas. O mundo não acaba no Natal e nem no Ano Novo, então não entendo por que muitos agem como se o mundo fosse acabar e exageram tanto nas compras, quanto nas festas e bebedeiras. 

E algo que sempre me incomodou no Natal foi lembrar daqueles que nada tem, daqueles que passam o Natal em “branco”, principalmente as crianças pobres que esperam um Papai Noel que não existe em todos os sentidos. Você alguma vez já saiu na noite de natal a rua e observou quantas pessoas passam tal noite sozinhas na rua, muitas vezes sem nada para comer? Isso é mais visível nas grandes cidades. Que tal nesse Natal fazer algo diferente, tipo dar uma volta pelo seu bairro ou pelo centro de sua cidade, e escolher alguém que não tem nada, que está sozinho no Natal e dar a ele um presente, um prato de comida que sobrou de sua ceia natalina. Tente fazer algo assim, que garanto que seu Natal então terá sentido e você entenderá o que é o tal espírito natalino ao ver o sorriso de agradecimento de tal pessoa. 

Boas Festa!! 

Bom Natal!!

Caminhada na Natureza em Rosário do Ivaí

Após a noite mal dormida o jeito foi levantar acampamento e ir tomar café. Fomos até o salão paroquial, onde estava sendo servido o café da manhã para os caminhantes. No cardápio muito suco de uva e uvas. Notei que tinha bem menos caminhantes do que ano passado. Acredito que por ser próximo ao Natal, muita gente já está de férias e viajando, talvez por isso que o número de caminhantes era muito inferior ao de outras caminhadas de que participei.

Após o café iniciamos a caminhada. Os demais caminhantes já tinham partido, e seguimos tranquilamente, pois nosso objetivo nunca é ser os primeiros a chegar, pois não estamos participando de uma corrida. Seguimos sempre em nosso ritmo próprio, conversando, curtindo a paisagem e fazendo paradas sempre que existe necessidade de descanso, ou então para observar e curtir melhor determinado local. Esse ano inverteram o trajeto, que foi o contrário do trajeto do ano passado. Achei tal idéia inteligente, pois para quem já tinha feito antes tal trajeto, dessa vez parecia estar fazendo um trajeto totalmente novo. É incrível como passar por um mesmo lugar, mas em sentido contrário muda tudo, é como caminhar em um outro lugar.

O sol estava muito quente e isso judiou um pouquinho de nós. Fisicamente estou muito bem, e a caminhada foi como um passeio no parque para mim. Nos últimos dias tenho treinado entre duas e três horas diariamente, fazendo caminhadas, correndo, andando de bike, fazendo aulas de RPM e musculação. Então meu preparo físico está muito bom e não senti nenhum cansaço durante a caminhada. Somente o sol quente é que judiou um pouco. Pelo caminho vez ou outra passávamos ou éramos passados por um grupo de Pitanga. Após tantos encontros durante a caminhada, chegou um momento e que começamos a caminhar um trecho junto com o pessoal de Pitanga e a conversar com as garotas do grupo. É legal esse tipo de intercâmbio que ocorre durante as caminhadas e onde sempre nasce alguma amizade.

Fizemos algumas curtas paradas para descanso e também nos postos de controle durante o trajeto. Nesses locais sempre tinha água gelada, o que era uma benção. Num dos pontos de parada, teve um rapaz que exerce um cargo na Prefeitura local, e cujo nome não lembro, que ao saber que não tínhamos dormindo por culpa do barulho, disse que ano que vem ele faz questão que vamos dormir na casa dele, pois lá não tem barulho. Esse é um dos momentos bons das caminhadas, conhecer pessoas que mesmo sem nos conhecer direito, nos convida para almoçar, jantar, dormir em suas casas. E quanto mais interior, melhor e mais sincera é acolhida.

Durante a caminhada passamos por muitas plantações de uva e dava para ver o pessoal trabalhando na colheita. Em alguns sítios por onde passamos, eram visíveis no quintal caixas e mais caixas de uvas colhidas. O cheiro de uva no ar era delicioso. Quase no final da caminhada passamos por um rio e como fazia muito calor e não tínhamos tomado banho na noite anterior e estávamos com poeira no corpo todo, descemos à ponte e fomos nos banhar no rio. Entrar na água fria após caminhar muitos quilômetros sob sol quente é algo prazeroso e relaxante. Após um tempo no rio, o jeito foi voltar à estrada e percorrer o último quilômetro da caminhada, que terminou no parque de exposições, onde estava sendo servido o almoço.

Almoçamos, conversamos um pouco com a Ivaldete, que é da Emater e uma das organizadoras das Caminhadas na Natureza no Paraná. Já a conhecíamos de outras caminhadas e ela sempre nos trata muito bem, tem sido muito atenciosa e nos dá dicas de locais para acampar. A Vanessa se inscreveu num concurso de quem mais comia uva, que aconteceria mais no final da tarde. Enquanto esperávamos o horário do concurso, fomos procurar um local para descansar. Encontramos um gramado ao lado de uma rua empoeirada, próximo ao campo de futebol e foi ali mesmo que deitamos para descansar. Eu estava com tanto sono, que logo dormi. Mesmo deitado sobre algumas pedras e com barulho em volta, dormi tão profundamente que cheguei a sonhar. Já dormi em lugares bem piores, então aquele gramado naquele momento parecia à cama de um hotel cinco estrelas.

Eram quatro horas quando voltamos ao parque de exposições. A Vanessa ocupou seu lugar em frente a um prato cheio de uvas. Eram quinze participantes do concurso de comedor de uva e ganhava quem comesse tudo em menos tempo. E só podia deixar os cachos das uvas no prato, o restante tinha que comer tudo. A Vanessa tinha tomado café da manhã e comido bastante no almoço, então sabíamos que as chances dela ganhar eram quase nulas. Mas como ela é “comilona” de repente podia ser a zebra do concurso. Foi divertido ver o pessoal comendo uvas desesperadamente, motivados pelo prêmio em dinheiro. A Vanessa não fez feio, comeu cinco cachos e ficou em penúltimo lugar. Ela vai treinar durante o ano e na próxima irá lutar bravamente pelo título de maior comedora de uva de Rosário do Ivaí. Os dois primeiros colocados eram de Campo Mourão, mas não conhecia nenhum deles.

Quase no final da tarde pegamos a estrada de volta para casa. Estávamos todos muito cansados, mas felizes, pois o final de semana foi muito movimentado e divertido. Na viagem tive que me esforçar para não dormir ao volante. Quando passamos por Lunardelli, fizemos uma parada para descanso e para beber algo gelado. Daí aproveitamos para conhecer a Capela de Santa Rita, que é famosa na região por ser milagreira. Não demoramos muito e voltamos à estrada. Mesmo cansados, o pessoal estava animado e conseguia fazer uma ou outra graça. E todos já estão pensando no próximo ano, nas próximas caminhadas e acampamentos. Uma pena que a Karina está mudando de cidade e não fará mais parte de nossa turminha de caminhantes. Então para finalizar, desejo em nome de todos uma boa viagem e muita felicidade a Karina nessa nova fase de sua vida.

Café da manhã com muita uva.

Bela paisagem no início da caminhada.

Shudy, Valter, Karina, Vanessa e Vander.

Momento de descanso e água gelada.

Caminhando sob sol forte.

Colheita da uva.

Banho de rio.

Olha o "peixinho"!!

Hora do almoço.

ZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz...

Vanessa no concurso de comer uva.

Os competidores gulosos.

Levando uvas para casa.

Festa da Uva, Show de Gilberto & Gilmar, e Acampamento em Rosário do Ivaí

No sábado fui para o último acampamento e caminhada do ano. Saí de Campo Mourão com a Vanessa e a Karina. A bagagem das duas praticamente ocupou todo o espaço do porta malas do carro. Em Engenheiro Beltrão encontramos o Valter e o Shudy, que tinham vindo de Maringá. Nos “amontoamos” os cinco no carro e seguimos em direção a Rosário do Ivaí. Ano passado estive na caminhada de Rosário, mas como fui de ônibus com o grupo do Jair, de Maringá, e dormi durante toda a viagem tanto na ida quanto na volta, eu não sabia direito parte do caminho. Então antes de sair de casa desenhei um mapa num papel e coloquei no bolso. Quando na estrada tirei o mapa do bolso, a Vanessa teve a idéia de colar o mapa com um chiclete no pára-brisa, e deu o nome de “GPS de pobre”. A partir daí a zoação correu solta e isso fez a viagem passar mais rápida e ser mais agradável. Rosário é o local mais distante onde já fui fazer caminhada, pois fica a 220 km de casa. E a cidade é meio que no “fim da linha”, pois tem a estrada asfaltada que acaba em Rosário e depois não tem mais nada, somente pequenas estradas de terra. A região é bonita, fica no meio de alguns morros. Quase no final da viagem passamos por um descida interminável, com uma vista linda, onde a Vanessa aproveitou para gravar um fiminho da paisagem e de nossa bagunça no carro.

Quando chegamos a Rosário já estava começando a escurecer. Paramos na entrada da cidade, onde existe a imagem de uma santa e de um imenso rosário de cimento estendido em um gramado. Tiramos algumas fotos ali, o Valter fez xixi no poste ao lado da praça e seguimos até o centro da cidade. Demos uma volta para descobrir um local onde poderíamos jantar e fomos até o parque de exposições. Andamos pelo parque, verificamos o horário do rodeio e do show sertanejo que aconteceria ali e voltamos para o centro. Paramos numa lanchonete e jantamos pizza. Ali aproveitamos para gravar um vídeo em comemoração ao aniversário da Marilene, que dessa vez não pôde ir conosco. A comemoração teve direito a vela (só não queiram saber de onde veio a vela) e parabéns para você, mas em vez de bolo a vela foi em cima da pizza. Depois comemos e ficamos papeando. Vale mencionar que a Vanessa cobriu todas as fatias de pizza que comeu, com maionese e Ketchup numa quantidade exagerada, como nunca vi alguém fazer. Achei que o dono da lanchonete ia cobrar o vidro de Ketchup, pois ela comeu quase um vidro inteiro.

Voltamos para o parque de exposições e demos uma volta por lá. Faz algum tempo que não chove em Rosário, e a poeira no local era de dar medo. Algo que nos chamou atenção ali foi que quase todos trajavam camisa xadrez e bota. Nosso grupinho destoava dos demais presentes, pois alguns usavam tênis e bermuda. Não demorou muito e começou o show com a dupla Gilberto & Gilmar. Assisti um show deles em 1987, em Campo Mourão. Conhecia quase todas as músicas que a dupla cantou no show, principalmente as mais antigas. Logo muita gente começou a dançar durante o show e subia tanta poeira, que em algumas fotos que tiramos é possível ver a poeira no ar. Como o show estava ficando animado, aproveitei para dançar um pouco também. Após o show, andamos um pouco pelo local e fomos procurar um lugar para acampar.

Montamos nosso acampamento em um campo de futebol, próximo ao parque de exposições. Já eram quase duas da manhã e o barulho e movimento de pessoas no local era grande, sinal de que teríamos um noite complicada para dormir. Não tinha onde tomar banho, e por estar me sentindo mal com tanta poeira no corpo, acabei me lavando numa torneira próxima. Depois fui para a barraca e tentei dormir, mas com tanto barulho próximo, levei um tempão para pegar no sono. Quando finalmente dormi, não demorou muito e fui acordado pela Vanessa, puxando meu pé. Ela queria a chave do carro, pois estava mal do estômago e queria pegar um remédio. Na hora lembrei que o motivo do mal estar só podia ser o monte de Ketchup que ela comeu. Tentei voltar a dormir, mais foi impossível. Além do som alto em muitos carros estacionados próximos, vez ou outra alguém soltava fogos de artifício.

Era quase cinco da manhã e eu tentando dormir, daí ouvi uns ruídos estranhos e fui olhar fora da barraca. Numa arquibancada perto, três caras e uma guria, todos bêbados, estavam organizando um tipo de orgia. Não demorou muito e dois dos caras correram pelados pelo campo de futebol. Voltei a tentar dormir e quando estava quase pegando no sono, ouvi gritos de Quero Quero. Dessa vez não teve galo me acordando como de costume, mas teve Quero Quero! Demorou um pouco e quando estava novamente pegando no sono, três cachorros começaram a correr pelo meio das barracas, brincando. Depois disso não lembro de mais nada, só sei que dormi com o dia amanhecendo. Devo ter dormindo cerca de uma hora e meia e acordei, pois com o sol aquecendo a barraca, era impossível ficar ali dentro. Eram quase oito da manhã, não tinha dormido nada, mas mesmo assim levantei animado para desmontar acampamento e ver o que o domingo nos reservava.

Entrada de Rosário do Ivaí.

Na arena do rodeio.

Vanessa e o ônibus de Gilberto & Gilmar.

Jantando pizza.

Show de Gilberto & Gilmar.

Público vendo o show, e a poeira aparecendo na foto.

Nossa turminha vendo o show.

Vanessa e Vander dançando.

Amanhecer no acampamento.

Aniversário da Marilene

Marilene, ontem foi seu aniversário e sabemos que por motivos pessoais você não pôde estar conosco em Rosário do Ivaí. E saiba que não esquecemos de seu aniversário. Não te ligamos de lá por que na cidade não funcionava nenhum celular TIM e todos tínhamos celular da TIM. Então resolvemos gravar o vídeo abaixo em sua homenagem. 

 

Todos somos gratos a você, pois foi graças ao projeto do Caminho de Peabiru, do qual você fazia parte, que todos nós e outros amigos que não estiveram em Rosário ontem, se conheceram e hoje formam essa turminha animada e cada vez mais unida. Foi o gosto por caminhadas, mato, acampamentos, poeira, rios, cachoeiras e bolhas nos pés que nos uniu. E a cada acampamento e caminhada, essa turma fica mais animada e vai nascendo um sentimento fraterno entre todos. Sabemos que nem sempre poderá estar conosco, pois tem outros assuntos mais importantes para resolver.

Todos os seus amigos caminhantes lhe desejam um Feliz Aniversário, e que mesmo estando cada vez mais “velhinha” você possa nos acompanhar nas caminhadas sempre que for possível.

Parabéns!!!!!

The Big Bang Theory

Quem me falou sobre The Big Bang Theory, foi minha amiga Andrea C. É que essa série é do mesmo produtor de Two And a Half Man, minha série favorita. Por curiosidade assisti um episódio de The Big Bang Theory, acabei gostando e não consigo mais parar de assistir. Em uma semana já assisti todos os 18 episódios da primeira temporada, e 12 episódios da segunda temporada. Nesse ritmo, em mais dez dias assisto todos os episódios, chegando aos atuais que são da quinta temporada. Virei fã da Penny… E me divirto com o Sheldon, que de tão inteligente chega a ser burro muitas vezes. Obrigado pela dica Andrea!!!!!

A Parábola do Cavalo

Um fazendeiro, que lutava com muitas dificuldades, possuía alguns cavalos para ajudar nos trabalhos em sua pequena fazenda. Um dia, seu capataz veio trazer a notícia de que um dos cavalos havia caído num velho poço abandonado. O poço era muito profundo e seria extremamente difícil tirar o cavalo de lá. O fazendeiro foi rapidamente até o local do acidente, avaliou a situação, certificando-se de que o animal não se havia machucado. Mas, pela dificuldade de alto custo para retirá-lo do fundo do poço, achou que não valia a pena investir na operação de resgate. Tomou, então a difícil decisão: determinou ao capataz que se sacrificasse o animal jogando terra no poço até enterrá-lo, ali mesmo. Os empregados, comandados pelo capataz, começaram a lançar terra pra dentro do buraco de forma a cobrir o cavalo. Mas, à medida que a terra ia caindo em seu dorso, o animal a sacudia e ela ia se acumulando no fundo, possibilitando o cavalo subir. Logo os homens perceberam que o cavalo não se deixava enterrar, mas ao contrário, estava subindo à medida que a terra enchia o poço, até que finalmente, conseguiu subir e sair do poço!!!

Se você tiver “lá em baixo”, sentindo-se pouco valorizado, quando, certos de seu “desaparecimento”, os outros jogarem sobre você terra da incompreensão, da falta de oportunidade e de apoio, lembre-se do cavalo desta história. Não aceite a terra que jogarem sobre você, sacuda-a e suba sobre ela. E quanto mais jogarem, mais você vai subindo, subindo, subindo… sorrindo, sorrindo, sorrindo…

Caminhada na Natureza em Faxinal

Após a noite acampados num hotel fazenda em Faxinal, seguimos bem cedo até a AABB, onde teria início a Caminhada na Natureza. Quando chegamos à AABB, me surpreendi com a quantidade de pessoas que estavam lá, se preparando para caminhar. Depois fiquei sabendo que foram 501 caminhantes inscritos. Andando pelo local e tirando fotos, me chamou atenção um grupo de caminhantes de Londrina, composto por muitas pessoas e todos uniformizados.

Fomos tomar café, mas já tinha acabado. O problema não foi culpa dos organizadores da caminhada, mas sim dos próprios caminhantes. Muita gente não faz inscrição antecipada pela internet e mesmo que os organizadores façam o planejamento do café para uma quantidade maior de pessoas, algumas vezes o número de pessoas que aparecem para caminhar ficar bem acima do esperado. Dessa vez foi isso que aconteceu, o número de caminhantes superou em muito o esperado, pois muita gente (inclusive eu) não fez a inscrição antecipada.

Como não tinha café, eu, Mariá, Marilene, Celso, Walter e Shudy, fomos tomar café em uma padaria próxima ao local onde estávamos. Quando voltamos para a AABB, o pessoal já tinha partido e fomos os últimos a iniciar a caminhada. A Mariá e a Marilene, logo pegaram carona num ônibus, pois queriam caminhar junto com o restante do pessoal. Eu e os meninos recusamos a carona e preferimos seguir caminhando.

Os primeiros quilômetros de caminhada foram por uma estrada de terra. Depois pegamos uma outra estrada também de terra e chegamos à cachoeira Chicão I. Descemos por uma trilha no meio do mato até chegar ao rio abaixo da cachoeira. Ficamos um tempo ali admirando a beleza do local e tirando fotos. Depois retornamos à estrada e seguimos por uma longa subida. Na metade da subida viramos a esquerda e passamos a caminhar por dentro de uma fazenda. A vista era bonita, e passamos por uma mata cheia de belas araucárias. Então passamos a caminhar pelo meio de um pasto, ora descendo, ora subindo morro. Entramos em um trecho de mata fechada e chegamos a mais uma cachoeira. Depois voltamos a caminhar pelo mato e em seguida por uma longa estrada de terra em meio a uma plantação de feijão. Atravessamos uma precária ponte de madeira sobre um rio e voltamos à estrada na qual tínhamos iniciado a caminhada.

Fizemos uma parada em um sítio, onde eram vendidos alguns produtos de artesanato. Fazia calor e aproveitei para provar um suco de laranja e cenoura que duas simpáticas senhoras vendiam. O suco tinha sabor de Fanta. Saindo do sítio caminhamos próximo a uma plantação de eucaliptos e logo passamos por uma cerca de arame e chegamos até uma espécie de caverna, ao lado de um rio. Tiramos algumas fotos na caverna e voltamos a caminhar, dessa vez dentro de uma mata e sempre próximo a um rio.

Quase saindo da mata, passamos por alguns dos integrantes do grupo de Londrina e acabamos conversando com alguns deles. O nome do grupo é Londrinapé, e eles fazem caminhadas praticamente todos os finais de semana. Seguimos caminhando e ao olhar para trás vi que uma das moças de Londrina estava tirando fotos de tudo o que via pela trilha. Então parei e perguntei para a tal moça se ela era bióloga, pois tenho uma amiga bióloga que tem o costume de tirar fotos de tudo o que se move e não se move, quando ela entra em uma mata. A resposta foi que ela era agrônoma, o que também explicava ela estar tirando fotos de tudo o que via na mata. Estávamos quase no final da caminhada, e iniciei uma gostosa conversa com a tal moça (Heverly) que seguiu até chegarmos ao hotel fazenda onde tínhamos acampado, e onde estava sendo servido o almoço para os participantes da caminhada.

Após almoçar, descansar e conversar fomos caminhar mais um pouco para conhecer a Cachoeira da Fonte. Seguimos alguns minutos por uma estrada e depois por uma trilha em meio à mata. Quando chegamos à cachoeira me surpreendi com sua beleza. A Cachoeira da Fonte tem 62 metros de altura e é muito bonita. Não pude resistir e junto com o Celso e o Shudy, entrei na água e fomos até próximo ao local onde a água da cachoeira caí no rio. A queda da água era tão forte que não dava para entrar embaixo. Mas não precisava entrar embaixo da cachoeira para ficar molhado, pois a água era borrifada em grande quantidade e a uma grande distância. Foi uma experiência muito gostosa ficar no rio próximo a cachoeira. Mas tudo o que é bom dura pouco e logo tivemos que voltar para o Hotel Fazenda. Lá esperamos o ônibus que nos levaria até a AABB para pegarmos os carros e voltarmos para casa.

O ônibus acabou atrasando e isso me fez perder a final do Campeonato Brasileiro, onde o meu Corinthians foi campeão. Mas não me importei em perder o jogo, pois o dia foi tão interessante que acabou valendo a pena cada momento dele. Além de conhecer novos lugares, também pude conhecer novas pessoas, algumas muito interessantes. Então valeu muito o final de semana, e que venham novos acampamentos e caminhadas.

Pessoal se reunindo para iniciar a caminhada.

Café da manhã na padaria.

Mari e Mariá.

Cachoeira Chicão I.

Araucárias.

Parada no sítio.

Caverna.

Caminhando na mata.

Vander e Heverly.

Cachoeira da Fonte.

Celso, Vander e Shudy.

Delíciaaaaaaaaaaaaaaaaa....

Prontos para ir embora.

Acampamento em Faxinal

Troquei um final de semana em Camboriú, por um acampamento e caminhada em Faxinal. Mas não me arrependo, pois além de estar resfriado e sem vontade de fazer uma viagem longa, quem me conhece bem sabe que prefiro montanha, mato e cachoeira, do que praia.

A ida até Faxinal foi tranqüila e dessa vez fui como caronista. Exagerei na dose do remédio para o resfriado e acabei dormindo um pouco na viagem. Mas acordei a tempo de ver que a motorista tinha passado direto por Faxinal. Não sei o que aconteceu, mas sei que quando acordei já estávamos uns 3 km após Faxinal. Daí foi dar meia volta e retornar a cidade. E com certeza vou pegar no pé da Mari por muito tempo, por culpa desse “deslize” por parte dela.

Em Faxinal encontramos nossos amigos de Maringá e seguimos alguns quilômetros por uma estrada de terra, até chegar ao Hotel Fazenda Cachoeira da Fonte. Lá armamos nossas barracas e ficamos esperando que fizessem à janta. Dei uma grande bobeira ao não levar nenhuma blusa e de ter levado somente bermudas. A noite fez muito frio, nem parecia que durante o dia tinha feito bastante calor. Sei que passei frio e tive que me enrolar no saco de dormir para poder ficar andando fora da barraca.

A janta estava muito boa e me acabei de tanto comer torresminho de porco. Depois fiquei conversando um tempo com o pessoal e daí fui olhar as estrelas. A noite estava limpa, sem nenhuma nuvem e com lua. O céu estava repleto de estrelas e consegui ver algumas estrelas cadentes. Mas chegou um momento em que o frio era tanto, que achei melhor entrar na barraca e tentar dormir. Com o frio a barraca se torna mais confortável e aconchegante. Próximo ao local onde acampamos, tinha uma cachoeira, e ouvir o barulho da mesma era quase uma canção de ninar. Dormi muito bem e só fui acordar de madrugada com o barulho do alarme da caminhonete da Mari, que disparou sem motivo. Voltei a dormir e depois fui acordado por uma sinfonia de galos. Eram dois ou três, e tinha até um garnisé, que cantava mais fino. É difícil um acampamento onde os galos não incomodem. Estou começando a pegar raiva desses “bichos penudos”… Acho que vou comprar um estilingue para levar nos próximos acampamentos!!!

O Waltério babando na cerveja…

Mari, Mariá e Walter.

Jantando no frio.

Acampamento ao amanhecer.

Cachoeira próxima ao acampamento.

Campo Mourão, cidade dos buracos…

“É pelas ruas da cidade que se conhece o Prefeito”. Éssa é uma antiga frase, que se for levada ao pé da letra, a moral do Prefeito de Campo Mourão, Nelson Tureck, é das piores possíveis. As ruas da cidade estão horríveis, não tem mais onde “colocar” buraco. O pior é que o prefeito vai a TV dizer que a culpa é de administrações anteriores, que fizeram asfaltos ruins. Essa desculpa é para “carneiro dormir” (somos a terra do Carneiro no Buraco). Em vez de inventar desculpas ele precisa é cuidar da cidade, que está cada dia pior. E agora a prefeitura e outros órgãos municipais só funcionam meio expediente. É uma vergonha total, temos um “prefeito virtual”, que só sabe dar desculpas.

Não sou filiado a nenhum partido político, não defendo nem esse nem aquele político, não gosto de política. Mas sou cidadão, pago meus impostos em dia e tenho o direito de exigir que os mesmos sejam bem utilizados e que aqueles que foram eleitos para cargos públicos cumpram sua parte. Sei que do jeito que está em breve Campo Mourão deixará de ser a cidade do “Carneiro no Buraco”, para ser somente “Cidade dos Buracos”…

Campo Mourão, cidade dos buracos.

Link para reportagem da RPC, em 03/12/2011, falando sobre os buracos em Campo Mourão: 0,,GIM1718170-7823-MORADORES+DE+CAMPO+MOURAO+RECLAMAM+DA+QUANTIDADE+DE+BURACOS+NAS+RUAS+DA+CIDADE,00.html