Halloween

Hoje é Halloween (Dia das Bruxas) e essa data é bastante comemorada no Canadá. Na verdade o Halloween é o Carnaval deles. Três semanas antes já era possível ver lojas e casas enfeitadas para o Halloween. Não é feriado, mas na noite do dia 31 existem muitas festas pela cidade e nas escolas se comemora tal data. A noite as crianças saem pelas ruas, batendo de porta em porta e dizendo “trick or treat” (travessuras ou gostosuras).

O Halloween é um evento tradicional e cultural, que ocorre com especial relevância no Canadá, Estados Unidos, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações de antigos povos, que no transcurso da história foram se misturando. Se analisarmos o modo como o Halloween é celebrado hoje em dia, veremos que pouco tem a ver com as suas origens: só restou uma alusão aos mortos, mas com um caráter completamente distinto do que tinha ao princípio. Além disso foi sendo pouco a pouco incorporada toda uma série de elementos estranhos as suas origens ancestrais. Originalmente, o Halloween não tinha relação com bruxas. Os Estados Unidos foi que popularizaram a comemoração, principalmente através de seus filmes que são exportados para o mundo todo.

Portão enfeitado para o Halloween.

Jardim enfeitado para o Halloween.

Com a loira cadáver...

Esqueleto assustado...

Wreck Beach (praia de nudismo)

Num raro sábado de sol eu e meu amigo Gilberto fomos andar de bicicleta. Entre muitos lugares que estivemos nesse passeio, o mais inusitado foi a Wreck Beach, uma praia de nudismo que fica dentro do campus da UBC – University of British Columbia. A praia fica embaixo de um penhasco e para chegar até ela é preciso descer uma escadaria de quase quatrocentos degraus. Mesmo com sol fazia frio, e com o vento que vinha do mar, a sensação térmica na praia era muito baixa. Mesmo assim tinha algumas pessoas tomando sol peladas. Interessante é que alguns fazem um tipo de “cercadinho” para se proteger do vento. Essa espécie de “cercadinho” é feita com um tipo de papelão que possui uma película de alumínio e que reflete o sol, esquentando um pouco quem está no “cercadinho”. Por razões obvias de privacidade não tirei fotos próximas onde havia algum nudista. E também por razões obvias não fiquei peladão, ainda mais com o frio que fazia.

Independente do fato de ser uma praia de nudismo, a praia de Wreck Beach é muito bonita. Num canto da praia é possível ver ao longe algumas montanhas com cume nevado. A nudez é opcional em toda Wreck Beach, no entanto os banhistas regulares consideram boa etiqueta que todos fiquem nus na praia e não fiquem apenas observando os que estão nus. Além disso, devido à proximidade de Wreck Beach com a University of British Columbia, muitos estudantes e até professores, podem ser encontradas nas areias da praia. Nos últimos anos, usuários da praia se opuseram aos planos da universidade que queria construir novos edifícios muito perto da borda do penhasco e com vista parcial para a praia. Isso tiraria a privacidade dos nudistas e por essa razão a universidade suspendeu seus planos, ao menos por enquanto.

Em Wreck Beach.

Um dos “cercadinhos”.

Bem ao fundo montanhas com o cume coberto de neve.

Burrard Bridge

Das pontes de Vancouver, a que mais vezes atravessei foi a Burrard Bridge. Passei por ela de carro, de ônibus, de bicicleta e a pé. E também passei por baixo dela em boa parte de sua extensão, num local meio deserto, mas que não chegava a dar medo.

Burrard Bridge é uma construção no estilo Art Deco e foi construída entre 1930 e 1932. Ela liga o centro de Vancouver com Kitsilano Beach. A Ponte tem calçadas para pedestres em ambos os lados e recentemente uma das pistas de automóveis foi isolada para uso exclusivo de ciclistas. A ponte possui um enorme vão central para permitir altura suficiente para que navios passem por baixo dela.

Burrard Bridge.

Burrard Bridge.

Ciclistas atravessando a Burrard Bridge.

Passagem de pedestres e mirante no alto da Burrard Bridge.

Ao fundo a Burrard Bridge.

Lions Gate Bridge

Em minha opinião a ponte mais bonita de Vancouver é a Lions Gate Bridge. Ela é uma antiga ponte suspensa, que liga o centro ao norte de Vancouver. Uma ampla avenida que corta ao meio o Stanley Park chega até a ponte e por ela é possível chegar até North Vancouver. O nome Lions Gate deriva do nome de um conjunto de montanhas ao norte da cidade. A ponte possui um comprimento total de 1.823 metros e seu vão principal é de 473 metros de altura. A altura de sua torre é de 111 metros. Por baixo dela passam navios que chegam e saem do porto de Vancouver. A ponte possui três faixas reversíveis com uso indicado por placas de sinalização. Em suas laterais existem vias menores para trânsito de pedestres e ciclistas. Nos dias de tráfego mais pesado a ponte chega a ser utilizada por mais de 70 mil veículos e é proibido o tráfego de caminhões na ponte. A ponte é considerada patrimônio histórico do Canadá, tendo sido tombada em 2005.

Desde 1886 existia a vontade de se construir uma ponte que ligasse a região central de Vancouver, até o norte. O ponto mais curto para travessia do mar era justamente ao lado do Stanley Park, e por essa razão se levou muitos anos até que se conseguisse construir uma ponte no local, derrubando muitas árvores do parque. Alfred James Towle Taylor, que foi quem venceu a concorrência para a construção da ponte, não tinha as finanças suficientes para executar a empreitada. No entanto, ele foi capaz de convencer a família Guinness (donos da famosa marca de cerveja Guinness) a investirem na construção da ponte. A construção começou em 31 de março de 1937. O tráfego de veículos na ponte foi aberto em 14 de novembro de 1938. Em 29 de maio de 1939, o Rei George VI e a Rainha Elizabeth presidiram a abertura oficial durante uma visita real ao Canadá. Um pedágio de 25 centavos passou a ser cobrado por cada carro. Em 20 de janeiro de 1955, a família Guinness vendeu a ponte para o governo da Província de British Columbia. E em 1963, os pedágios foram retirados.

Lions Gate vista a partir do Stanley Park.

Início da Lions Gate.

Sobre a Lions Gate, tendo North Vancouver ao fundo.

Atravessando a Lions Gate de bike.

Lions Gate em North Vancouver.

Ciclistas atravessando a Lions Gate.

Downtown e Stanley Park vistos de cima da Lions Gate.

Granville Street Bridge

Após conhecer a parte de baixo da ponte Granville Street Bridge (ver post sobre Granville Island), tive curiosidade em conhecer a parte de cima da ponte. Então em um dos meus passeios a pé pelo centro de Vancouver, resolvi ir a pé até em casa, passando por sobre a Granville Street Bridge. Na ponte existe uma larga calçada para pedestres, o que torna seguro a travessia da mesma. E pude ver que ela é bastante utilizada por pedestres. A vista de cima da ponte é muito bonita. De negativo foi que nesse dia ventava muito e fazia frio, então a sensação térmica sobre a ponte não era das mais agradáveis.

Granville Street Bridge é uma ponte de oito pistas e está 27,4 metros acima de Granville Island. A ponte original foi concluída em 1889, e era de madeira. Em 1891 essa ponte foi alargada em ambos os lados e recebeu faixas exclusivas para bondes. A segunda ponte no local foi concluída em 1909 e feita em aço. A ponte atual foi inaugurada em 1954 e a estrutura de oito pistas foi construída no mesmo alinhamento que a primeira ponte. O primeiro “civil” que conduziu um carro sobre a nova ponte em 1954, foi a mesma mulher que foi a primeira pessoa a conduzir um carro sobre a segunda ponte em 1909. Ela tinha ficado viúva entre as duas inaugurações, e por isso teve um nome diferente registrado em cada inauguração. Nas duas vezes ela esteve ao volante de um novíssimo Cadillac. 

Granville Street Bridge.

Atravessando a Granville Street Bridge.

Vista do alto da ponte.

Granville Street Bridge vista a partir de Granville Island.

Grouse Mountain

A Grouse Mountain é uma das montanhas que ficam ao norte da cidade de Vancouver e a mais próxima da cidade. Ela tem pouco mais de 1.200 metros de altitude. Possui uma pequena área para esqui alpino e é um local bastante visitado, tanto no inverno para atividades na neve, quanto nos períodos sem neve. Para chegar ao seu topo existe um serviço de teleférico e uma trilha de quase três quilômetros, muito utilizada por quem gosta de caminhadas na mata.

Teleférico subindo a montanha.

Estação de esqui no alto da montanha.

Escultura de um urso grizzly.

No alto da montanha, após subir pela trilha.

Descendo a montanha de teleférico.

Grouse Grind Trail

Subi a Grouse Mourtain pela Grouse Grind Trail, uma trillha de 2,9 quilômetros que segue pelo meio da mata montanha acima. O grau de dificuldade da trilha não é dos maiores, mas é preciso ter um condicionamento físico razoável para percorrê-la. Ela é bastante utilizada por quem gosta de caminhadas na mata e cerca de cem mil pessoas a percorrem todos os anos. Logo no início da trilha existe uma placa alertando para tomar cuidado com ursos. Para quem não está acostumado é meio assustador. Pela proximidade com a cidade, a presença de ursos na trilha não é tão comum. Mesmo assim existe o risco de aparecer algum urso, então sempre procurei ficar próximo a outros caminhantes que estavam subindo a montanha, pois não tinha intenção de virar comida de urso. Não tive muita dificuldade em chegar até o topo e levei 1h02min para percorrer toda a trilha, o que é um bom tempo. Estava bem frio quando fiz a trilha, mesmo assim tirei minha blusa logo no início da caminhada, pois passei a sentir calor e a transpirar muito. O problema foi quando cheguei ao topo e minha camiseta estava molhada e a temperatura lá no alto era ainda mais fria. Desci a montanha utilizando o teleférico e pude observar a bela vista que se tem da cidade lá do alto.

Grouse Grind Trail.

Cuidado com os ursos.

Parte da trilha que tinha percorrido.

Grouse Grind Trail.

Momento de descanso e água.

Quase no final da trilha.

Sempre subindo.

Chegando ao fim da trilha.

Lonsdale Quay Market

Na parte norte de Vancouver estive algumas vezes no Lonsdale Quay Market, que faz parte do terminal do SeaBus. O local possui um pequeno mercado público com bancas de legumes, frutas, peixes, pães e alguns cafés e restaurantes com comidas típicas de vários países. Num de seus restaurantes fiz uma de minhas poucas experiências alimentares, algo que sempre evito em viagens. Provei um sanduíche da culinária mediterrânea e acabei gostando. O Lonsdale Quay Market tem no seu andar superior lojas de produtos artesanais como jóias, cerâmicas e tecidos. O complexo também possui um hotel, um bar e um nightclub.

Lonsdale Quay Market.

Interior do Lonsdale Quay Market.

Interior do Lonsdale Quay Market.

Polvo a venda.

Lonsdale Quay Market.

SeaBus

Utilizei o SeaBus algumas vezes, para ir do centro até a região norte de Vancouver. O SeaBus é um ferry, que transporta passageiros. São dois ferrys funcionando de forma simultânea, um em cada sentido e eles se encontram no meio da travessia, que leva entre 10 e 12 minutos. A travessia permite ter uma bela visão do centro de Vancouver e de seus altos edifícios.

O serviço de travessia entre o centro de Vancouver e a região norte da cidade, existe desde 1900, quando funcionava com barcos de madeira. O atual sistema de ferrys do SeaBus funciona desde 1977. Existem catracas para entrada no ferry, mas elas funcionam somente para contagem de passageiros. Quando o número maximo de passageiros é atingido, as catracas travam e não deixam mais ninguém entrar. Não é feito nenhum tipo de cobrança de passagem na entrada da estação de embarque ou no próprio ferry, mas é preciso embarcar tendo um ticket de transfer de ônibus válido, ou do ferry. Eventualmente são feitas fiscalizações dentro dos ferrys, e se algum passageiro não estiver portando o ticket de embarque, ele tanto pode ser retirado do ferry ou levar uma multa de U$ 173,00.

Catracas para embarque no SeaBus.

Fila para embarque.

O centro de Vancouver visto de dentro do SeaBus.

Dentro do SeaBus.

O SeaBus chegando a estação de North Vancouver.

Deep Cove

Um local simpático e bonito que estive visitando, foi Deep Cove, uma pequena comunidade localizada em frente a uma baía. O local é próximo a Vancouver, fica a cerca de 13 quilômetros da cidade, no sopé do Mount Seymour. A área de Deep Cove é um território tradicional da nação Salish Squamish, nativos que viviam e ainda vivem na região há milhares de anos.

A comunidade de Deep Cove.

Deep Cove.

Baía de Deep Cove.

Deep Cove.

O pier de Deep Cove.

Deep Cove.

Mount Seymour

O Mount Seymour é uma das montanhas que ficam na parte norte de Vancouver e que pode ser vista de quase todas as partes da cidade. Tem 1.449 metros de altura e nele funciona uma estação de esqui desde 1937. Por causa de seu fácil acesso rodoviário e estacionamentos amplos, Mount Seymour é muito utilizado como local de filmagem. Alguns filmes e séries de TV foram rodados em suas florestas e encostas nevadas. Os mais conhecidos foram a série Arquivo X e o filme Eclipse, da saga Crepúsculo.  Em dias de tempo bom a vista do alto do Mount Seymor é muito bonita e ampla, onde entre outras coisas é possível ver ao longe o Mount Baker, um vulcão ativo e com neve eterna em seu topo, que fica em território dos Estados Unidos a dezenas de quilômetros de distância.

A esquerda na foto o Mount Baker.

No alto do Mount Seymour.

Em Mount Seymour.

Pôr do sol na praia

Aproveitando um dos raros dias de sol em Vancouver, fui dar uma volta de bicicleta e ver o pôr do sol na praia. Foi um espetáculo muito bonito ver os últimos raios de sol iluminado ao longe os muitos “prédios de vidro” do centro da cidade. O único problema foi que dei bobeira e deixei que uma onda molhasse meus pés. A água estava congelante e como fazia frio fui correndo para casa, pois ficar com os pés molhados e gelados não foi uma experiência muito agradável.

Ao fundo o centro de Vancouver.

Pôr do sol na praia.

Pôr do sol na praia.

BC Place Stadium

Fui assistir outro jogo de futebol do Whitecaps, time profissional de Vancouver. Dessa vez o jogo foi no BC Place Stadium, que tinha acabado de ser reinaugurado, após ter passado por uma milionária reforma. O estádio é muito bonito, inclusive tem cobertura retrátil que pode ser fechada em dias de chuva ou de neve. Com certeza esse foi o melhor e mais bonito estádio onde já entrei.

Dessa vez dei sorte para o time da casa, que venceu o time norte americano do Real Salt Lake. O placar foi de 3 x 0 para o Whitecaps, com direito a dois gols de pênalti do brasileiro Camilo. O estádio possui um telão gigantesco, que transmitiu o jogo em tempo real. Não sei se é por estar habituado a ver jogos pela TV, mas o fato é que muitas vezes eu esquecia de olhar o jogo no campo e ficava vendo o jogo pelo telão. O engraçado é que a imagem do telão estava invertida para o lado em que eu estava sentado. Ou seja, o time no campo atacava para o lado direito de onde eu estava, e no telão aparecia ele atacando para o lado esquerdo.

BC Place Stadium.

Momento dos hinos.

No meio da torcida do Whitecaps.

Intervalo de jogo.

Torcida animada.

Corredor interno do estádio.

Superman em Vancouver

Na última semana estive duas vezes nas proximidades do Stanley Park e pude ver uma enorme estrutura montada. São muitos carros, caminhões, carretas, equipamentos diversos e pessoas. Tudo isso está num local do parque que foi cercado e muitos seguranças cuidam para ninguém se aproximar. Pela internet descobri que nesse canto do Stanley Park estão gravando cenas do próximo filme do Superman. As cenas que estão sendo gravadas ali, no filme aparecerão como se tivessem acontecido no Alaska. Mesmo não conseguindo ver nada da gravação em si, foi uma experiência interessante ver toda a movimentação no local e fiquei abismado com a estrutura montada e a quantidade de pessoas envolvidas na produção do filme. Não é a toa que tais filmes custam milhões de dólares.

Alguns veículos da produção do novo filme do Superman.

Henry Canvill o novo Superman, durante gravação semana passada em Vancouver. A foto é do site TMZ.

Homem de Pedra

Logo que chegamos de gôndola no alto da montanha de Whistler, uma das coisas que vi e que me chamou atenção foi o Homem de Pedra, uma espécie de escultura feita com pedras sobrepostas. Na verdade essa escultura é um inunnguac, uma tradicional escultura de pedra que era utilizada pelos Inuit, indígenas nativos do Canadá. Esses marcos de pedra serviam para demarcar rotas de viagem, locais de pesca, territórios de caça e etc. Existiam outros tipos de marcos, mas os inunnguac representavam sempre uma figura humana.

Um inunnguac estilizado foi usado como logotipo da Olimpíada de Inverno de 2010, que aconteceu em Vancouver e que teve Whistler como sub sede. O logotipo foi inspirado em um inunnguac existente no Stanley Park, em Vancouver. Os designers gráficos locais Elena Rivera MacGregor e Alatorre Gonzalo, foram os criadores do logotipo que tornou os inunnguac conhecidos em todo o mundo.

O Homem de Pedra, na chegada a montanha de Whistler.

Inunnguac (Homem de Pedra).

Logo da Olimpíada de Inverno.

Whistler Village

Whistler Village possui uma população fixa de pouco menos de dez mil habitantes, além de habitantes temporários durante o período de esqui. É um local bastante simpático e após as Olimpíadas de Inverno de 2010, ganhou uma bela praça dedicada as Olimpíadas, onde alguns monumentos como os Anéis Olímpicos e a Pira Olímpica, marcam que aquele local foi palco de um grande e importante evento esportivo.

Para encerrar nosso passeio, após descermos das montanhas caminhamos um pouco pela Vila, entramos em algumas lojas e jantamos num dos restaurantes locais. Foi um dia perfeito, muito alegre e onde o tempo ajudou com um sol maravilhoso após muitos dias de chuva.

Passeando por Whistler Village.

Whistler Village.

Loja da Polícia Montada.

Whistler Village e parte da Praça Olímpica.

Pira Olímpica.

Anéis Olímpicos.

Jantar em Whistler.

Whistler Peak 2 Peak

Fizemos a travessia entre as montanhas de Whistler e Blackcomb, utilizando o sistema de gôndolas PEAK 2 PEAK, que foi inaugurado ano passado para a Olimpíada de Inverno. A “viagem” na gôndola é de tirar o fôlego, tanto pela altura, quando pela paisagem que se vê lá do alto. A travessia entre as duas montanhas leva 11 minutos, e a distância percorrida é de 4,4 quilômetros. A construção de PEAK 2 PEAK quebrou três recordes mundiais: o mais longo período sem suporte  que é de 3,024 km; maior elevação de seu tipo com 436 metros acima do fundo do vale; maior sistema de elevação contínua no mundo.

Mapa das montanhas.

Embarque na gôndola.

Gôndolas do sistema PEAK 2 PEAK.

Apreciando a vista.

Travessia PEAK 2 PEAK.

Laura, Yoko e Gilberto.

Travessia de 11 minutos.

Vander e Yoko.

Whistler Blackcomb

Whistler é uma estação de esqui. Ela engloba uma vila com diversos hotéis, restaurantes, bares e residências. Existem duas montanhas preparadas para o esqui, a Whistler e a Blackcomb. A descida de 1.562 metros em Blackcomb é maior do que qualquer outra estação de esqui na América do Norte. Whistler Blackcomb tem uma área esquiável de 8.171 acres. Algumas pesquisas indicam que Whistler Blackcomb é a maior área destinada ao esqui no mundo, porém devido à prática de diversas estações de esqui Européias (as maiores na França, Áustria e Suíça) de medir a área das pistas ao invés da área total, uma resposta definitiva seria atualmente imprecisa. Blackcomb possui uma geleira que permite condições favoráveis de esqui até mesmo no verão de junho à agosto. Durante as Olimpíadas de Inverno de 2010, cuja sede foi em Vancouver, em Whistler foram disputadas as modalidades de slalon, GS, bobsleigh, luge, e skeleton.

Blackcomb.

Gilberto "espancando" o Leão da Montanha.

Bela vista.

Vander e Yoko.

Boneco de neve meio defeituoso.

Yoko e Laura relaxando.

Curtindo a paisagem.

Yoko e Vander.

Vander e Laura.

Na volta de Blackcomb, gôndola panorâmica.

Whistler

Aproveitamos um domingo e fomos visitar Whistler, que é uma vila e estação de esqui distante 125 km de Vancouver. Fui eu, Gilberto, Yoko, Laura e seu filho. Demos sorte, pois fez um lindo dia de sol, coisa muito rara de acontecer por aqui nessa época do ano. Com tempo bom foi possível ver toda a beleza das montanhas nevadas dessa região do Canadá.

Cerca de dois milhões de pessoas visitam Whistler anualmente, principalmente para praticar esqui alpino e moutain biking. Whistler foi sub-sede das Olimpíadas de Inverno de 2010, cuja sede foi em Vancouver.

Subindo da Vila de Whistler até a montanha de Wistler.

Gilberto e Vander, na gôndola.

Trenó de bobsleigh, da Olimpíada de Inverno.

Estação de esqui.

Gilberto, Laura e o homem de pedra.

Nossa "turminha" reunida.

Lago que em breve congelará e será utilizado para patinação.

Caminhando na neve.

Yoko e Gilberto.

Observando a bela paisagem.

Biblioteca Pública de Vancouver

Estive conhecendo a Biblioteca Pública de Vancouver e saí de lá encantado com tudo o que vi. A começar pelo prédio, que lembra o Coliseu de Roma, tudo na biblioteca é moderno e organizado. Aproveitei para ver se encontrava algum livro sobre as expedições para descoberta do Polo Sul (apesar de Vancouver ficar mais perto do Polo Norte) que é um assunto do qual gosto muito. Eu que tenho 15 livros sobre o assunto em minha coleção, acabei encontrando 54 livros sobre tal tema. Como começou a chover, resolvi passar algumas horas na biblioteca olhando esses livros sobre as expedições polares. No final das contas acabou sendo um passeio cultural e bastante interessante.

Biblioteca Pública de Vancouver.

Biblioteca Pública de Vancouver.

Biblioteca Pública de Vancouver.

Vendo livro sobre a descoberta do Polo Sul.