Um pouco de Mário Quintana

PRESENÇA

É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas,
teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento
das horas ponha um frêmito em teus cabelos…
É preciso que a tua ausência trescale
sutilmente, no ar, a trevo machucado,
as folhas de alecrim desde há muito guardadas
não se sabe por quem nalgum móvel antigo…
Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e luminosa, no ar.
É preciso a saudade para eu sentir
como sinto – em mim – a presença misteriosa da vida…
Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista
que nunca te pareces com o teu retrato…
E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te.

Mário Quintana

Mário Quintana

O Vampiro de Curitiba

Mencionei O Vampiro de Curitiba em uma postagem e vieram me pedir mais informações sobre ele. Esse vampiro curitibano é personagem de um livro de Dalton Trevisan. A primeira vez que vi algo sobre ele foi no início dos anos oitenta, em um anúncio sobre o livro, publicado em um gibi. Na época eu era uma criança interiorana que eventualmente ia a Curitiba visitar meus avós. E quando vi o livro no anúncio, imaginei que o tal vampiro era real, que em Curitiba realmente vivia um vampiro. E nas visitas seguintes à casa de meus avós evitava sair sozinho à noite, com medo do vampiro. Anos depois descobri que o tal vampiro não chupava sangue, e que seu vampirismo era a busca constante do prazer, de sexo. Li o livro pela primeira vez aos 15 anos e depois fiz mais duas releituras. Mesmo assim nos quase vinte anos que acabei vivendo em Curitiba, vez ou outra ao andar pela cidade ficava imaginando se o tal vampiro curitibano de minha infância era mesmo personagem de um livro, ou se ele teria uma versão real. Essa duvida persiste até hoje e prefiro deixar que ela permaneça assim.

Sobre o livro: O Vampiro de Curitiba foi publicado em 1965. O livro é a reunião de 15 contos que apresentam somente um fio condutor quanto aos aspectos temáticos, personagem, linguagem e estilo. Nelsinho é o protagonista dos contos. É o vampiro literário. Um curitibano que segue, persegue e assedia velhinhas, senhoras respeitáveis e carentes; virgens e prostitutas, agoniado e indeciso. Nelsinho é um caçador implacável e segue a presa até a exaustão; quase sempre é bem sucedido. O vampiro representa o apetite de viver o ato libidinoso, que renasce tão logo é saciado.

O autor do livro: Dalton Trevisan nasceu em Curitiba, no ano 1925. É reconhecido como um dos maiores mestres do conto. Entretanto esconde-se da fama: não dá entrevistas, não cede o telefone a ninguém, não recebe visitas e são raras as suas fotografias. É um sujeito arredio, solitário e misterioso.

Livro: O Vampiro de Curitiba

Dalton Trevisan

Curitiba noturna

Estive em Curitiba nas duas últimas semanas e entre outras coisas, aproveitei para fazer caminhadas noturnas pelo centro da cidade. Isso era algo que eu fazia muito quando morava em Curitiba, principalmente nos anos em que vivi no centro da cidade. Adorava sair andando sem rumo, indo de um canto a outro do centro, observando as pessoas e o movimento noturno. Sempre tomava o cuidado de não levar carteira, celular ou algum outro objeto de valor, pois costumava caminhar também por lugares perigosos do centro. Encantava-me observar os tipos noturnos da cidade, os boêmios, os bêbados, os drogados, os mendigos, as putas. Todos os personagens que vivem na noite curitibana, que circulam por suas ruas e igual ao Vampiro de Curitiba desaparecem ao nascer do dia.

Em minhas caminhadas noturnas sempre evitei o contato com as pessoas. Raramente era abordado por alguém, e quando isso acontecia preferia ficar em silêncio e seguir meu caminho. Sempre tive especial predileção por caminhar em noites frias, pois para mim a cidade tinha um aspecto diferente nessas noites, onde a quantidade de personagens noturnos é bem menor. Os ruídos da cidade, seu cheiro, o movimento de pessoas e carros, tudo é diferente durante a noite. É dessa Curitiba noturna e exótica que sinto saudades agora que vivo distante dela. Por isso que em minha recente visita a cidade, procurei fazer algumas caminhadas noturnas e reencontrar antigos lugares e personagens noturnos, bem como descobrir novos lugares e personagens. A cidade é mutante e mesmo que essa mutação ocorra num ritmo lento, quando se fica muito tempo ausente da cidade é mais fácil perceber tais mutações.

Iniciei essas caminhas noturnas no distante ano de 1993 e por muitas vezes me senti o próprio Vampiro de Dalton. Já outras vezes senti que estava sendo observado pelo Vampiro de Curitiba, escondido atrás de alguma janela da adormecida cidade.

Bondinho da Rua XV. (09/07/2011)

Catedral. (09/07/2011)

Praça Generoso Marques. (09/07/2011)

Paço da Liberdade. (09/07/2011)

Brinquedinho novo

Tenho um novo “brinquedo” para me divertir. Acabo de adquirir uma bike, que foi montada de acordo com meu biotipo e também para que eu não force muito minhas hérnias de disco. Fiquei um bom tempo procurando uma bike para comprar, que estivesse de acordo com o que eu precisava. Não encontrava uma bike que tivesse tudo o que eu queria, até que descobri que era possível montar uma. Ou seja, comprei tudo separado, de acordo com o que buscava e montei a bike. Saiu um pouco mais caro, mas ficou perfeita, sob medida. E ela ficou bem leve, por ser quase toda em aluminio pesa a metade do que minha bike anterior pesava. Isso faz muita diferença, principalmente quando está toda equipada. Agora não vejo a hora de coloca-lá na estrada e pedalar muito. O problema é que estou machucado e vai demorar algumas semanas até eu poder estrear o novo brinquedo.

Nova companheira de aventuras.

+ Gibicon

No sábado a tarde estive mais uma vez na Gibicon e dessa vez aproveitei para pegar autógrafos do Fabio Civitelli e do Lucio Filippucci. Peguei mais para amigos do que para mim mesmo. E na fila de autógrafos conversei com muita gente e também encontrei mais amigos, como o Gervásio Freitas, Nilson Farinha, Sergio Starepravo, Ezequiel e sua esposa, Nei e sua filha.

Um fato que achei interessante foi que duas pessoas vieram conversar comigo, dizendo que tinham me reconhecido da internet. Um viu fotos minhas da Comix do ano passado, e outro viu a entrevista para o Blog do Tex. Estou ficando famoso… rs!

1) Com Nei e sua filha. 2) Com Nilson Farinha, Nei e Gervário Freitas. 3) Com Sergio, Valdivino e Gervásio Freitas. 4) Com Ezequiel e Valdivino.

Fila para autógrafos e desenhos exclusivos.

Com Fabio Civitelli.

Com Lucio Filippucci.

Com Miss McCartney (Renata).

Mostra sobre Tex

Na sexta-feira a noite, na Gibicon, aconteceu a inauguração da Mostra “A Lenda de Tex”, com diversas ilustrações originais vindas da Itália, cedidas pela Editora Bonelli. A inauguração da Mostra contou com a presença dos consagrados desenhistas de Tex, Fabio Civitelli e Lucio Filippucci. A Mostra conta com diversas gravuras e releituras de Tex feitas por artistas de diversas nacionalidades. Na mesma noite, no mesmo local também foi inaugurada a Mostra “Tex Brasileiro“, uma exposição de releituras de Tex, feitas por autores de todo o Brasil, como Mike Deodato Jr, Odyr, Sama, Carlos Paul, Bira Dantas, Fulvio Pacheco, José Aguiar e outros.

Participei da inauguração da Mostra, onde entrei junto com os dois desenhistas italianos, com Julio Schneider (tradutor da Mythos Editora), Dorival Vitor Lopes (Editor da Mythos Editora), com os amigos Paulo Possebon, Valdivino e seu filho Jhon. A abertura da Mostra teve rápidos discursos e depois foi servido um coquetel. No meio da sala de exposição três músicos tocavam músicas do velho oeste e num canto era mostrado um vídeo com fotos do velho oeste e gravuras do Tex. Logo após a abertura do evento, o espaço reservado a Mostra foi aberto para o público, que compareceu em peso. O Valdivino adorou o coquetel, principalmente um salgadinho com uma pimenta em cima e que desceu ardendo goela abaixo… rs!

Fiquei um bom tempo andando pelo local da Mostra e observando as várias gravuras de Tex. Também aproveitei para conversar com algumas pessoas. Achei interessante três visitantes que estavam vestidos a caráter. Estes visitantes criaram personagens próprios, num misto de faroeste pós-moderno e pank. Ficou uma mistura bastante interessante.

Entrada da Mostra Tex. Filippucci e Vander. Filippucci assinando sua obra.

Momentos da abertura da Mostra sobre Tex.

Mostra sobre Tex.

Momentos da Mostra.

Gibicon

Na última sexta-feira estive no Memorial de Curitiba, onde acontecia à primeira Convenção Internacional de Quadrinhos de Curitiba, a GIBICON número zero. Por esquecimento acabei perdendo a palestra sobre o Tex. Cheguei no momento em que acontecia uma sessão de autógrafos com dois desenhistas italianos de Tex: Fabio Civitelli e Lucio Filippucci. O Civitelli eu já conhecia da Comix do ano passado, em São Paulo. Achei interessante que ele ao me ver me reconheceu. Não lembrou do meu nome, mas se dirigiu a mim como o “viajante”. Não entrei na fila de autógrafos, pois tinha um compromisso importante logo em seguida. Fiquei circulando pelo local e aproveitei para falar com alguns amigos de outros encontros de quadrinhos. Entre esses amigos falei com o Felipe e sua esposa, com Julio Schneider, Dorival Vitor Lopes e Valdivino.

Gibicon 2011

Memorial de Curitiba, local da Gibicon.

Com Valdivino, Julio, Felipe, sua esposa e filha.

Lucio Filippucci e Fabio Civitelli "trabalhando".

Tarde de autógrafos.

O blog no Twitter

Hoje no final da noite fui dar uma olhada nas estatísticas do Blog, algo que eventualmente faço por curiosidade. E nessa verificação me supreendeu os 300 e poucos acessos num único dia, o que não é normal, pois a média diária de acessos varia de 100 até 160 acessos. Então fui verificar de onde vinham os acessos e descobri que a maior parte deles vinha do Twitter. Verificando as estatísticas do Blog desde sua criação, descobri que ele nunca antes tinha sido acessado via Twitter, ou seja, o Blog nunca tinha sido mencionado no Twitter. Tomado de curiosidade continuei investigando as estatísticas e descobri que hoje tinha sido publicado no Twitter de um fã clube e também no Twitter oficial de Maria Cecília & Rodolfo, o link da postagem sobre o show de ontem, que foi publicado no Blog hoje. Então foi essa a razão de tantos acessos via Twitter no dia de hoje. Fiquei contente com isso, de que o Blog está sendo cada vez mais visitado e divulgado em outras ferramentas da internet. E outro detalhe interessante  foi que o pequeno vídeo do show que postei no Youtube e publiquei no blog, teve 122 acessos somente hoje.

Twitter oficial de Maria Cecília & Rodolfo.

Twitter do Fã Clube F. S. I.

Show de Maria Cecília & Rodolfo

O encerramento da Festa do Carneiro no Buraco, foi com o bom show de Maria Cecília & Rodolfo. Milagrosamente o show iniciou no horário, o que fez com que muita gente perdesse o início do show. Eu só consegui entrar no local do show quando a quinta música estava sendo cantada. O normal é sempre o início de shows atrasarem, por isso que muita gente foi pega de surpresa. De qualquer forma o show valeu a pena, o público estava animado e os grandes sucessos da dupla foram cantados. Na metade do show ocorreu falta de energia, e o show foi interrompido durante vinte minutos, para depois recomeçar ainda melhor.

Show de Maria Cecília & Rodolfo. (10/07/2011)

Show de Maria Cecília & Rodolfo. (10/07/2011)

Carneiro no Buraco

Hoje a tarde estive no Parque de Exposições aqui de Campo Mourão, dando uma olhada na Festa do Carneiro no Buraco. O parque estava lotado, tinha muita gente. Na arena de rodeio nem dava pra entrar, pois estava abarrotada. Andei bastante pelo lugar, onde acabei encontrando alguns amigos e parentes.

Festa do Carneiro no Buraco. (10/07/2011)

Festa do Carneiro no Buraco. (10/07/2011)

Festa do Medianeira

Ontem em Curitiba, passei a tarde na Festa Julhina do Colégio Medianeira, meu antigo local de trabalho. A festa estava boa, com muita gente e bastante animada. Nos últimos anos eu ia à festa para trabalhar e nem aproveitava. Já dessa vez aproveitei bastante e também revi amigos. E o mais gostoso foi ouvir de muitas pessoas que trabalham lá (não só de amigos) que eu faço falta, que no meu tempo as coisas funcionavam melhor, que eu deveria voltar. Isso para o ego é muito bom e me deixou feliz, com uma sensação de missão cumprida.

Festa Julhina do Medianeira. (09/07/2011)

21ª Festa Nacional do Carneiro no Buraco

Começa hoje aqui em Campo Mourão a 21ª Festa Nacional do Carneiro no Buraco. Particularmente não curto muito essa festa, pois não como carne de carneiro. Se fosse algum outro tipo de festa gastronômica, eu curtiria bem mais. De qualquer forma trata-se de um grandioso evento que movimenta a cidade. Para saber mais sobre a festa  acesse: http://www.carneironoburaco.com.br/novo/

Como surgiu o prato típico de Campo Mourão: A iguaria foi criada em 1962 (durante o período de disputa da Copa do Mundo no Chile) por três pioneiros da cidade, depois de assistirem a um filme em que vaqueiros preparavam alimentos sobre brasas, dentro de um buraco cavado no chão. Ênio Queiroz, Joaquim Teodoro de Oliveira e Saul Ferreira Caldas – todos já falecidos – resolveram experimentar o peculiar sistema, mas as primeiras tentativas foram frustradas. Ora os ingredientes não ficavam cozidos, ora era impossível consumir por estar impregnado pela fumaça. Também não foi fácil acertar a melhor combinação entre legumes, tubérculos, condimentos, carne e até fruta. Mas valeu a curiosidade e persistência. No início servido esporadicamente apenas em festas de amigos, o prato foi ganhando fama e na década de 80 passou a ser servido também quando autoridades visitavam a cidade. Um movimento encabeçado pela confraria da Boca Maldita local levou a oficialização da iguaria como prato típico do Município em 1990, na gestão do prefeito Augustinho Vecchi durante a ocupação interina do cargo por Elmo Linhares. A 1ª Festa do Carneiro no Buraco foi realizada já no ano seguinte. Na primeira festa foram servidos 70 tachos, para cerca de 4.200 pessoas. Atualmente são 140 tachos para nove mil pessoas. Em 2003 por iniciativa da administração municipal foi transformadaem Festa Nacional. Oevento, que acontece sempre em meados de julho, acabou transformando o prato típico em verdadeiro símbolo de Campo Mourão, divulgando o Município em todo o Brasil em outros países. 

O preparo da Iguaria: O prato típico de Campo Mourão é cozido em um buraco de 1,50 metrosde profundidade e abertura de 1,05 metros, com dois metros cúbicos de lenha seca e um tacho de 30 polegadas, com tampa metálica. Os ingredientes do tempero são batidos no liquidificador, a carne cortada em pedaços pequenos, a qual deve permanecer por três horas na vinha. No tacho untado, a primeira camada é sempre de chuchu e abobrinha. Em seguida, alternam-se as camadas de carne e legumes. No final, colocam-se por cima os tomates, as cebolas e maçãs, inteiros. O restante do tempero que sobrou da vinha é despejado no tacho por cima de todos os legumes. Após a queima de dois metros de lenha no buraco, por um período de seis horas, é descido o tacho, que fica sobre as brasas e coberto com uma tampa metálica e vedado com terra. Ganchos especiais são usados na colocação e retirada do tacho. Após seis horas, a iguaria está pronta. O pirão é preparado com caldo retirado do tacho e farinha de mandioca torrada, além de cheiro verde e pimenta a gosto. O Carneiro no Buraco é servido acompanhado ainda de arroz branco e salada de almeirão. Pode ser acompanhado de vinho, cerveja ou refrigerante. Um tacho dá para cerca de 60 pessoas. Tempo de preparação: aproximadamente 12 horas.

Fonte: Clube da Panela – responsável pela Cozinha Única “Tony Nishimori”.

Na noite de sábado dois rituais marcam ainda a Festa Nacional do Carneiro no Buraco. O primeiro é espetáculo “O Guardião do Fogo”, realizado na Arena do Parque de Exposições pela Fundação Cultural do Municipio a partir de recursos cênicos. No local é apresentada a história da criação do prato típico, desde a descoberta do fogo, até aspectos da recente colonização do Município, e finalmente a implantação do prato típico. Na mesma noite acontece o Ritual do Fogo, com o acendimento dos buracos, às 23h. Durante o ritual, autoridades, atiradores do Tiro de Guerra, entidades e patrocinadores conduzem o fogo com o qual serão acesos os buracos. O cortejo segue em caminhada pelo Parque até o Buraco nº 1, e depois ao Pavilhão dos Buracos e lá solenemente as autoridades fazem o acendimento num clima de magia e rara beleza. No domingo é realizado Ritual de Retirada dos Tachos, o mesmo cortejo se repete com a abertura do tacho nº 01 que marca o início do almoço com o delicioso Prato Típico Carneiro no Buraco.

21ª Festa Nacional do Carneiro no Buraco

O prato típico já pronto.

Aniversário do Kayo

Recentemente estive no aniversário do meu amigo Kayo, que aconteceu na Confraria do Café, em Cianorte. Foi uma noite muito gostosa, uma festa bastante animada onde estavam reunidos amigos e familiares do Kayo. Desejo muita felicidade e vida longa ao Kayo, pois ele merece.

Confraria do Café.

Kayo e Vander.

Festa animada.

Vander, Kayo e Célio.